Provocações de Lipovetsky para o Módulo Verde

Publicado em: 03/04/2013

Em maio de 1968, a França foi sacudida por uma revolução guiada por estudantes. O movimento aglutinou todas as classes sociais, idades e etnias, abrindo caminho para transformações nos padrões de ordem moral e ética. E a família foi a principal esfera atingida. “Depois daquela época, o núcleo familiar passou a ser composto de marido, mulher e amante”, disse o pesquisador, jornalista e tradutor Juremir Machado. 

 

A frase do gaúcho foi recebida com risos enquanto ele a explicava, ontem (2), durante visita à Sede Brás da SP Escola de Teatro – Centro de Formação das Artes do Palco. O objetivo do encontro foi o de trazer provocações aos aprendizes do Módulo Verde. 

 

Juremir Machado durante palestra com os aprendizes (Foto: Arquivo SP Escola de Teatro)

 

Neste sábado (6), os oito cursos vão abrir suas salas de trabalho com o eixo temático “Personagem e Conflito” e tendo como operador, ou seja, as técnicas e conteúdos estudados, o filósofo francês contemporâneo Gilles Lipovetsky. Durante a tarde, Machado refletiu sobre as obras do autor, do qual é tradutor de seus livros e amigo pessoal. Ele iniciou traçando uma linha temporal da moral. “No início, temos uma moral assegurada pela religião, da qual Deus era mediador e juiz. Mais tarde, o pensamento progressista e racional rendeu à lógica para guiar os relacionamentos”.

 

Para ilustrar o pensamento lógico, Juremir que já visitou à Escola no início do ano, citou a filósofo alemão Immanuel Kant. Conta-se que ele se apaixonou e foi pedir a moça em casamento. A mulher aceitou, e ele foi embora. Chegando em casa, Kant calculou os gastos do casamento e as despesas, caso tivessem filho. Com o resultado em mãos, ele procurou a futura esposa e desistiu do matrimônio. “Esse é um exemplo de como a inteligência pode ser usada a serviço da burrice”, brincou Juremir. “Percebeu-se, então, que a lógica também não dava conta da vida real”, completou.

 

Para os dias atuais, Machado fez uma releitura do pensamento de Lipovetsky e afirmou: “Hoje, a moral está em desconstrução. A revolução de 1968 trouxe profundas transformações e afrouxou alguns valores, como o comportamento sexual, enquanto outros se tornaram rígidos, como a preocupação com o meio ambiente, com a pedofilia e com o bullying”, explicou.

 

Sobre tais ideias, os aprendizes hão de se debruçar e mostrar suas pesquisas cênicas. Divididos em oito núcleos, os de número 1, 2, 5, 6 e 7, se apresentam pela manhã na Sede Brás; já os de número 3, 4 e 8, ocupam a Sede Roosevelt, respectivamente, pela tarde, neste sábado (6).

 

 

Serviço

Território Cultural: Experimento do Módulo Verde

Quando: Sábado (6), das 9 às 18h05

Onde: SP Escola de Teatro – Sede Brás (das 9 às 13h35) e Sede Roosevelt (das 14h30 às 18h05)

Sede Brás: Avenida Rangel Pestana, 2.401 – Brás

Sede Roosevelt: Praça Roosevelt, 210 – Consolação

Tel.: (11) 2292-7988 / (11) 3775-8600

Grátis.

 

 

Relacionadas:

Uncategorised | 16/ 12/ 2021

16 de dezembro é dia do Teatro Amador: Conheça mais sobre essa importante prática cultural brasileira!

SAIBA MAIS

Notícias | 03/ 11/ 2021

Danilo Dal Lago, artista egresso da SP, estreia peça que contrapõe escritor periférico e mercado editorial

SAIBA MAIS

Notícias | 28/ 10/ 2021

Maria Bonomi inaugura obra no Memorial da América Latina que homenageia vítimas da pandemia

SAIBA MAIS