Romance conturbado na quarentena provoca identificação do público na peça ELAS

Por Luiza Camargo*

Os tempos difíceis da pandemia afetaram a humanidade em todas as esferas da vida: profissional, social e, principalmente, pessoal. Segundo o Colégio Notarial do Brasil, cresceu em 54% o número de divórcios no país em 2020, após um 2019 com recorde negativo.

Essa mudança abrupta no comportamento dos casais comprova como está difícil manter um namoro/casamento nesta nova realidade que se impôs. Para a chama se manter acesa, é preciso muita empatia, paciência, conversa e, muito, mas muito amor. E é sobre dificuldades — e também belezas — de um romance em tempos de quarentena que o espetáculo ELAS se debruça.

A montagem do Coletivo Caracóis abriu a primeira Mostra Aldir Blanc na SP Escola de Teatro e emocionou o público ao apresentar a história de um casal de mulheres muito apaixonadas que vive uma crise profunda no namoro por estarem separadas fisicamente.

Todavia, percebe-se ao longo da história que o distanciamento social foi apenas o estopim, o gatilho para ativar incômodos antigos que ambas já nutriam uma pela outra.

Cena do espetáculo ELAS, do Coletivo Caracóis, que abriu a Mostra Aldir Blanc na SP Escola de Teatro – Foto: Sol Faganello/Divulgação

Montanha-russa emocional

A dramaturgia de Carina Murias traduz com brilhantismo essa tensão, cheia de mágoas, existente entre as duas, com diálogos precisos de ataque e defesa uma com a outra, escancarando o ponto de vista das personagens em relação à respectiva amada.

Esse jogo de gata e rata, onde ninguém dá o braço a torcer e reconhece seus próprios erros na relação, cria uma identificação instantânea com o público. Quem nunca desenvolveu essa dinâmica em um relacionamento, não é mesmo?

Essa montanha-russa emocional, ora hostil, ora sensível, é transmitida pela direção conjunta de Náshara Silveira e Sol Faganello. Ambas não deixam o nível da “DR” cair em nenhum segundo, prendendo o público à apresentação inteira.

Espetáculo ELAS conta com excelentes atuações para contar um relacionamento em crise durante a pandemia – Foto: Sol Faganello/Divulgação

Atuações potentes no digital

É de aplaudir em pé também a interpretação das atrizes Carol Moreno e Fernanda Heitzmann, ótimas em suas personagens, tão certas e erradas ao mesmo tempo.

É essa observação minuciosa do ser humano o fato mais incrível da peça: não há vilãs na história. Elas são pessoas boas, muito apaixonadas, calejadas por suas feridas (medo da lesbofobia, por exemplo) e dominadas pela mágoa e a falta de comunicação.

A performance se encaixa com exatidão no modelo de teatro digital, pois o conflito acontece principalmente com as personagens discutindo pelas câmeras de seus computadores. Nas cenas de flashback ou solos, o destaque é para Maria Carolina Ito, responsável pela concepção de luz e som, ao conseguir criar ambientes e sensações completamente diferentes do cenário principal ao adotar a sintonia perfeita entre estes estímulos sonoros e visuais.

Poética, ELAS atinge com maestria o seu objetivo: falar de AMOR e sua intensidade e as inúmeras reverberações desse forte sentimento: mágoa, saudade, ciúmes, expectativa, empatia e dor.

Ao final, só desejamos que elas sejam felizes, juntas ou separadas.

*Luiza Camargo é jornalista pela Faculdade Cásper Líbero e historiadora pela USP. Foi repórter na Record (R7), Caras e Contigo. Também trabalhou com marketing em escolas e desde 2020 é analista de comunicação na SP Escola de Teatro.

A jornalista e historiadora Luiza Camargo, analista de Comunicação da SP Escola de Teatro - Foto: Edson Lopes Jr.

A jornalista e historiadora Luiza Camargo, analista de Comunicação da SP Escola de Teatro, é uma das 12 comunicadoras da Mostra Aldir Blanc na SP – Foto: Edson Lopes Jr.

Mostra Aldir Blanc na SP reúne 12 peças das 5 regiões do Brasil

Comunicadores convidados dialogam com 12 peças da Mostra Aldir Blanc na SP

Mesa de Discussão: A importância da Lei Aldir Blanc para a Arte na Pandemia

Veja análises das 12 peças da Mostra Aldir Blanc na SP




Posts Archives

Romance conturbado na quarentena provoca identificação do público na peça ELAS

Posted on

Por Luiza Camargo* Os tempos difíceis da pandemia afetaram a humanidade em todas as esferas da vida: profissional, social e, principalmente, pessoal. Segundo o…

Read more

Espetáculo ELAS conta história de amor lésbico em tempos pandêmicos

Posted on

O Coletivo Caracóis, formado por alunos egressos da SP Escola de Teatro, estreia o espetáculo ELAS na plataforma SP Escola de Teatro Digital no…

Read more

Aprendiz de Iluminação, Paulo Abe lança seu terceiro romance nesta sexta (4) no Parlapatões

Posted on

O escritor paulista Paulo Abe, 31 anos, aprendiz do curso regular de Iluminação da SP Escola de Teatro, lança nesta sexta-feira (4), o seu…

Read more