EN | ES

Peça Sapathos recebe Diogo Carvalho, professor de universidade da Pensilvânia, para debate com o público nesta sexta, 17

Publicado em: 17/06/2022

Nesta sexta-feira, 17, às 21h15, a unidade Roosevelt da SP Escola de Teatro recebe o pesquisador Diogo Carvalho para uma conversa com o público sobre a peça Sapathos, em cartaz na instituição até o dia 25 junho. O bate-papo será logo após a apresentação do espetáculo que começa às 20h e todas, todes e todos estão convidados a participar desse momento especial.

Curso gratuito e presencial | Teatro Musical: Estudo e Montagem De Um Espetáculo Original

Diogo nasceu em São Paulo, mas é radicado nos Estados Unidos, onde concluiu seu doutorado em música pela Universidade da Florida. Atualmente, o  professor ministra aulas na Marywood University, na Pensilvânia. Sua pesquisa se concentra em música eletroacústica, com influência da música popular brasileira e do jazz. Já trabalhou com grandes nomes do universo artístico dentro e fora do Brasil como a Unheardof\\Ensemble, Bold City Contemporary Ensemble, Irvine Arditti, Boston String Quartet, Laurent Estoppey, Jeremy Huw Williams, Fonema Consort, Philipp Gerschlauer, Orquestra Jovem Tom Jobim, Hermeto Paschoal, Ulisses Rocha, César Camargo Mariano, entre outros.

Gabriel Cândido, artista egresso da SP, assina dramaturgia e dirige espetáculo Fala das Profundezas, em cartaz no Sesc Belenzinho

Para a Cia. Os Zzzlots, Diogo foi um dos pensadores cuja pesquisa serviu de referencial teórico durante o processo criativo da peça, por isso a presença do professor para a conversa será muito significativa. No geral, Sapathos traz reflexões sobre temas diversos e atuais, como o preconceito, a violência, a transfobia e o racismo estrutural, no entanto, a música acaba se sobressaindo como um elemento importante. Constituídas de pequenos fragmentos de jornal, cujas notícias são disparadas para o público em ritmo frenético, as cenas trazem fatos históricos com o objetivo de causar vertigem no espectador.

Nessa conjuntura, a matéria narrativa acaba se esbarrando em alguns conceitos e compositores trabalhados por Diogo em seus estudos. Sergio Zlotnic, um dos dramaturgos e diretores da peça, ressalta três momentos importantes nos quais os slides apresentados no palco refletem tais aspectos. O Slide Come Out, que fala de Steve Reich, maior compositor norte-americano vivo, que compôs a música Come Out em 1966, por conta de um acidente que ocorreu em Harlem, Nova York.

Confira como foi a finalização da oficina Dramaturgia Comunitária, ministrada por William Costa Lima

Na ocasião, um jovem negro, Daniel Hamm foi agredido pela polícia sob a acusação de um crime que não cometeu, apesar de estar muito machucado a ajuda médica foi negada a Daniel, que decidiu rasgar os próprios hematomas com os dedos para ficar mais ferido e, então, ser finalmente socorrido. Outra obra famosa de Reich citada por Sapathos é Different Trains, de 1988, nela o compositor faz um paralelo entre as viagens de trem que fazia na infância, indo do leste ao oeste dos Estados Unidos, para visitar seu pai e sua mãe que eram divorciados, e as viagens de trem que aconteciam nos anos 1940 dos judeus europeus sendo levados para campos de concentração.




Relacionadas:

Notícias | 08/ 02/ 2023

Inscreva-se no gratuito e presencial O Lugar da Fotografia na Cena Teatral Paulistana, com Bob Sousa

SAIBA MAIS

Notícias | 08/ 02/ 2023

Artistas da SP Escola de Teatro são indicados ao Prêmio Shell 2023; confira!

SAIBA MAIS

Notícias | 08/ 02/ 2023

Gabriel Cândido, artista egresso da SP Escola de Teatro, lança o segundo livro de sua trilogia dramatúrgica sobre ancestralidade negra

SAIBA MAIS