EN | ES

Série Grandes Iluminadores: Beto Bruel

Publicado em: 17/08/2021

Foto: Andre Stefano

A SP Escola de Teatro segue em sua série de minibiografias de grandes iluminadores da história.

Na lista, há importantes nomes do design de iluminação, como Roberto Gill Camargo, Stanley McCandless e Jorginho Carvalho.

Nesta terça-feira, 17, nosso homenageado é o iluminador, Beto Bruel; confira!

Beto Bruel:

Com mais de 40 anos de carreira, o iluminador Beto Bruel nasceu na cidade de Lapa, no Paraná, em 1950.

Iniciou sua carreira a convite de amigos do Colégio Estadual do Paraná, para construir a luz de um espetáculo teatral em Curitiba, em 1971.

Série Grandes Iluminadores: Caetano Vilela

Passou a integrar o Grupo Margem de Teatro Experimental dirigido por Manoel Carlos Karam em 1973. No ano seguinte realiza seu primeiro trabalho profissional com o Grupo Momento, na peça “MARAT SADE”, dirigido por Oraci Gemba em 1974.

Em parceria de Felipe Hirsch, Beto realizou espetáculos como: “A Vida é Cheia de Som e Fúria”; “A Memória da Água”; “Nostalgia”; “Como Aprendi a Dirigir um Carro” e “Avenida Dropsie”, “Não sobre o amor” e “O Avarento”, de Molière, com Paulo Autran.

Série Grandes Iluminadores: Jean Rosenthal

Representou o Brasil no Congresso da OISTAT (Organização Internacional de Cenógrafos, Técnicos e Arquitetos de Teatro), realizado em Praga, na República Tcheca, em 2007,2011.

Criou a iluminação da peça “Viver Sem Tempos Mortos”, com Fernanda Montenegro, direção de Felipe Hirsch em 2009. No mesmo ano, participa com a peça “Avenida Dropsie”, do Festival de San Sebastian, na Espanha, e ganhou medalha de ouro no World Stage Design, em Seul (Coreia do Sul).

Série Grandes Iluminadores: Cibele Forjaz

Em 2010, criou a iluminação das peças “Pterodátilos”, direção de Felipe Hirsch, “Hell”, dirigida por Hector Babenco, e “Cinema”, encenação de Hirsch. No ano seguinte, criou a iluminação da peça “Murro em Ponta de Faca”, direção de Paulo José, de “Trilhas Sonoras de Amor Perdidas” e da ópera “Rigoletto”, encenadas por Hirsch. Em 2012 criou a iluminação do Show “Tributo à Legião Urbana”, e de “O Aumento”, direção de Guel Arraes.

“O menino maluquinho”, direção de Fátima Ortiz; “Sonho de uma noite de verão”, dirigido por Marcelo Marchioro; “New York by Will Eisner”, dirigido por Edson Bueno; “Colônia Cecília” e “O Vampiro e a Polaquinha”, dirigidos por Ademar Guerra, e “As Kamikases”, direção de Cleide Piazecki, estão entre as muitas criações de Beto.

Série Grande Iluminadores: Jorginho de Carvalho

Medalha de Ouro no World Stage Design – International Organization of Scenographers, Theatre architects and Technicians (Seul, Coreia), Prêmio Shell, Troféu Gralha Azul, Premio Governador do Estado do Paraná, Troféu Poty Lazzaroto, Questão de Crítica, Festival de Teatro da Amazônia, FENATA-Festival de Teatro de Ponta Grossa, são alguns dos muitos prêmios conquistados por esse grande iluminador brasileiro.




Relacionadas:

Notícias | 26/ 05/ 2022

TBT: Relembre a Sala Verde da SP Escola de Teatro, iniciativa ambiental localizada na sede Brás

SAIBA MAIS

Notícias | 26/ 05/ 2022

Série Teatro de Grupo em São Paulo: conheça a Companhia Delas de Teatro

SAIBA MAIS

Notícias | 26/ 05/ 2022

Tiradentes em Cena 10 Anos tem participação de Miguel Arcanjo Prado, Coordenador de Extensão Cultural da SP

SAIBA MAIS