Ponto | João das Neves

Publicado em: 18/03/2014

Poucos artistas foram tão ativos quanto João das Neves durante os anos 1960 e 1970 no Brasil. No auge da ditadura militar, ele trabalhou, durante anos, com o Grupo Opinião, o qual cofundou e que se consolidou como um dos núcleos de resistência mais importantes do período, montando uma série de peças de cunho político.

 

O primeiro trabalho de João como profissional ocorreu em 1967, com o próprio  Opinião. Ficou em atividade por 16 anos, acumulando trabalhos em parceria com Vianinha e Ferreira Gullar, entre outros autores de renome. O grupo estreou com “Show Opinião”, que reunia, em protesto contra a ditadura, Nara Leão, Zé Kéti e João do Vale. Os artistas mantiveram o foco político nas peças seguintes: “A saída, onde fica a saída?”, de Armando Costa, Antônio Carlos Fontoura e Ferreira Gullar; “Jornada de um imbecil até o entendimento”, de Plínio Marcos; e “Antígona”, de Sófocles, com tradução de Ferreira Gullar.

 

Em 1976, levou aos palcos seu primeiro e mais conhecido texto: “O último carro”, que adota um trem desgovernado como metáfora para sua crítica ao rumo que o País tomava. A montagem ficou 14 meses em cartaz no Rio de Janeiro e em São Paulo, e lhe rendeu o Prêmio Molière e o Mambembe de Melhor Diretor.

 

Em 1989, fundou o Grupo Poronga e realizou “Tributo a Chico Mendes”, obra baseada na história do líder dos seringueiros, morto por fazendeiros do Acre, em 1988.

 

Cena de “O último carro”

 

Na década de 1990, estabeleceu-se em Belo Horizonte, Minas Gerais, onde, entre várias montagens, tem destaque em “Primeiras Estórias”, baseada no livro de homônimo de Guimarães Rosa.

 

Além de sua importância no teatro, João das Neves também dirigiu diversos shows de músicos reconhecidos internacionalmente, como Chico Buarque, Milton Nascimento, Baden Powell e MPB4.

 

Prêmio SP Escola de Teatro

O Prêmio SP Escola de Teatro – que, em sua edição de estreia, foi dedicado à atriz Maria Alice Vergueiro – desta vez homenageia outro grande nome das artes cênicas, o diretor e dramaturgo João das Neves. A cerimônia de entrega acontece junto com a do Prêmio Acessibilidade 2013, amanhã (19/3), a partir das 21h, na Sede Roosevelt da Instituição, com entrada gratuita e aberta ao público.

 

“O Opinião é um dos mais importantes grupos do Brasil. João das Neves é um diretor que colocou em cena aquilo que estava ao seu redor sem perder suas raízes. A ideia de fazer um teatro popular e ao mesmo tempo investir numa dramaturgia própria, mas que falava diretamente com as pessoas, é um de seus traços marcantes”, comenta Ivam Cabral, diretor executivo da Instituição.

 

Para Ivam, o homenageado “é um artista inspirador e mítico na história do teatro brasileiro, que comunga com a proposta da Escola porque sempre privilegiou a pesquisa, a experimentação da contemporaneidade sem esquecer a tradição”.

Relacionadas:

Uncategorised | 14/ 07/ 2015

Ponto | Regras para montar um currículo de ator

SAIBA MAIS

Uncategorised | 30/ 06/ 2015

Ponto | O nu coletivo no teatro brasileiro

SAIBA MAIS

Uncategorised | 23/ 06/ 2015

Ponto | Pequena biblioteca para atores

SAIBA MAIS