Em atendimento à legislação eleitoral, os demais conteúdos deste site ficarão
indisponíveis de 2 de julho de 2022 até o final da eleição estadual em São Paulo.
Em atendimento à legislação eleitoral, os demais conteúdos deste site ficarão indisponíveis de 2 de julho de 2022 até o final da eleição estadual em São Paulo.
EN | ES

Ponto | Como o teatro inventou o robô

Publicado em: 24/06/2014

Em tempos de infindáveis inovações tecnológicas, o mundo já está acostumado a ouvir falar sobre as novas criações que são gradualmente popularizadas e incorporadas ao cotidiano das pessoas.

 

O que poucos sabem é que um dos termos mais repercutidos – e abrangentes – desse universo curiosamente surgiu no teatro. A palavra robô, derivada da palavra tcheca “robota”, apareceu pela primeira vez em uma peça do dramaturgo e escritor tcheco Karel Čapek (1890 – 1938). 

 

“R.U.R” (que significa “Rossum’s universal robots”), escrita em 1921, contava a história de Rossum, um brilhante cientista que desenvolve uma substância química semelhante ao protoplasma e, com ela, consegue construir humanoides pré-programados, robôs capazes de substituir humanos em trabalhos físicos. Surgia, assim, a imagem de robô que até hoje está enraizada no imaginário coletivo.

 

Cena de adaptação de “R.U.R” para a televisão

 

A palavra “robota”, tanto na língua tcheca quanto em outras línguas eslavas, também pode significar trabalho forçado, escravo, ou realizado de maneira compulsória.

 

Inicialmente, pode causar surpresa o fato de o termo ter sido criado no teatro, em cujo âmago se tenta, acima de tudo, compreender e discutir o ser humano. No entanto, é inevitável que a tecnologia ande e progrida junto com a raça humana. Assim é desde o início, e assim deverá continuar sendo. 

 

O próprio teatro se vale cada vez mais dos novos recursos para conseguir atingir formas potentes de expressão, que também dialoguem e reflitam o mundo em que vivemos atualmente: repletos de robôs e aparatos que modificam constantemente nossa existência – para o bem e para o mal.

 

Texto: Felipe Del

Relacionadas:

Ponto | 14/ 07/ 2015

Ponto | Regras para montar um currículo de ator

SAIBA MAIS

Ponto | 30/ 06/ 2015

Ponto | O nu coletivo no teatro brasileiro

SAIBA MAIS

Ponto | 23/ 06/ 2015

Ponto | Pequena biblioteca para atores

SAIBA MAIS