Teatro Experimental do Negro é discutido na SP Escola de Teatro

Publicado em: 11/04/2014

Duas cofundadoras do grupo: Arinda Serafim e Marina Gonçalves, ensaiando o papel da “velha nativa” em O imperador Jones (Foto: José Medeiros)
 
 
O Teatro Experimental do Negro (TEN) foi fundado e dirigido pelo político, ativista e ator Abdias do Nascimento, em 1944, no Rio de Janeiro, tornando-se pioneiro em levar ao palco um elenco de atores negros e/ou mestiços, fazendo parte da formação do teatro moderno brasileiro, ao lado de grupos como o Teatro Brasileiro de Comédia (TBC), em São Paulo, e Os Comediantes, no Rio de Janeiro.
 
O objetivo do grupo é a valorização do negro com um trabalho de cidadania, propiciando a conscientização social, além da alfabetização, na medida em que o elenco era recrutado no universo operário, entre as empregadas domésticas, favelados sem profissão e alguns funcionários públicos. 
 
Amanhã (12), o grupo será o tema da mesa de discussão que a SP Escola de Teatro – Centro de Formação das Artes do Palco promove, das 12h30 às 14h30, na Sede Roosevelt. Gratuito e aberto ao público, o evento é uma homenagem ao centenário de Abdias Nascimento (1914-2011).
 
Os participantes do debate serão: o historiador, pesquisador e aprendiz de Dramaturgia da Escola, Christian Fernando dos Santos Moura; a escritora, mestre em Direito e em Ciências Sociais e doutora em Psicologia, Elisa Larkin do Nascimento; o ator e bailarino Haroldo Costa; e o bailarino e coreógrafo Rui Moreira. 
 
 
Sobre os participantes
 
Christian Fernando dos Santos Moura 
Aprendiz do curso de Dramaturgia da SP Escola de Teatro, possui graduação em História pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (2003) e mestrado em Artes pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (2008). Atualmente é professor assistente do curso de História da Universidade Bandeirante Anhanguera de São Paulo. Foi coordenador dos cursos de graduação em História e de especialização lato-sensu em História da África e Afro-brasileira da Universidade Bandeirante Anhanguera de São Paulo. Tem experiência na área de História, com ênfase em ensino de História, atuando principalmente nos seguintes temas: negro, cultura afro-brasileira, relações étnico-raciais, teatro brasileiro, teatro negro no Brasil, Teatro Experimental do Negro e teatro angolano. 
 
Elisa Larkin do Nascimento
Elisa Larkin Nascimento cursou dois anos na Universidade Princeton (1971-74) e completou sua graduação em Ciências Sociais, com honras, na Universidade do Estado de Nova York (EUA), recebendo o Bacharel em Artes, Summa Cum Laude, em 1976. Realizou o mestrado em Ciências Sociais (1978), bem como o Juris Doctor, Cum Laude (mestrado em direito com honras, 1981) na Universidade do Estado de Nova York. Completou o doutorado em Psicologia Escolar e do Desenvolvimento Humano da Universidade de São Paulo em 2000. Atualmente dirige o Instituto de Pesquisas e Estudos Afro-Brasileiros (IPEAFRO). Tem experiência nas áreas de Educação e Antropologia, com ênfase em Direitos Humanos, atuando principalmente nos seguintes temas: atitudes étnicas e raciais, sistemas africanos de conhecimento, negros (Brasil), diáspora africana e movimentos sociais.
 
 
Haroldo Costa
A iniciação teatral de Haroldo Costa deu-se no Teatro Experimental do Negro, quando atuou na peça de Lucio Cardoso, “O filho pródigo”. De volta ao Brasil depois da viagem de cinco anos pelo mundo com a companhia de danças Brasiliana, da qual foi um dos fundadores, diretor artístico e um dos bailarinos, foi convidado por Vinicius de Moraes, de quem tornou-se amigo em Paris, para protagonizar a peça “Orfeu da Conceição”. Representou também o papel de Jesus em “Auto da Compadecida”, de Ariano Suassuna. No cinema, dirigiu o filme “Pista de Grama” e como ator participou de “Cleo e Daniel” (Dir. Roberto Freire), “Deu no New York Times” (Dir. Henfil), “Rua Alguém 555”. Também atuou nas novelas: “A idade da loba”, “Chica da Silva”, “Pantanal”, “Ana Raio” e “Zé Trovão” e “Kananga do Japão”.
 
 
Rui Moreira
Bailarino, coreógrafo e investigador cultural Nascido em São Paulo e radicado em Belo Horizonte. Sua carreira teve início em 1979 e é fortemente marcada por sua participação no Grupo Corpo, de Minas Gerais, nas companhias paulistanas Cisne Negro e Balé da Cidade de São Paulo e como cofundador da Cia SeráQuê?. Atualmente, dedica-se a desenvolver criações a partir de pesquisas de linguagens cênicas tendo como mote principal as culturas brasileiras. Sua formação artística mescla a formação de dança acadêmica com o interesse pelas manifestações populares; trabalhou com representativos elencos e criadores no Brasil e em outros países, seja com as companhias e agrupamentos artísticos ou como resultado de pesquisas e encontros particulares. Foi curador da Mostra de Dança Contemporânea Telemig Celular Arte em Movimento (2004) e do FAN – Festival Internacional de Arte Negra (2003, 2005/2006, 2007 e 2009).
 
 
Serviço
Mesa de Discussão: “O Teatro Experimental do Negro – 100 anos de nascimento de Abdias do Nascimento”
Com: Haroldo Costa, Christian Fernando dos Santos Moura, Rui Moreira e Elisa Larkin Nascimento
Quando: Dia 12 de abril, das 12h30 às 14h30
Onde: SP Escola de Teatro – Sede Roosevelt
Praça Roosevelt, 210 – Centro
Tel.: (11) 3775-8600
Grátis

Relacionadas:

Uncategorised | 03/ 11/ 2021

Danilo Dal Lago, artista egresso da SP, estreia peça que contrapõe escritor periférico e mercado editorial

SAIBA MAIS

Uncategorised | 28/ 10/ 2021

Maria Bonomi inaugura obra no Memorial da América Latina que homenageia vítimas da pandemia

SAIBA MAIS

Uncategorised | 01/ 10/ 2021

Festival Satyricine Bijou anuncia vencedores da mostra competitiva e homenageia a atriz e cineasta Helena Ignez

SAIBA MAIS