“Splendor in the grass”

Publicado em: 02/08/2013

por Ivam Cabral*, especial para o portal da SP Escola de Teatro

 

Revi, numa madrugada da semana que passou, um dos filmes mais lindos da minha vida: “Splendor in the Grass” (em português, “Clamor do sexo”), de 1961, do mestre Elia Kazan.

O roteiro, que tem como inspiração o poema homônimo de Wordsworth (1770-1850), é aterrador; e o trabalho de Natalie Wood, que fez o filme aos 20 anos (!), é inacreditavelmente deslumbrante.

Impressiona, no entanto – e se pensarmos que a obra foi realizada no início dos anos 1960, localizado no final dos 1920 –, a temática do filme: sexo na adolescência.

Pelo andar da carruagem, estou certo de que, hoje, este filme não seria produzido. Na arte – não apenas no cinema –, vivemos, há muito, um retrocesso temático.

Aqui, um trecho do poema de Wordsworth, com tradução de Catarina Belo, e a cena final do filme.

Esplendor na Relva

Apesar de a luminosidade
outrora tão brilhante
Estar agora para sempre afastada do meu olhar,
Ainda que nada possa devolver o momento
Do esplendor na relva,
da glória na flor,
Não nos lamentaremos, inspirados
no que fica para trás;
Na empatia primordial
que tendo sido sempre será;
Nos suaves pensamentos que nascem
do sofrimento humano;
Na fé que supera a morte,
Nos tempos que anunciam o espírito filosófico

*A coluna de Ivam Cabral é publicada às sextas-feiras. Clique aqui para ler outras colunas.

 

Relacionadas:

Uncategorised | 03/ 11/ 2021

Danilo Dal Lago, artista egresso da SP, estreia peça que contrapõe escritor periférico e mercado editorial

SAIBA MAIS

Uncategorised | 28/ 10/ 2021

Maria Bonomi inaugura obra no Memorial da América Latina que homenageia vítimas da pandemia

SAIBA MAIS

Uncategorised | 01/ 10/ 2021

Festival Satyricine Bijou anuncia vencedores da mostra competitiva e homenageia a atriz e cineasta Helena Ignez

SAIBA MAIS