Andanças pelo Teatro Mundial: SP entrevista a diretora e professora finlandesa Saana Lavaste, da University of the Arts Helsinki

Nessa segunda ação da série de entrevistas ‘Andanças pelo Teatro Mundial’ promovida pela SP com intuito de conversar com importantes nomes do teatro, Marcio Aquiles, escritor e crítico teatral, fala com Saana Lavaste, artista, pensadora, professora e diretora da da Academia de Teatro (Teak) da University of the Arts Helsinki.
1. Considerando os aspectos da pandemia, como está o teatro atualmente na Finlândia? Você tem agora performances digitais, híbridas ou de “presença física”?
Os teatros aqui na Finlândia foram abertos novamente neste outono (europeu). Primeiro sob estritas restrições: a partir de agosto, apenas cerca de 25-50% dos assentos podiam ser ocupados. Agora, desde o início de outubro, voltamos a ter espetáculos com casa cheia. Portanto, o teatro está novamente ao vivo e físico, e isso é incrível.
 
2. Quais foram as referências artísticas importantes quando você começou a trabalhar com teatro?
Eu li muitos quadrinhos quando era adolescente. Eu adorava quadrinhos de super-heróis, como Daredevil, Batman e X-Men. Acho que a narração visual nos quadrinhos teve um grande impacto para mim. Depois me inspirei na música popular e nos videoclipes da MTV, como Madonna, Eurythmics, Nirvana, Bon Jovi, Kate Bush etc. Também comecei a praticar aikido, uma arte marcial japonesa, aos 14 anos. Mais tarde, essa jornada levou ao zen budismo, que pratico há cerca de 20 anos. Portanto, embora eu nunca tenha visitado o Japão, sinto que a cultura japonesa teve um grande impacto em meu corpo e mente. Talvez essa exposição ao longo da vida às coisas japonesas seja a razão pela qual acabei ensinando direção através do Ikebana.
Durante meus estudos teatrais, me inspirei em Augusto Boal e admirei as obras de alguns grandes artistas finlandeses que também foram meus professores na Academia de Teatro, como a diretora Kaisa Korhonen e o dramaturgo, ator e diretor Pirkko Saisio. A minha professora Kaisa inspirou-se muito no teatro alemão nos anos 60 e 70 e levou-nos a Berlim para ver teatro durante os nossos estudos no final dos anos 90. Lá eu vi obras de Thomas Ostermeier, por exemplo.
 
 
3. E atualmente, você pode mencionar alguns outros artistas ou grupos cujos  trabalhos você acredita serem potentes ou fonte de inspiração?
Há muitos…. No momento, sinto-me inspirada por muitos artistas na Finlândia, como a dramaturga e diretora Milja Sarkola, Saara Turunen, Marjo Niemi e Leea Klemola. Também pelas dramaturgas Tanja Helminen e Pipsa Lonka, que me mostraram como pode ser uma forma pós-humanística de se ver o mundo. Admiro a diretora Yana Ross, por suas interpretações ferozes dos clássicos no palco, e também pelo trabalho de Katie Mithcell e Milo Rau. Rimini Protokoll, Showcase Beat Le Mot e Mammalian Diving Reflex são alguns exemplos de grupos de teatro que considero muito interessantes também. 
 
4. O último curso que você ministrou na SP Escola de Teatro, relacionando a Ikebana e a direção teatral, foi muito bem avaliado pelos alunos e achamos que teve um impacto incrível em muitos artistas. Você ainda está pesquisando neste campo?
Sobre Ikebana e direção: sim, com certeza ainda estou pesquisando esse assunto. Espero que no futuro eu tenha o tempo e a possibilidade de estudar Ikebana mais formalmente, para aprofundar minha compreensão. Acabei de escrever um artigo sobre Ikebana para um livro sobre direção que será publicado na primavera de 2022. Estou muito orgulhosa que a rede Alexandria Nova (projeto do qual participam SP Escola de Teatro e University of the Arts Helsinki, ao lado de outras seis universidades europeias) está produzindo este novo livro com 17 artigos muito interessantes sobre direção teatral. O artigo de Rodolfo García Vázquez é um deles. Espero que esse livro ofereça novos horizontes, inspiração e apoio para pessoas interessadas na arte de dirigir, já que às vezes pode ser um negócio realmente solitário.
 
5. Você vem cooperando conosco há algum tempo, e agora estamos juntos no projeto Alexandria Nova. Como professora e diretora, o que você mais apreciou em relação ao sistema pedagógico da SP Escola de Teatro? E o que você sente falta das últimas vezes que veio aqui?
O que eu mais gosto na SP Escola de Teatro é a ideia de acessibilidade, que pessoas de ambientes muito diferentes possam estudar juntas. Também é meu sonho poder fazer algo aqui em Helsinque para tornar essa educação mais acessível, mas essas estruturas universitárias são bastante rígidas. Portanto, a liberdade que vocês tiveram para criar suas próprias estruturas do zero é uma coisa linda. Conectado a isso, adoro a ideia de aprendizado não linear que a SP Escola de Teatro tem.
 
 



Posts Archives

Andanças pelo Teatro Mundial: SP entrevista a diretora e professora finlandesa Saana Lavaste, da University of the Arts Helsinki

Posted on

Nessa segunda ação da série de entrevistas ‘Andanças pelo Teatro Mundial’ promovida pela SP com intuito de conversar com importantes nomes do teatro, Marcio…

Read more