EN | ES

100 anos da Semana de 22: O Rei da Vela, de Oswald de Andrade

O Rei da Vela é uma peça de Oswald de Andrade que foi publicada em 1937, no entanto, ela reflete muito do ideário da Semana de Arte Moderna de 1922, propondo uma forma que recupera a temática do movimento antropofágico iniciado pelo autor com o Manifesto Antropófago (1928), além de romper com a estética burguesa.

Artistas egressos de dramaturgia promovem 10ª edição Embate Experimento, que discute dramaturgia nos tempos digitais

A peça conta a história de Abelardo I, um agiota que têm o sonho de ascender socialmente, e vê no casamento com a aristocrata Heloísa a oportunidade para tal. Enquanto que a jovem objetiva reverter sua situação econômica através do matrimônio; Oswald de Andrade imprime na história uma crítica às relações de poder traçando um paralelo entre os dois personagens e as transações entre nações imperialistas e colonizadas. Além disso, o autor também apresenta uma sexualidade despudorada que vai contra a moral burguesa, conservadora e reacionária.

TBT: Relembre a vinda de um dos maiores diretores do teatro mundial para SP: Eugenio Barba!

A peça foi montada pela primeira vez apenas três décadas depois de sua publicação, em 1967, pelo Teatro Oficina de São Paulo. Dirigida por José Celso Martinez Corrêa, a montagem utilizou as insubordinações formais e conceituais da peça de Oswald para representar o contexto político conturbado da época. Com Ditadura Militar e na eminência do AI-5, com um cenário expressionista feito por Hélio Eichbauer, um palco giratório e com que tons que exalam a violência, obscenidade e o caráter grotesco da peça original, o Teatro Oficina realiza uma obra inovadora que transforma as artes da cena nacionais e lança as bases para uma nova forma de fazer teatro.

SP oferece curso presencial e gratuito de Produção cultural ‘O beabá da produção’ com Marco Prado

Oswald de Andrade foi um dos principais idealizadores da Semana de Arte Moderna, ao lado de Anita Malfatti e Mário de Andrade, fundou o movimento modernista. Conheceu as vertentes da arte vanguardista em suas viagens para Europa, as quais teriam grande influência em sua obra, o Manifesto Antropófago, Manifesto da Poesia Pau-Brasil, Memórias Sentimentais de João Miramar e Serafim Ponte Grande são alguns de seus trabalhos mais conhecidos.




Posts Archives

100 anos da Semana de 22: O Rei da Vela, de Oswald de Andrade

Posted on

O Rei da Vela é uma peça de Oswald de Andrade que foi publicada em 1937, no entanto, ela reflete muito do ideário da…

Read more

Seminário Cenas Modernas: 1922 e além tem Zé Celso entrevistado por Letícia Coura em encontro nesta quarta, 29

Posted on

Nesta quarta-feira, 29, o Seminário digital “Cenas Modernas: 1922 e além” terá seu último encontro transmitido no Youtube da SP Escola de Teatro, como parte…

Read more

Parlapatões criam nova versão para ‘O Rei da Vela’

Posted on

JONAS LÍRIO “Zé Celso me disse que todo grupo de São Paulo deveria fazer essa peça um dia”, conta Hugo Possolo, diretor da montagem…

Read more