Em atendimento à legislação eleitoral, os demais conteúdos deste site ficarão
indisponíveis de 2 de julho de 2022 até o final da eleição estadual em São Paulo.
Em atendimento à legislação eleitoral, os demais conteúdos deste site ficarão indisponíveis de 2 de julho de 2022 até o final da eleição estadual em São Paulo.
EN | ES

Com turma preenchida, curso de dança da SP Escola de Teatro promove que todo corpo é capaz de se expressar

Na SP Escola de Teatro, todo corpo é capaz de dançar e de se expressar . Foto: Acervo Rodrigo Alcântara

Com turma 100% preenchida, o curso de Dança Além dos Muros, orientado pelo bailarino Rodrigo Alcântara, é um dos dois cursos de Extensão Cultural que retomaram o formato presencial. Com a melhora nos índices de casos de Covid-19 e o avanço da vacinação — 90% da população adulta do Estado de São Paulo–, a SP Escola de Teatro, seguindo ainda protocolos rígidos para evitar a contaminação, iniciou 2022 com atividades presenciais.

SP oferece curso presencial e gratuito de Produção cultural ‘O beabá da produção’ com Marco Prado

Iniciado em 17 de fevereiro, o curso de Dança Além dos Muros tem a proposta de levar ao estudante o pensamento –e prática– de que todo corpo é capaz de dançar e se expressar. As aulas são promovidas pela SP Escola de Teatro, gerida pela Adaap (Associação dos Artistas Amigos da Praça), sob direção executiva de Ivam Cabral.

Na SP Escola de Teatro, todo corpo é capaz de dançar e de se expressar. Foto: Acervo Rodrigo Alcântara

Em seus encontros com os estudantes, Alcântara, orientador formado em Balé Clássico e Dança Contemporânea pelo Projeto Núcleo Luz, do Programa Fábricas de Cultura, e pela Fundação Theatro Municipal de São Paulo em Dança para Rapazes e Projeto Dançar, tem como missão profissional quebrar ideias generalizadas em relação ao uso do corpo com movimentos.

Com o avanço da vacinação, cursos de dança da Extensão Cultural da SP retomam aulas presenciais

“Vivemos numa sociedade muito preconceituosa e cheia de estereótipos. E eu reflito esses estereótipos dentro da própria linguagem da dança. Temos que fazer essa reflexão de que o corpo do ser humano é plural. Ao mesmo tempo que é plural, ele é rico. Às vezes, temos esse preconceito do corpo magro, gordo, com elasticidade ou travado. Muitas pessoas me falam: ‘Não vou fazer o curso porque nunca dancei’, ‘sou travado’, ‘sou uma pessoa gorda’ ou ‘sou uma pessoa que tenho vergonha do meu corpo’. Todas essas questões, reflexões e problematizações, partem de uma sociedade preconceituosa, que quer trazer esse corpo perfeito”, inicia.

“Porque quando falamos de dança pensamos em balé, pernas, ângulos altos e elasticidade? Todo corpo é capaz de dançar e de se expressar. Sempre gosto de mencionar que, às vezes, você está digitando o dia todo no seu serviço e está dançando com seus dedos. Quando você caminha, corre e levanta da sua cama, isso é uma dança. Temos que normalizar os movimentos do corpo humano como dança. Creio muito nisso. Para mim, é quebrar barreiras quando digo que todo corpo dança dentro de sua pluralidade e singularidade. Cada pessoa é única e precisamos trazer isso para o universo da dança”, continua.

Na SP Escola de Teatro, todo corpo é capaz de dançar e de se expressar. Foto: Acervo Rodrigo Alcântara

Atualmente com 31 anos, Alcântara teve início na dança aos 13. “Eu dançava na igreja, como qualquer criança”, relembra. Nessa idade, teve um encontro com as artes que mudou sua vida: participou de programas educativos e vocacionais do Céu da Vila Curuçá, na Zona Leste de São Paulo. Desde então, incorporou a arte como profissão e, mais do que isso, tomou para si a missão de deixar um legado para as novas gerações –o que tem sido feito nas aulas ministradas na SP Escola de Teatro.

SP Escola de Teatro celebra centenário da semana de 22 com importantes ações culturais

“Sinto que de uns dez anos para cá, está tendo uma representatividade e luta nos espaços da dança e das artes — e posso mencionar o teatro e a arte visual. Sabemos que todos esses lugares sempre foram para privilegiados. Nossos corpos periféricos nunca tiveram acesso. Hoje, estando no mercado de trabalho da dança e sendo desse círculo de pessoas que pensa, reflete e faz dança na cidade de São Paulo, para mim, também é uma evolução. Sinto que nossos corpos, cada vez mais, estão ocupando essas cadeiras”, avalia.

Na SP Escola de Teatro, todo corpo é capaz de dançar e de se expressar. Foto: Acervo Rodrigo Alcântara

“Quando vejo um coletivo, uma companhia de dança tendo acesso a editais de políticas públicas, sinto a evolução no mercado de trabalho da dança e no interesse do público. E quem é o público? O público tem que começar a ser o nosso. Os nossos que nunca tiveram esses privilégios e direitos de fazer um curso de dança. Sempre digo que os nossos sempre trabalharam e tiraram o ganha-pão. E também pensar que a dança além de uma profissão, é libertadora. Trago essa reflexão nesse questionamento que é: eu não preciso ser bailarino ou um dançarino profissional, mas tenho direito de ter acesso a arte, de entrar em um teatro, cinema e discutir arte com os meus”, conclui.




Posts Archives

Com turma preenchida, curso de dança da SP Escola de Teatro promove que todo corpo é capaz de se expressar

Posted on

Com turma 100% preenchida, o curso de Dança Além dos Muros, orientado pelo bailarino Rodrigo Alcântara, é um dos dois cursos de Extensão Cultural…

Read more

Marcia Dailyn, 1ª bailarina trans do Municipal, celebra dia internacional da dança

Posted on

Nesta quinta-feira, 29, é celebrado o dia Internacional da Dança, uma das manifestações artísticas mais sensíveis e tocantes que existem. Para homenagear a data,…

Read more

Estudantes de Corpo Acrobático celebram encerramento do curso com bela apresentação

Posted on

A SP Escola de Teatro oferece ao longo do ano letivo vários cursos de extensão cultural, e um dos destaques do segundo semestre de…

Read more