EN | ES

É HOJE! SP Escola de Teatro lança obra “Eternizar em Escrita Preta”, na sede Roosevelt às 19h, com textos de dramaturgas negras vencedoras do Prêmio Solano Trindade

Publicado em: 16/11/2022 |

Mariana Ozório, Amanda Pessoa e Amanda Carneiro, dramaturgas vencedoras do Prêmio Solano Trindade. Foto: Divulgação

Lançamento é nesta quinta-feira, 17/11, com várias ações na sede da instituição na Praça Roosevelt

A SP Escola de Teatro, ligada à Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Estado e gerida pela Associação dos Artistas Amigos da Praça (Adaap), lança na quinta-feira, 17/11, o livro “Eternizar em Escrita Preta”, do Prêmio Solano Trindade 2021. O evento acontece no hall da sede Roosevelt da instituição, centro da capital paulista, a partir das 19h, e contará com a presença das três escritoras selecionadas e da equipe de colaboradores da instituição que ajudaram na produção da obra, além de artistas e intelectuais convidados.

A obra pertence ao Selo Lucias, programa editorial da instituição que publica livros no campo das artes (teatro, dança, cinema e literatura), da pedagogia, das ciências sociais e da psicanálise e seu título é uma homenagem à Lúcia Camargo, importante gestora cultural e também colaboradora da SP Escola de Teatro que faleceu em 2020.

A fim de traçar um panorama da nova produção dramatúrgica de jovens autores negros e negras no Brasil, o concurso de 2021 selecionou três textos de estudantes de escolas de teatro do país, que foram publicados em livro, em formato impresso e digital. A edição traz as obras “Atropelo”, de Amanda Carneiro (São Paulo/SP), “Limiar ou Primeiro Impulso que Algo Aconteça”, de Amanda Pessoa (Dourados/MS) e “Piscinas: um Estudo Sobre Águas”, de Mariana Ozório (Belo Horizonte/MG).

Artistas egressos da SP Escola de Teatro exibem curta experimental Contágio no Cine Satyros Bijou no próximo final de semana

“Esse projeto é de grande importância, pois descobrimos, conhecemos e divulgamos as dramaturgias que estão sendo produzidas por jovens autoras e autores pretos de todo o país. São histórias que refletem novas concepções de mundo, reverberam o contexto social em que esses dramaturgos estão inseridos e abordam concepções decoloniais e contemporâneas para ressignificar a história. Elas também se transformam em exemplo para as gerações futuras e fonte dramática e documental”, afirma Ivam Cabral, diretor executivo da Adaap e idealizador do projeto.

Amanda Pessoa, Mariana Ozório e Amanda Carneiro, dramaturgas vencedoras do Prêmio Solano Trindade. Foto: Divulgação

O lançamento contará com leituras encenadas de trechos das obras, realizados por estudantes bolsistas do Programa Oportunidades da Instituição.

23ª edição do festival Satyrianas acontece entre 12 e 15 de novembro com a temática “Você Tem Fome de Quê?”

Além disso, na abertura do evento, a SP Escola de Teatro receberá o Sarau das Pretas Peri, sarau de música e poesia formado por um coletivo de mulheres negras e artistas da zona leste de São Paulo, que promove a cultura periférica e o empoderamento da mulher negra, com intervenções e performances, unindo diversos elementos como a dança, música, poesia e hip hop, resgatando a ancestralidade. Para o lançamento de “Eternizar em Escrita Preta”, o grupo traz uma homenagem à Tereza de Benguela, líder do quilombo do Piolho, que sob a sua liderança resistiu e lutou contra a escravidão por mais de duas décadas no século XVIII, no atual Mato Grosso.

Sarau Pretas Peri/ Divulgação

“O Solano Trindade é uma oportunidade rara de novos autores negros e negras criarem dramaturgias que tragam novos discursos para o teatro brasileiro. E é especial que seja destinado a estudantes e professores de escolas de teatro de todo o país, o que traz uma maior diversidade de olhares. Durante muito tempo negros e negras foram apresentados por olhares estereotipados. Criar uma nova dramaturgia que retrate essa parcela da população é fazer evoluir nossos palcos”, comenta Miguel Arcanjo Prado, coordenador de Extensão Cultural e Projetos Especiais da SP Escola de Teatro, e um dos organizadores do projeto.

A terceira edição do Prêmio Solano Trindade (2022) teve inscrições encerradas em 4 de novembro e no momento com o processo de análise das obras em andamento. O resultado com os novos três dramaturgos negros e negras selecionados para publicação de peça inédita em livro pelo Selo Lucias será publicado em 12 de dezembro de 2022 no site da SP Escola de Teatro. A comissão de seleção neste ano é formada pela roteirista doutora pela USP Viviane Pistache, pelo ator e produtor cultural mestre pela UFMG Denilson Tourinho e pelo jornalista, crítico e mestre pela UNESP Miguel Arcanjo Prado.

Lançamento do livro “ETERNIZAR EM ESCRITA PRETA”
Data: 17/11 (quinta-feira) – 19h
Local: SP Escola de Teatro – unidade Roosevelt – Praça Roosevelt, 210 – Centro, São Paulo SP

Aberto ao público

Sobre as autoras:

Amanda Carneiro é dramaturga, poeta e compositora paraense. É mestra e graduada em Teatro pela UDESC e UFPA, respectivamente. Integrou o Núcleo de Dramaturgia do SESI-SP (2020) e o Círculo de Dramaturgias do SESC-SP (2021). Possui poemas em revistas literárias e coletâneas como Trama das Águas, publicada pela Monomito Editorial. Coautora da peça teatral Zeca de uma cesta só, vencedora do Prêmio Especial do Júri pela capacidade de criação de uma arte política do Festival Internacional de Teatro Universitário de Blumenau-SC (2016) e autora da peça “Estados de Consciência”, publicada pela SESI-SP Editora.

Amanda Pessoa é Licenciada Historiadora (2015), mestra em sociologia (2019) e bacharelanda em Artes Cênicas (2021) pela UFGD. É mãe de Caetano Pessoa Jara (lê Rara) — desde 2019. Possui experiência em estudos das representações etnicorracias na TV e no teatro. Em 2020 foi atriz no espetáculo “Dom Casmurro” (Vencedor do Prêmio vozes da Cultura – Assis 2020). Em 2019 realizou a performance “Sobre Chorar o Leite Derramado” — fala de um corpo vertido em leite que tece sua trama, ao mesmo tempo em que trata de lugares-comuns atribuídos ao corpo materno e negro. Foi colaboradora da dramaturgia no espetáculo “Maldita Bendita Pensão” (2018). No mesmo ano foi colaboradora da dramaturgia do espetáculo “República de Vidro”, com direção de Carla Ávila e Rodrigo Bento. Em 2018 pesquisou sobre a utilização de fontes documentais na construção dramatúrgica do espetáculo “Limiar” — que teve como tema central narrativas de pessoas em situação de refúgio (sob orientação de Junia Pereira, Igor Schiavo e Michel Mauch).

Mariana Ozório é dramaturga, atriz em formação pelo Teatro Universitário da UFMG e psicóloga clínica pela PUC Minas. Foi aluna do Curso Livre de Teatro do Galpão Cine Horto (2016-2018). Em 2019, escreveu, dirigiu e atuou em seu solo “Pele”, na Mostra de Monólogos do Galpão Cine Horto (BH). Desde 2020 tem se aprofundado na escrita dramatúrgica e, atualmente, se dedica à escrita de duas dramaturgias e um livro de poemas & contos. É dramaturga do podcast “Corte Perfeito Para” e, desde 2021, integra a produção geral do podcast. Seu texto “….pontos….” faz parte do livro “Mentiras e outros pequenos furtos: um inventário da verdade” (2021).Está em processo de lançamento do seu livro peito cheio pela Editora Urutau.

Leitura dramática lançamento livro Eternizar em Escrita Preta- Prêmio Solano Trindade

Ficha técnica:
Direção- Tarcísio Gabriel
Iluminação- Murilo da Silva Ludovico

Elenco:
Gabriela Gonçalves
Natalia Matvyenko
Suzana Horácio
Thales Benito
Jaqueline Samaris

PRÊMIO
A premiação é uma homenagem ao ator, diretor, cineasta, escritor e militante pernambucano Francisco Solano Trindade (1908-1974), em cuja obra fez marcantes denúncias contra o racismo e o preconceito no Brasil. Em 2022, o Edital do Prêmio 2022 foi lançado em setembro e as inscrições encerraram no último dia 4 de novembro, com previsão de lançamento do novo livro no segundo semestre de 2023.

SP Escola de Teatro
Inaugurada na cidade de São Paulo, em 2010, a SP Escola de Teatro – Centro de Formação das Artes do Palco – propõe novos desafios para o ensino das Artes Cênicas no Brasil. Com um modelo pedagógico ousado, o espaço toma como prismas da formação as sensibilidades e as potencialidades artísticas, humanas, críticas e cidadãs. A instituição é ligada à Secretaria de Cultura e Economia Criativa de São Paulo e gerida pela Adaap – Associação dos Artistas Amigos da Praça, uma Organização Social de Cultura, sem fins lucrativos, formada por integrantes dos principais grupos de teatro da cidade de São Paulo.




Relacionadas:

Notícias | 01/ 03/ 2024

Espetáculo “No Banheiro Sujo de Um Bar Qualquer” estreia na SP Escola de Teatro

SAIBA MAIS

Notícias | 29/ 02/ 2024

Leitura dramática “CAMILO” acontece em 4/3 na SP Escola de Teatro

SAIBA MAIS

Notícias | 29/ 02/ 2024

Grupo 59 apresenta “Um Dia, Um Rio”, premiado espetáculo sobre desastre ambiental na Bacia do Rio Doce

SAIBA MAIS