Em atendimento à legislação eleitoral, os demais conteúdos deste site ficarão
indisponíveis de 2 de julho de 2022 até o final da eleição estadual em São Paulo.
Em atendimento à legislação eleitoral, os demais conteúdos deste site ficarão indisponíveis de 2 de julho de 2022 até o final da eleição estadual em São Paulo.
EN | ES

Série Teatro de Grupo em São Paulo: conheça o Bando Trapos

Publicado em: 03/08/2022

Foto: Caroline Ferreira.

O Bando Trapos foi criado em 2013, com um projeto da Trupe Artemanha de Investigação Teatral que foi desenvolvido no Espaço Cultural CITA, localizado no Campo Limpo, periferia da Zona Sul paulista. O grupo é formado por profissionais de vários campos de atuação como atores, dançarinos, músicos e arte-educadores interessados num diálogo social e político com o ambiente onde atuam. Nesse sentido, alguns de seus espetáculos mais marcantes foram: Injustiçado (2013); Foi o que Ficou… do Bagaço (2014); O Pequeno Circo de Trapos (2017), As Desaventuras de uma Sopa Zé Lequinesca (2017).

Saiba como foi o lançamento da exposição Heroínas da Independência, de Bob Sousa, que é destaque na SP Escola de Teatro no mês de agosto

As influências do coletivo são múltiplas, o grupo explica a importância do desenvolvimento de pesquisas e estudos para concepção de seus projetos:

“Entende-se que partindo de diferentes estudos da máscara teatral – tanto no que diz respeito ao material quanto à sua forma de utilização, do bufão, do palhaço, da dança e da música presentes nas culturas tradicionais brasileiras vivenciadas por nós numa ocupação cultural localizada na periferia – será possível encontrar uma estética própria, que dê conta de tantas questões sociais, artísticas e políticas pelas quais esses corpos são atravessados”.

Confira como foi a oficina de Circo oferecida por estudantes da SP Escola de Teatro na Fundação Casa do Brás

Para o Bando Trapos o teatro tem um papel único na sociedade, com a função de transformar os indivíduos que com ele se relacionam, para que esses, por sua vez, transformem seu entorno:

“Na periferia, seguimos tentando contar aos nossos vizinhos o quanto nós, povo, somos pertencentes e merecedores desse universo, dessa força agregadora que une em si tantas outras linguagens. O teatro abre nossos olhos para enxergar o mundo por outras frestas, de modo a não aceitar o que está imposto. A função do teatro é expressar, contar histórias e provocar protagonismos.”




Relacionadas:

Notícias | 17/ 08/ 2022

Tradutor de Silêncios, peça com textos de Mia Couto, estreia na sede Roosevelt da SP nesta sexta (19)

SAIBA MAIS

Notícias | 17/ 08/ 2022

Marici Salomão e Rodolfo García Vázquez participam de evento promovido pelo CPT do Sesc sobre dramaturgias moduladas pela tecnologia

SAIBA MAIS

Notícias | 17/ 08/ 2022

Fundação das Artes de São Caetano abre inscrições para a Mostra de Cenas Curtas de 2022

SAIBA MAIS