Série Grandes Atrizes: Léa Garcia

Publicado em: 03/11/2021

Divulgação

A SP Escola de Teatro segue em sua série de minibiografias de grandes atrizes da história.

Na lista, há importantes nomes, como Ruth de Souza, Fernanda Montenegro e Cacilda Becker.

Nesta quarta-feira, 03, nossa homenageada é a atriz Léa Garcia; confira!

Léa Garcia:

Atriz de extensa carreira no teatro, cinema e televisão, Léa Garcia nasceu no Rio de Janeiro em 1933.

Filha de Stela Lucas Garcia e José dos Santos Garcia, um bombeiro hidráulico e uma modista famosa da zona sul carioca. Desde muito jovem, já demonstrava o desejo de se envolver com a arte, se tornando escritora.

Aos 16 anos, saiu de casa para viver com o diretor Abdias Nascimento, fundador do (TEN), Teatro Experimental do Negro, local onde se aproxima da militância antirracista, por sua vez, do teatro.

Sua estreia como atriz foi em 1952, no espetáculo Rapsódia Negra, dirigido por Abdias Nascimento, declamando versos de Navio Negreiro, do poeta Castro Alves.

Série Grandes Atrizes: Zezé Motta

Em 1956, também pelo TEN, participa do espetáculo Orfeu da Conceição, de  Vinicius de Moraes, com músicas de Tom Jobim e cenário de Oscar Niemeyer. O espetáculo foi um enorme sucesso, cumprindo temporada no Teatro Municipal do Rio de Janeiro. No ano seguinte, Léa participa da produção Perdoa-me por Me Traíres, de Nelson Rodrigues, dirigido por Léo Jusi. Na ocasião, Nelson Rodrigues, além de dramaturgo, também participou como ator.

Léa foi a única do elenco teatral original a participar da adaptação cinematográfica da peça Orfeu Negro (ou Orfeu do Carnaval), dirigida pelo francês Marcel Camus, sendo indicada à Palma de Ouro de melhor atriz . A obra também é premiada com o Oscar de melhor filme estrangeiro e a Palma de Ouro no Festival de Cannes.

Série Grandes Atrizes: Fernanda Montenegro

Em 1963 participa da produção Ganga Zumba, primeiro filme de Cacá Diegues, dando vida à Cipriana, personagem que representa uma espécie de porta-voz da liberdade.

Sua estreia na televisão foi da década de 1950 no Grande Teatro da TV Tupi, passando, a partir desse momento, a participar muitas produções, entre elas; Vendem-se Terrenos no Céu, Assim na Terra como no Céu, de Dias Gomes, Minha Doce Namorada, de Vicente Sesso, dirigida por Daniel Filho, Régis Cardoso e Fernando Torres; O Homem que Deve Morrer, de Janete Clair; Selva de Pedra, de Janete Clair; Escrava Isaura; A Moreninha, de Marcos Rey; entre outras.

Confira as 10 minibiografias da série Grandes Figurinistas da SP Escola de Teatro

Entre os prêmios e indicações, estão; Festival de Cannes; Festival de Gramado; Jornada Internacional de Cinema da Bahia; Festival de Natal; Festival de Gramado; Brazilian Film Festival of Toronto e Festival de Cuiabá. Estes são apenas alguns dos muitos prêmios conquistados por Léa Garcia, uma das maiores atrizes do Brasil.




Relacionadas:

Notícias | 06/ 12/ 2021

Oficina Olhares: “Hormônios Femininos em Decomposição”, por Manfrin Manfrin

SAIBA MAIS

Notícias | 06/ 12/ 2021

Oficina Olhares: “Sapathos Digitais” e a adaptação para o online, por Gabriel Labaki

SAIBA MAIS

Notícias | 06/ 12/ 2021

Oficina Olhares: “Mamões maduros e corpos notícias!” por Manfrin Manfrin

SAIBA MAIS