Ponto | Maurice Tillet, o Shrek

Publicado em: 05/08/2014

Nem todos sabem, mas o sucesso “Shrek”, consagrado principalmente com a popular série de filmes e que também foi adaptado para os palcos, como musical, foi baseado em um livro homônimo escrito por William Steig, em 1990. Menos gente ainda sabe que o carismático ogro protagonista da história foi inspirado em um homem de verdade, em carne e osso.

 

Seu nome era Maurice Tillet, e ele era um wrestler profissional (estilo de luta  que mistura as artes cênicas e o catch wrestling). Seu reconhecimento, no entanto, se deu graças a sua aparência: portador de acromegalia, doença causada pelo excesso de produção do hormônio do crescimento (GH), ele tinha o corpo deformado, proporcionalmente descomunal. Sua aparência com o personagem da ficção é impressionante.

 

Filho de pais franceses, nascido na Rússia, em 1903, ele é retratado como um homem gentil e extremamente inteligente. Dizem que era capaz de falar 14 idiomas e que também atuava como ator e poeta. A transformação trazida pela doença se deu na juventude e foi, a princípio, motivo de grandes decepções em sua vida. Por seus traços grotescos, começou a sofrer com o preconceito das pessoas que até o expulsavam dos lugares que frequentava.

 

Percebendo que não poderia fazer nada além de se adaptar às suas novas condições, Tillet aproveitou suas habilidades como ator e mudou-se para os EUA, onde passou a trabalhar como profissional da luta livre, incorporando o personagem “Assustador ogro do ringue”.

 

 

Logo ele adquiriu enorme fama, entretanto, o avanço da doença conduzia-o cada vez mais à reclusão. Em 1954, aos 51 anos, Tillet morreu, em decorrência de problemas cardíacos. 

 

Apesar das dificuldades, Tillet, assim como Shrek, teve a sorte de encontrar em sua trajetória grandes amigos. Um deles era Bobby Managain, que também fora campeão de luta livre. Presente no dia da morte do amigo, Bobby pediu sua permissão para fazer um lifecast – espécie de máscara mortuária; a prática era comum até o século XIX.

 

Tillet concordou e, depois de sua morte, Bobby fez três cópias de sua cabeça em gesso. Uma foi para o Hall of Fame do York Barbell Building, outra ficou com seu empresário Patrick Kelly, e a última foi para o Museu Internacional da Luta Livre, em Iowa, EUA. Posteriormente, outras cópias foram feitas e encaminhadas a lugares como o Museu Internacional da ciência cirúrgica, em Chicago.

 

Foi justamente essa máscara que serviu de modelo para a criação do Shrek como o conhecemos hoje. 

Relacionadas:

Ponto | 14/ 07/ 2015

Ponto | Regras para montar um currículo de ator

SAIBA MAIS

Ponto | 30/ 06/ 2015

Ponto | O nu coletivo no teatro brasileiro

SAIBA MAIS

Ponto | 23/ 06/ 2015

Ponto | Pequena biblioteca para atores

SAIBA MAIS