Série Grande Cenógrafos: Tomás Santa Rosa

Publicado em: 20/04/2021

A SP Escola de Teatro  segue em sua série de minibiografias de grandes cenógrafos da história do teatro mundial.

Na lista, há importantes nomes, como Edward Gordon Craig, Daniela Thomas e Darcy Penteado.

Nesta quinta-feira, 15, nossa homenageado é o cenógrafo Tomás Santa Rosa; confira!

Tomás Santa Rosa:

O cenógrafo, artista gráfico, ilustrador, pintor, gravador, professor, decorador, figurinista e crítico de arte brasileiro Santa Rosa nasceu em João Pessoa, na Paraíba, em 1909, onde viveu até a adolescência. Autodidata, ele também trabalhou como contador, mudando-se para Salvador e logo após para Maceió, onde participou do movimento intelectual local.

Série Grande Cenógrafos: Cyro Del Nero

Em 1932, mudou-se para o Rio de Janeiro, em um momento em que o Brasil vivia uma grande erupção do mercado editorial e valorização artística.
Santa Rosa começou a se destacar no início da década de 1930, quando assinou o projeto gráfico do livro Cahétes, de Graciliano Ramos. Tornou-se responsável pelas ilustrações de livros de grandes escritores, como Rachel de Queiroz, Jorge Amado, Guimarães Rosa, Carlos Drummond de Andrade, entre outros.

Série Grande Cenógrafos: Gianni Ratto

Sua estreia como cenógrafo foi em 1937, no espetáculo Ásia, de Lenormand, pela Companhia de Álvaro Moreira. Ainda neste ano trabalhou em Uma Loura Oxigenada, de Henrique Pongetti, e Anna Christie, de Eugene O’Neill, ambas com Eduardo Vieira.

Reconhecido como o primeiro cenógrafo moderno brasileiro, Santa Rosa fundou e integrou as companhias Os Comediantes e o Teatro Experimental Negro (TEN), de Abdias do Nascimento. Em 1943, projeta a cenografia de Vestido de Noiva, de Nelson Rodrigues, dirigido por Ziembinski, com quem posteriormente trabalha em Dorotéia, também de Nelson Rodrigues.

Série Grande Cenógrafos: Daniela Thomas

Senhora dos Afogados, de Nelson Rodrigues, dirigido por Bibi Ferreira, para a Companhia Dramática Nacional (CDN), Recital Castro Alves; Terras do Sem Fim – uma co-produção entre Os Comediantes e o TEN, Aruanda, de Joaquim Ribeiro, Filhos de Santo, de José de Morais Pinho, e Verdade de Cada Um, de Luigi Pirandello, com direção de Adacto Filho, foram alguns dos muitos trabalhos assinados pelo cenógrafo.

Série Grande Cenógrafos: Darcy Penteado

Vale destacar que Santa Rosa, também assumiu a coordenação das montagens do Teatro Municipal do Rio de Janeiro, dirigiu o Conservatório Nacional de Teatro e foi um dos fundadores de Sua Revista, A Manhã (jornal) e Rio Magazine.




Relacionadas:

Notícias | 19/ 01/ 2022

Rita Miranda e Laércio Motta, artistas egressos da SP, promovem espetáculo infantil digital e gratuito!

SAIBA MAIS

Notícias | 19/ 01/ 2022

Ator alemão comemora sucesso de sua oficina na SP e promove espetáculo exclusivo na sede Roosevelt da instituição

SAIBA MAIS

Notícias | 19/ 01/ 2022

100 anos da semana de 1922: Conheça ‘Samba’, considerada a obra mais importante de Di Cavalcanti

SAIBA MAIS