EN | ES

Flavi Lima, estudante de humor da SP, integra a residência artística Corpas à Mostra

Publicado em: 16/07/2021

Artista de rua, palhace, malabarista, equilibrista, acrobata e pirofagista, Flavi Lima, estudante de humor da SP Escola de Teatro, é proponente e co-produtore do projeto Corpas à Mostra – Residência Artística LGBTQIAP+ Calunga, contemplado com Lei Aldir Blanc pela Secretaria da Cultura da cidade de São Vicente, na baixada santista.

A partir dos estudos realizados em 8 encontros com duração de 4 horas cada, foram criados 8 vídeos artes, que serão exibidos em uma live que estreia em setembro deste ano, seguidos de uma roda de conversa com artistas residentes sobre o processo. Até lá, registros do projeto podem ser acompanhados através do site www.corpasamostra.com e do Instagram @corpasamostra.

Histórico! Emmy 2021 tem recorde de indicações para negros, trans e asiáticos

O projeto foi a primeira residência artistica LGBTQIA+ da cidade: “O objetivo do Corpas à Mostra é realizar encontros online entre artistas, tencionando estudos sobre gênero, sexualidade, raça e território, trazendo a história dos povos originários que viviam na região antes da chegada dos portugueses e que tinham suas corpas livres”, comenta.

Flavi Lima iniciou nas artes circenses pelas oficinas livre de circo realizadas na ocupação Artística Vila do Teatro, na cidade de Santos, em 2015. Como artista realizou trabalhos na Fundação Casa e também nas casas de cultura de São Vicente, baixada santista, onde também integra o movimento As Praiaças e o coletivo Circo Periférico, que tem como objetivo democratizar o acesso à arte, se apresentando para o público periférico dentro e fora de seus territórios.

Secretaria de Cultura e Economia Criativa lança aplicativo #CulturaEmCasa com programação gratuita a partir deste sábado

Ainda sobre a pesquisa, Flavi conclui: “Há relatos, através de cartas escritas por jesuítas, da existência de homens trans que integravam as comunidades indígenas na época e que exerciam a liberdade sexual e de gênero, já que os povos, culturalmente, enxergavam a transexualidade como norma ao invés de dissidência”.

Por Bruno de Paula

 




Relacionadas:

Notícias | 26/ 05/ 2022

TBT: Relembre a Sala Verde da SP Escola de Teatro, iniciativa ambiental localizada na sede Brás

SAIBA MAIS

Notícias | 26/ 05/ 2022

Série Teatro de Grupo em São Paulo: conheça a Companhia Delas de Teatro

SAIBA MAIS

Notícias | 26/ 05/ 2022

Tiradentes em Cena 10 Anos tem participação de Miguel Arcanjo Prado, Coordenador de Extensão Cultural da SP

SAIBA MAIS