EN | ES

Ailton Krenak e Andreia Duarte promovem lançamento da primeira plataforma digital de teatro brasileira relacionada ao mundo indígena

Na última sexta (26 de novembro), foi ao ar o site da primeira plataforma digital de teatro relacionada ao mundo indígena do Brasil. O projeto têm a função de valorizar obras produzidas por indígenas e não indígenas, reconhecendo nesses trabalhos estéticas e conexões que ampliam a percepção sobre a existência na Terra, e entendendo a arte, especificamente o teatro, como espaço de potência, criação e reinvenção da própria vida. A TePI – Teatro e os Povos Indígenas teve curadoria de Andreia Duarte e Ailton Krenak, e diversos artistas e pensadores contemporâneos, e ocupa o endereço digital tepi.digital.

O lançamento da plataforma ocorreu junto de sua primeira Mostra Artística, nela a abertura contou com a presença dos curadores e outros parceiros, como o diretor do Sesc São Paulo, Danilo Santos de Miranda, e Aline Torres, da Secretaria Municipal de Cultura de São Paulo. Como parte da celebração ocorreu ainda a exibição do espetáculo chileno TREWA – Estado-Nação ou o espectro da traição, dirigida por Mapuche Paula González Seguel,  peça documental que tematiza o assassinato de Yudith Macarena que envolve a violência histórica exercida contra o povo Mapuche pelo Estado chileno. TREWA inaugurou a plataforma, e contará com outras datas de exibição em janeiro e março de 2022.

A programação continua, no dia 5 de novembro, às 19h, será aberto o espaço das leituras dramáticas com a interpretação da dramaturgia Tybyra, por Juão Nÿn, peça que relaciona o mundo indígena à temática LBGTQIA+. Ao longo dos próximos meses, a TePI receberá apresentações que trarão também, questões concernentes à construção de hidrelétricas apoiada pelos estados, à presença feminina indígena na arte e à vida para além da humanidade.

A plataforma é um projeto a longo prazo, que será alimentado de forma contínua e duradoura com espetáculos, performances, leituras dramáticas, conversas abertas, atos para a cura, práticas pedagógicas, palestras abertas, encontros entre programadores e artistas indígenas de diferentes países, textos e vídeos, além de publicações dos mais variados e-books, catálogos e dramaturgia inéditas. A programação completa será lançada entre novembro de 2021 e março de 2022 e contará com mais de 80 convidados, entre artistas, pesquisadores, intelectuais e produtores indígenas e não indígenas, as ações realizadas estão disponíveis na plataforma e a maioria ficará para acesso do público.

Inicialmente pensada como presencial, a primeira edição da TePI ocorreu presencialmente em 2018, com o tema “Encontros de Resistência”, no SESC Pompeia. Foi discutida a questão do corpo indígena, sua representação no teatro, a luta pautada no antagonismo e a percepção da arte como forma de resistência.

De maneira geral e objetiva, o conceito da plataforma envolve o protagonismo do indígena na arte; o entendimento do teatro como ação artística que produz poética e política em diferentes espaços; e a percepção da existência para além da humanidade, através da valorização de obras que evidenciam e lutam pela pluralidade de todas formas de vida. No entanto,  espaço também se quer um lugar de diálogo e compartilhamento entre culturas diferentes:

“O protagonismo indígena é essencial para o TePI. Mas pensamos fundamentalmente em obras de artistas indígenas ou que se relacionam com esse universo que trazem reflexões sobre o mundo e mostram pontos de vista ambientais, políticos e sociais para a reinvenção da vida”, afirma a diretora artística Andreia Duarte. “Não dá para falar de arte indígena sem pensar o planeta, por isso no TePI estamos interessados em trabalhos que trazem este movimento.”

O programa ainda objetiva internacionalizar, ou seja, abrir um espaço de discussão da arte indígena brasileira com a arte indígena mundial, para isso ocorrerão rodadas de encontros virtuais entre artistas indígenas convidados, programadores e representantes de diferentes instituições culturais do mundo.

O projeto também estreará um podcast no próximo dia 7 de dezembro, com programação semanal, o TePI Podcast, ele consiste numa série de conversas com artistas indígenas convidados que falaram sobre sua atuação no mundo das artes da cena, refletindo as relações histórica, política, social e estética da produção teatral indígena.

A realização do evento é pela produtora Outra Margem, com recursos da Lei Aldir Blanc; Secretaria da Cultura e Economia Criativa do Estado de SP; Secretaria Municipal de Cultura de SP; SESC São Paulo; e em parceria com a Ocupação Miranda 2021.





Posts Archives

Ailton Krenak e Andreia Duarte promovem lançamento da primeira plataforma digital de teatro brasileira relacionada ao mundo indígena

Posted on

Na última sexta (26 de novembro), foi ao ar o site da primeira plataforma digital de teatro relacionada ao mundo indígena do Brasil. O…

Read more

Mostra de Experimentos tem recorde de acessos com Teatro Digital

Posted on

A Mostra de Experimentos da SP Escola de Teatro do segundo semestre de 2020 foi um sucesso de público, com recorde de acessos na…

Read more

Estudantes da SP Escola se apresentam na Mostra de Teatro Digital

Posted on

No segundo semestre de 2020, os estudantes dos cursos profissionalizantes conheceram a fundo e discutiram o trabalho do ambientalista, escritor e líder indígena Ailton…

Read more

Programa Kairós: estudantes apresentam trabalho inspirado na obra de Ailton Krenak

Posted on

No segundo semestre de 2020, o Programa Kairós e a Biblioteca da SP Escola de Teatro orientaram a atividade de contrapartida da Bolsa-Oportunidade “Monitoria…

Read more