Ponto | Camus: um pensador sob as traves

Publicado em: 25/03/2014

Escritor, romancista, ensaísta, dramaturgo e filósofo franco-argelino, Prêmio Nobel de 1957, autor de alguns dos mais importantes livros do século XX – como “A peste”, “O estrangeiro”, “O homem revoltado” e “O primeiro homem” – e dono de uma obra que até hoje ganha atenção de estudiosos ao redor do mundo.

 

Além de sua “importante produção literária, que, com seriedade lúcida ilumina os problemas da consciência humana em nossos tempos”, como foi definida sua trajetória quando foi premiado com o Nobel, Albert Camus (1913-1960) tinha um outro grande (e inusitado) interesse: o futebol.

 

Sim, Camus era apaixonado pelo esporte mais popular do mundo. E não apenas como observador: era goleiro (há quem diga que dos bons) e, em sua juventude, na década de 1930, até jogou pelo Racing Universitaire, da Argélia. Acredita-se que teria escolhido a posição quando ainda era um menino vindo de família pobre, pois era a que menos gastava a sola de seus sapatos – o que que enfurecia a avó –, como narra o jornalista Paulo Guilherme no livro “Goleiros — heróis e anti-heróis da camisa 1”.

 

O Racing Universitaire em 1930, com Camus em destaque

 

A importância do futebol para ele ia além da paixão pelo jogo e tinha até sentido filosófico. “O que sei com maior certeza sobre moral e deveres dos homens, devo ao futebol”, chegou a dizer. E também: “Aprendi que a bola nunca vem para a gente por onde se espera que venha. Isso me ajudou muito na vida”. A tuberculose, que contraiu ainda na década de 1930, no entanto, o impediu de continuar jogando.

 

Em 1949, quando visitou o Brasil para ministrar palestras, Camus ficou impressionado com a relação entre o brasileiro e o futebol, e um de seus primeiros pedidos foi para que o levassem a um estádio para assistir pessoalmente a uma partida.

 

No dia 7 de novembro de 2013, quando celebrou-se o centenário de nascimento do escritor, a Uefa (a federação europeia de futebol) fez uma homenagem a ele, publicando uma foto e um texto relembrando sua atuação como goleiro e seu amor pelo esporte.

Relacionadas:

Uncategorised | 14/ 07/ 2015

Ponto | Regras para montar um currículo de ator

SAIBA MAIS

Uncategorised | 30/ 06/ 2015

Ponto | O nu coletivo no teatro brasileiro

SAIBA MAIS

Uncategorised | 23/ 06/ 2015

Ponto | Pequena biblioteca para atores

SAIBA MAIS