Oskar Pistorius, o Herói Trágico Cyborg

Publicado em: 18/02/2013

Por Rodolfo García Vázquez*

Oskar Pistorius, para mim, é um dos maiores ícones do início do século 21.

A imagem dele correndo nas Olimpíadas de 2012 é impressionante. É a certeza fotográfica de tudo o que ainda está por vir para o homem-cyborg. Com suas próteses altamente elaboradas e design impecável, correu ao lado de corpos humanos tradicionais na final dos 400 metros rasos. Um dos oito homens mais rápidos do mundo não era mais o que costumamos chamar de humano. Era um cyborg.

O teatro expandido busca o diálogo profundo com esta imagem visionária de Oskar Pistorius, e todas as suas implicações. Este é o caminho dos Satyros hoje.

Na semana passada, por mais cyborg que seja sua condição, cedeu à sua essência humana, obscura, secreta e passional. Matou a namorada.

Está preso.

Pistorius, o primeiro herói trágico cyborg. Lutou como gigante contra a natureza e se construiu como homem expandido. Criou através de próteses hipersofisticadas uma capacidade antes inimaginável de superação da própria natureza.

No entanto, não conseguiu vencer a mais difícil dimensão da Natureza. Aquela que vivia dentro dele mesmo, complexa, intangível e cheia de demônios e mistérios.


 

 

O velocista paraolímpico sul-africano Oscar Pistorius, acusado de ter assassinado, na última quinta-feira (14), a namorada, a modelo Reeva Steenkamp: cyborg, sem domínio sobre a Natureza (Foto: Reprodução)
 

 

 *Rodolfo García Vázquez, especial para o portal da SP Escola de Teatro – Centro de Formação das Artes do Palco

 

Relacionadas:

Uncategorised | 16/ 12/ 2021

16 de dezembro é dia do Teatro Amador: Conheça mais sobre essa importante prática cultural brasileira!

SAIBA MAIS

Notícias | 03/ 11/ 2021

Danilo Dal Lago, artista egresso da SP, estreia peça que contrapõe escritor periférico e mercado editorial

SAIBA MAIS

Notícias | 28/ 10/ 2021

Maria Bonomi inaugura obra no Memorial da América Latina que homenageia vítimas da pandemia

SAIBA MAIS