Série Minimalista | ‘Anjo Negro’

Publicado em: 23/04/2015

 
Escrita em 1946, mas com estreia postergada até 1948 por conta da censura, “Anjo Negro” – peça teatral do gênero de literatura dramática de Nelson Rodrigues – possui um enredo trágico e polêmico, que envolve racismo, estupro e incesto. Leitura obrigatória para vestibulandos de todas as idades, a peça é contada em três atos e narra a conturbada relação entre Virgínia e Ismael.
 
Ismael é negro, como sua mãe, e odeia sua cor. Foi criado com Elias, que é branco e foi cegado por Ismael ainda na infância. Na ocasião em que Virgínia ficou órfã e foi morar com sua tia, aos 15 anos, foi assediada pelo noivo de sua prima, que viu o ocorrido e se enforcou. A tia culpa Virgínia e, para se vingar, convida Ismael para ir a sua casa e o manda ir ao quarto da sobrinha e estupra-la. Ismael o faz e, após isso, compra a casa e passa a manter Virgínia presa.
 
Sob o cadáver de seu terceiro filho morto misteriosa e prematuramente, Elias e Virgínia se encontram na ocasião do velório, sem que Ismael saiba. Trancada no quarto por seu marido, ela recebe Elias. Ambos foram impedidos por Ismael de ver o corpo que estava sendo velado. A reunião às escondidas revela a atração que sentiam um pelo o outro e, após terem relação sexual, Elias e Virgínia planejam fugir.
 
Surpreendida pela volta do marido, Virgínia ajuda Elias a sair do quarto, mas é flagrada pela tia e suas outras primas, enquanto arrumava a cama. A tia consegue arrancar a confissão da traição e a ameaça.
 
Quando Ismael a encontra no quarto, Virgínia o trata amorosamente, mas o casal acaba discutindo. A conversa acaba trazendo à tona que Virgínia matara todos os três filhos que tiveram juntos, por eles serem negros como Ismael. Ela promete, no entanto, que o dará outro filho e que não atentará contra ele. Ismael questiona a razão pela qual Virgínia não mataria o quarto filho, sendo que ela nunca o amou. Nesse momento a tia entra no quarto e conta que ela manteria o filho por ser de Elias.
 
O resto da estória ainda guarda mais revelações, aflição e tragédia, mas é o tipo de coisa que não se pode contar assim, sem os devidos detalhes contido no texto de Nelson Rodrigues.
 
Se você quiser ver retratada alguma peça ou personagem nesta seção, faça suas sugestões pelo e-mail info@spescoladeteatro.org.br ou por nossas redes sociais (fb.com/spescoladeteatro e twitter.com/escoladeteatro).
 
 
Texto: Gabriel Gilio
 

Relacionadas:

Série Minimalista | 28/ 05/ 2015

Série Minimalista | Os Miseráveis

SAIBA MAIS

Série Minimalista | 07/ 05/ 2015

Série Minimalista | ‘Auto da Compadecida’

SAIBA MAIS

Série Minimalista | 30/ 04/ 2015

Série Minimalista | ‘Rei Lear’

SAIBA MAIS