Em atendimento à legislação eleitoral, os demais conteúdos deste site ficarão
indisponíveis de 2 de julho de 2022 até o final da eleição estadual em São Paulo.
Em atendimento à legislação eleitoral, os demais conteúdos deste site ficarão indisponíveis de 2 de julho de 2022 até o final da eleição estadual em São Paulo.
EN | ES

Oficina Olhares: “As cores da foto do menino no poste estão desaparecendo”, por Milena Siqueira

Publicado em: 06/12/2021

Por Milena Siqueira, participante da oficina Olhares, especial para SP Escola de Teatro

Todo mundo tem um labirinto, órgão responsável pela nossa audição e também pelo nosso equilíbrio, localizado no ouvido interno, cavidade dentro do crânio. Contudo, nosso labirinto particular, esse, aqui tratado como metáfora, uma imagem-síntese que representa confusão, solidão e caos. Todos esses sentimentos são tratados na peça “O Labirinto de Sol”, de Danielle Lima.

A atriz, em um tom de depoimento, narra traumas da infância que desencadearam uma série de doenças físicas e mentais. A história conta sobre a violência vivida desde pequena nas mãos de uma mãe que a cortava e de um pai que a surrava. Além dos abusos físicos, também havia uma pressão mental para que seu corpo fosse magro – tudo isso levou a personagem apresentada direto para a anorexia. “Mas eu não quero morrer!”

 Outras imagens aparecem na função de compor a cena e de nos passar a sensação da angústia vivida. A cama de gato, sempre presente, me remete à perdição, metaforizando nossos becos escuros sem saída. A cabra cega, ainda nessa mesma chave, parece refletir nossa vulnerabilidade e solidão. As cores que me chegaram pelo vídeo eram radicalmente saturadas – não sei se foi proposital, mas imprimem um tom melodramático, emocionado demais. A luz também interfere em como vemos o corpo nu da atriz, ajudando a criar contrastes e sombras e delineando mais as formas.

A última cena, ponto alto da peça, onde a atriz encontra outra qualidade de interpretação, menos melodramática e mais performática, nos torna cúmplices da sua rebeldia. Não sabemos se ela se liberta ou se é mais uma crise de ansiedade. Dançando nua, ela come de tudo, sensualiza, se sente feliz (?).

* Milena Siqueira é louca medicada, atriz obcecada, pregadora do Teatro, começou a estudar artes cênicas em 1997 em Jacareí, sua cidade natal; teve mestres e diretores que provocaram as experiências mais preciosas. Se sente rica por isso. Quer fazer da vida uma obra de arte.




Relacionadas:

Notícias | 12/ 08/ 2022

Cia. Os Satyros é destaque no Festival de Edimburgo com espetáculo The Art Of Facing Fear

SAIBA MAIS

Notícias | 12/ 08/ 2022

Agenda Cultural: As melhores dicas para o seu fim de semana!

SAIBA MAIS

Notícias | 12/ 08/ 2022

Cia do Passáro estreia espetáculo com texto francês sobre amor LGBTQIAP+ em vários teatros paulistas

SAIBA MAIS