EN | ES

Reflexões

Publicado em: 19/12/2019

Atenta às discussões sociais contemporâneas, a SP Escola de Teatro escolheu como temáticas de trabalho em sala de aula, neste ano, o “Faz de conta na infância: O imaginário nos jogos teatrais” e “Necropolítica”, no primeiro e no segundo semestre, respectivamente.

A pedagogia da Escola toma como base esses temas para nortearem os debates teóricos e o desenvolvimento dos experimentos cênicos, criados pelos grupos de estudantes e encenados.

No primeiro semestre, as investigações cênicas tiveram como base de estudo a pesquisa da teatróloga e professora da USP Ingrid Koudela. No segundo semestre, foram estudos os textos do filósofo Achille Mbembe.

Tião Carvalho, Antônio Lucatto e Yuri Carvalho, do Grupo Cupuaçu, na SP Escola de Teatro. (Foto: Jonas Lírio/SP Escola de Teatro)

Para fundamentar na prática os estudos temáticos, ao longo do ano, também recebemos a visita de artistas e pesquisadores cujos trabalhos estão interligados às discussões citadas acima. É o caso do mestre maranhense Tião Carvalho, que comandou várias brincadeiras populares do Nordeste brasileiro e falou de sua ligação com as danças tradicionais de sua terra, como o Bumba-Meu-Boi e o Cacuriá, das pesquisadoras e militantes no movimento negro, Rosane Borges e Dina Alves, e do bloco afro Ilu Obá de Min, cujas integrantes ministraram oficina de corpo e ancestralidade aos estudantes de Humor.

View this post on Instagram

Corpo e ancestralidade são temas de uma oficina incrível que Adriana Aragão, Beth Beli e Mafalda Pequenino, integrantes do Ilú Obá De Min (@iluoba), têm dado aos estudantes do curso profissionalizante de Humor. O batuque dos tambores, as expressões corporais, a ritualidade e a mitologia dos orixás fazem parte dos encontros semanais. ⠀ ⠀ As "mãos femininas que tocam tambor para Xangô", que é o significado do nome do bloco em iorubá, o Ilú foi fundado em 2004 e se baseia no resgate da tradição da cultura negra e das influências africanas na identidade brasileira — como o candomblé, o jongo, o maracatu e a ciranda. Elas desfilam todo ano pelas ruas do centro da capital. ⠀ ⠀ 🎥 @henrique_mello ⠀ __⠀ #Adaap #CulturaSP #MaisCultura #MaisSP #SPEscoladeTeatro⠀

A post shared by Amigos da Praça (@escoladeteatro) on

ABERTURA

Como já é tradição na SP Escola de Teatro, a cada semestre, os estudantes são recebidos para o novo período letivo em uma aula inaugural, com presença de convidados especiais. Em fevereiro, o cantor e compositor Zeca Baleiro participou do bate-papo, e em agosto, 11 artistas egressos dos cursos regulares estiveram no encontro: Lilian Prado, Gabriel Cândido, Fabiano Muniz, Miguel Rocha, Carol Andrade, Danielle Meirelles, Alicio Silva, Carol Pitzer, Dione Carlos, Angélica Muller e Clau Carmo.