EN | ES

Último encontro do Seminário da Mostra de Estudantes PQ-23 comenta tradições e transgressões da cenografia nesta quinta (23); confira!

Publicado em: 23/06/2022

Nesta quinta-feira, 23, às 19h30, acontece a palestra sobre o Raro na Relação com Tradição e Transgressão, com Gabriel Vilella, Bruce Macêdo e Simone Mina, com mediação por Mila Goudet. O evento faz parte do 2º Seminário da Mostra de Estudantes da Quadrienal de Praga de 2023, que será transmitido pelo canal do YouTube da SP Escola de Teatro.

Sede Brás da SP recebe nova edição do projeto Tendas da Cidadania, do CDHIC, com o tema O Meio Ambiente é a Nossa Casa!

A ação consiste numa série de encontros que integram a programação e antecedem o evento mais importante da cenografia mundial, a Quadrienal de Praga, que é realizada a cada quatro anos na capital da República Tcheca desde 1967. Além desse, o 2º Seminário da Mostra de Estudantes da Quadrienal de Praga de 2023 promoveu ainda duas palestras nos dias 21 e 22 de junho, terça e quarta, sobre assuntos correlatos, cujas gravações completas também estão disponíveis na plataforma.

2º Encontro do Seminário da Mostra de Estudantes PQ-23 aborda a atuação escolar em quadrienais nesta quarta (22); confira!

Confira mais sobre os convidades:

Gabriel Vilella

Formado na brasilidade da cultura interiorana, a referência do diretor, figurinista e cenógrafo, Gabriel Villela baseia-se em três pilares distintos: o imaginário do povo mineiro, as festas populares e o circo-teatro. Suas influências também vieram da tia modista e da mãe bordadeira e foram reforçadas em seu estilo, não por uma universidade, mas por pessoas de espíritos e pensamentos nobres, segundo ele mesmo sentencia, como Carlos Alberto Sofredini, Irineu Camiso Jr. e Romero de Andrade Lima, que o ajudaram a ser reconhecido pela forte característica barroca de suas criações. Nesse momento, Villela já havia iniciado sua trajetória paulista, ao vir cursar Direção Teatral na Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (ECA – USP).

Bruce Macêdo

Professor da Universidade Federal do Pará, lotado na Escola de Teatro e Dança; Doutorando em Educação Artística pela Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto; Mestre em Artes pela Universidade Federal do Pará (UFPA) e Universidade Estadual de Santa Catarina (UDESC) 2016; Especialista em Educação de Jovens e Adultos (EJA-Artes) pela Universidade Federal do Pará (UFPA) 2015; Graduado em Educação Artística pela Universidade Federal do Pará (UFPA) 2007; Área de interesse na pesquisa: saberes e técnicas rústicas de artesania empregadas na construção de artefatos de caça, pesca, transporte e edificação, existentes em comunidades remanescentes indígenas e quilombolas da Amazônia, onde desenvolve atividades educacionais e artísticas a partir da utilização de fibras naturais. Disciplinas que ministra: Cenotecnia, Elementos da Plástica, Fundamentos dos Elementos Cênicos, Máscara e Corpo, Prática de Montagem.

Simone Mina

Simone Mina é artista visual, cenógrafa e figurinista. Professora-pesquisadora da área de Arte, Cultura e Moda da Faculdade Santa Marcelina|SP. Mestre em Educação, Arte e História da Cultura pela Universidade Mackenzie. Cenógrafa e Figurinista formada pelo Espaço Cenográfico, em 1998. Desde 2000 desenvolve instalações e performances que investigam a roupa e o espaço na cena contemporânea. Atua como diretora de arte na Música e no Teatro. Realiza direção de arte, cenografia e figurinos para a Cia.Livre de Teatro, desde 1999, companhia que funda ao lado de Cibele Forjaz e outros artistas. Desde então, colabora com inúmeros artistas e grupos de pesquisa pelo Brasil. Em, 2007 concebe os figurinos para a montagem de “Trem Fantasma”, do criador Cristoph Schilingensief, nas obras do Sesc Belenzinho. Neste mesmo ano, passa a integrar a Cia Teatral Ueinzz, grupo que atua até hoje Desenvolve projeto expositivo para “LIVING THEATRE, PRESENTE!” (2017), exposição sobre o grupo do teatro experimental norte-americano, no SESC Consolação/SP, em aprofundamento da sua pesquisa sobre o teatro de grupo que iniciou com o projeto Arena Conta Arena 50 anos (2006) e que se desdobrou em exposição no Instituto Cultural Tomie Otake. Participa da 8ª, 9ª e 15ª Quadrienal de Cenografia, Figurino e Arquitetura Cênica da República Checa, em Praga, em 1999 como estudante do Espaço Cenográfico, 2003 e 2015, representando o Brasil ao lado de outros cenógrafos. Em 2021, recebe o Prêmio APTR pelos figurinos do teatro-filme Gaivota com direção de Bete Coelho e Gabriel Fernandes. Em 2020, recebe o Prêmio Shell por “Insônia – Titus Andronicus|Macbeth”, direção de André Guerreiro Lopes. Sendo indicada outras vezes e também premiada pelo trabalho de pesquisa em “VemVai – O caminho dos Mortos”, espetáculo que investigou a relação entre mitos de morte e renascimento na cultura ameríndia brasileira.

Mila Goudet

Mila é arquiteta formada pelo IAU São Carlos e recém formada passou pelo CPT e em seguida desistiu de ser arquiteta para trabalhar como cenógrafa com a amiga Paula de Paoli. Fez doutorado em Comunicação e Semiótica na Puc SP e mestrado em Psicologia Clínica no Núcleo de Subjetividades Contemporâneas, também na PUCSP. Atualmente é professora nos cursos de design de interiores, arquitetura e urbanismo da Unip e do centro universitário Unar.




Relacionadas:

Notícias | 29/ 06/ 2022

Performance documental Genderless – Um Corpo Fora da Lei estreia no dia 4 de julho na unidade Roosevelt da SP

SAIBA MAIS

Notícias | 29/ 06/ 2022

Colaboradores da Adaap e do Instituto Limpa Brasil realizam mutirão de limpeza da Praça Roosevelt; confira como foi!

SAIBA MAIS

Notícias | 28/ 06/ 2022

Tom Rezende, artista egresso de direção da SP, ganha prêmio de melhor direção por Lisístrata – O Voo das Andorinhas

SAIBA MAIS