Em atendimento à legislação eleitoral, os demais conteúdos deste site ficarão
indisponíveis de 2 de julho de 2022 até o final da eleição estadual em São Paulo.
Em atendimento à legislação eleitoral, os demais conteúdos deste site ficarão indisponíveis de 2 de julho de 2022 até o final da eleição estadual em São Paulo.
EN | ES

É Chegada a “Grande Hora”

Publicado em: 08/11/2011

Há mais de nove semanas, os aprendizes do Módulo Amarelo da SP Escola de Teatro – Centro de Formação das Artes do Palco vêm se preparando para uma fase importante na sua formação: o Experimento. É nesse momento que eles devem praticar, ensaiar e se preparar psicologicamente – e fisicamente – para apresentar o resultado de tanto estudo, esforço e dedicação.

 

 

Qual o Segredo da Verdade? 

 

Engajados nesta atividade, o Grupo 4 se concentra na epígrafe do livro “Viva o Povo Brasileiro”, de João Ubaldo Ribeiro, que fala sobre o segredo da verdade. A cena, que será realizada na sede da SP Escola de Teatro, se propõe a mostrar uma discussão entre dois narradores – Preto Velho e Justina Bojuda – na busca pela identidade do povo brasileiro, enquanto abordam a questão da opressão no Brasil.

 

João de Freitas, aprendiz de Dramaturgia, explica que o grupo se foca, também, na discussão sobre as diversas relações – religiosas, sociais e afetivas – entre opressor e oprimido, “tema tão pulsante no livro”. A partir de algumas investigações realizadas durante o processo criativo, os aprendizes identificaram uma grande dose de ironia em “Viva o Povo Brasileiro”.

 

“Com essa descoberta, tentamos seguir a mesma linha na construção do texto. Chegamos então a uma estrutura básica: duas personagens narradoras, transitando livremente por um espaço mítico, disputam o privilégio de contar uma história e revelar um ‘segredo’ ao público. Que segredo é esse? Será a identidade do povo brasileiro? Será o segredo da própria verdade? É o que vamos discutir em cena!”, comenta Freitas.

 

Depois de muito trabalho, a expectativa é alta, “afinal, foi um trabalho extenso”, diz o aprendiz de Atuação Valmir Martins. Ele comenta, ainda, alguns detalhes da apresentação que ocorre amanhã (8), às 17h. “Nós, atores, cantamos algumas músicas, inclusive um rap, e estamos nos tornando um conjunto musical. Com muito ensaio, creio que chegaremos em um lugar muito interessante”, argumenta.

 

Para Freitas, ansiedade é um sentimento natural, porém, o grupo ainda não chegou a um trabalho definitivo e o processo de investigação dramatúrgica continua mesmo após a apresentação. “Não estamos buscando um resultado final; ao contrário, a nossa prioridade, neste momento, é o processo de aprendizado, que será aprofundado na próxima etapa, a Formação”, explica.

 

 

Explorando o Corpo

 

O Grupo 6, que se apresenta logo após o 4, às 18h30, discute em cena o corpo humano, “o corpo no geral, aquele que sofre preconceito, que não é aceito, que sente saudade, que é louco, enfim, o corpo”, comenta Claudia Bártholo, aprendiz de Humor e integrante do núcleo.

 

Tâmara Campos e Caique Oliveira, aprendizes de Humor e integrantes do Grupo 6 (Foto: Renta Forato)

 

Ao longo desta etapa, os aprendizes realizaram uma série de improvisações, nas quais foram abordados temas como a relação entre o corpo e a identidade brasileira. A partir disso, Afonso Lima, aprendiz de Dramaturgia, explica como surgiu o texto final. “Durante o processo de criação, foram criados seis textos, dos quais, posteriormente, o grupo selecionou alguns trechos. Feito isso, uma linguagem comum foi criada”, afirma.

 

A apresentação mostra “a descontinuidade, um ponto de vista e a narrativa por meio de elementos sonoros, visuais e corporais”, explica Lima. Em relação à harmonia geral, Claudia garante que fica por conta da turma de Humor. “Nós estamos felizes em poder usar um pouco de tudo que estamos aprendendo nesse Módulo, o coro, o canto e as quebras. O que se pode esperar do Grupo 6 é uma apresentação cheia de prazer e, acima de tudo, união. Esse grupo foi marcado pela vontade de estar junto e levar para a cena uma verdade comum a todos.” 

 

Lima também revela satisfação com o trabalho feito e diz que as expectativas são as melhores. “Os atores demonstraram versatilidade e entrega e todas as áreas colaboraram com conceitos que enriquecem a teia reflexiva”, finaliza.

 

 

Não esqueça, se você quer acompanhar os resultados, é só vir à sede da SP Escola de Teatro. As apresentações são gratuitas e abertas ao público. Ao longo do dia de hoje, mais matérias sobre o Experimento serão publicadas. Leia e fique sabendo quais são as expectativas dos outros aprendizes que irão se apresentar entre hoje (8) e amanhã (9).

 

 

Leia, também, a matéria “É Tempo de Experimentação”, que fala sobre a preparação dos Grupos 5 e 7.

 
 
Serviço
Experimento Módulo Amarelo
Quando: Terça, quarta, sexta-feira e sábado (8, 9, 11, 12), das 14h às 20h
Onde: SP Escola de Teatro   
Avenida Rangel Pestana, 2.401 
Telefone: (11) 2292-7988 | (11) 2292-8143
e-mail: info@spescoladeteatro.org.br
 
 
 
Texto: Jéssika Lopes

Relacionadas:

Uncategorised | 16/ 12/ 2021

16 de dezembro é dia do Teatro Amador: Conheça mais sobre essa importante prática cultural brasileira!

SAIBA MAIS

Notícias | 03/ 11/ 2021

Danilo Dal Lago, artista egresso da SP, estreia peça que contrapõe escritor periférico e mercado editorial

SAIBA MAIS

Notícias | 28/ 10/ 2021

Maria Bonomi inaugura obra no Memorial da América Latina que homenageia vítimas da pandemia

SAIBA MAIS