No mês de seu aniversário, conheça a obra de um dos expoentes do modernismo brasileiro: Mário de Andrade

No último sábado, 9, um dos grandes nomes do modernismo brasileiro Mário de Andrade  (São Paulo, SP, 1893 – São Paulo, SP, 1945) completaria 128 anos. Fascinado pela busca de uma identidade artística e pelo folclore nacional, sua obra impactou a cultura da década de 1920 até os dias atuais.

No mesmo dia do aniversário do poeta, o ator Pascoal da Conceição, consagrado pela sua participação na série infantil “Castelo Rá-Tim-Bum” e que já interpretou o autor em muitas performances e minisséries de televisão (JK e Um Só Coração), estreou a websérie “Mário de Andrade Desce aos Infernos”, adaptação do espetáculo de teatro de mesmo nome. Inspirada no poema de Carlos Drummond de Andrade feito em homenagem à Mário, a série incorpora textos originais do modernista em sua obra, além de entrevistas, conferências e crônicas.

Poeta, cronista e romancista estão entre suas designações mais conhecidas, mas sua trajetória na arte começou pela música no Conservatório Dramático e Musical de São Paulo, lugar onde concluiu o curso de piano em 1917 e atuou como professor de história da música e da estética. Neste mesmo ano publicou seu primeiro livro Há uma Gota de Sangue em Cada Poema.

Mário também escreveu para diversos jornais e revistas como A Gazeta, a revista paulista Papel e Tinta, o Jornal do Comércio e o O Estado de S. Paulo.

O autor foi um dos organizadores da Semana de Arte Moderna, momento chave do modernismo, e nela foram de grande destaque suas palestras: sobre o abrasileiramento da língua portuguesa, que mais tarde foi publicada com o título A Escrava que Não É Isaura; e sobre a música folclórica nacional. Também são memoráveis suas leituras do Prefácio Interessantíssimo e do poema Paulicéia Desvairada; esse último nomeou o compilado de poemas que foi publicado em 1922. Outras obras importantes do autor foram Clã do Jabuti (1927); Amar, Verbo Intransitivo (1927), e os livros póstumos Contos Novos (1947) e Lira Paulistana (1943).

Com o seu olhar crítico e observador também ajudou a lançar as bases da música popular brasileira a partir da  sistematização dos estudos sobre ela. Grande parte de sua vida foi dedicada a estudar a identidade nacional; foi entusiasta da cultura popular oral e rural, e chegou a realizar uma pesquisa etnográfica de 1927 á 1929 pelo norte e nordeste do país, o qual rendeu o diário de bordo O Turista Aprendiz. Em 1935, ajudou a fundar o Departamento Municipal de Cultura de São Paulo, nele foi diretor e criou a Discoteca Pública (Discoteca Oneyda Alvarenga). Em 1937, convidou o casal Lévi-Strauss para ministrar um curso de etnografia e criou com Dina Lévi-Strauss, a Sociedade de Etnografia e Folclore, da qual foi presidente.

Assíduo pesquisador, sempre observou ambiguidades e contradições no brasileiro, e essas estão muito bem representadas na famosa personagem Macunaíma, ‘o herói sem caráter’, protagonista do livro homônimo. O romance foi um dos títulos mais importantes do modernismo e sintetizou muito da teoria idealizada pela vanguarda da época. Publicado em 1928, Macunaíma foi adaptado para o cinema pelo diretor Joaquim Pedro de Andrade em 1969, estrelando Grande Otelo. O filme foi um dos marcos do cinema novo brasileiro, vencedor de diversos prêmios no Festival de Brasília de 1969; sua cópia restaurada e sem cortes foi exibida na mostra ‘Cannes Classic’ durante o festival de Cannes, em 2004. Dentre as inúmeras adaptações que também foram feitas para o teatro, é de destaque a de Antunes Filho com o Grupo Pau-Brasil que estreou no Teatro São Pedro em 1978 e foi um marco no teatro modernista nacional.

Mário de Andrade foi um dos grandes intelectuais brasileiros do início do século XX, que contribuiu para o estudo e análise da cultura brasileira, preservando e enaltecendo esse bem tão precioso da nossa identidade nacional.

Por Leticia Polizelli, com edição de Luiza Camargo




Posts Archives

No mês de seu aniversário, conheça a obra de um dos expoentes do modernismo brasileiro: Mário de Andrade

Posted on

No último sábado, 9, um dos grandes nomes do modernismo brasileiro Mário de Andrade  (São Paulo, SP, 1893 – São Paulo, SP, 1945) completaria…

Read more

Seminário Cenas Modernas: 1922 e além tem Zé Celso entrevistado por Letícia Coura em encontro nesta quarta, 29

Posted on

Nesta quarta-feira, 29, o Seminário digital “Cenas Modernas: 1922 e além” terá seu último encontro transmitido no Youtube da SP Escola de Teatro, como parte…

Read more

Leituras Modernistas celebra os 100 anos da Semana de Arte Moderna dentro de uma perspectiva crítica; conheça o projeto da SP!

Posted on

As comemorações do centenário da Semana de Arte Moderna de 22 começaram na SP Escola de Teatro, e as equipes de colaboradores e parceiros…

Read more