O desvio do peixe no fluxo contínuo do aquário – Uma proposta de análise crítico-visual

Publicado em: 02/12/2014

* por Bob Sousa, especial para o portal da SP Escola de Teatro

 

Uma atividade me parece mais solitária do que fotografar: escrever.

 

No confronto com essas duas atividades me sinto desesperadamente sozinho tentando encontrar um feixe de luz que possa ajudar a direcionar o caminho quase sempre obscuro. O espaço vazio da encenação nos minutos que antecedem a qualquer espetáculo que me proponha a fotografar não é mais solitário que a tela branca do computador à espera das palavras de um texto.

 

Falar sobre solidão na era das redes sociais e inovações cibernéticas parece um tanto anacrônico, mas foi parte desse caminho que a Cia. Artehúmus atravessou para encontrar “O desvio do peixe no fluxo contínuo do aquário”, espetáculo resultante da criação de Cristiano Sales, Daniel Ortega, Edu Silva, Evill Rebouças, Natália Guimarães, Roberta Ninin e Solange Moreno.

 

O grupo foi a campo, e, como aparece no programa da peça, foi preciso “[…] identificar as relações sociais e éticas em cartografias coletivas residenciais”, investigar o quanto os diferentes tipos de arquiteturas podem interferir nas relações e os comportamentos construídos nesses territórios.

 

A obra “transporta” habitantes de uma mesma família para espaços distintos – quase prisões – dentro de um mesmo aparta(mento) e potencializa, por meio de monólogos, o estado de solidão que nos atravessa nesses dias. O estado catatônico dos atores e atrizes só é quebrado quando intermediado por aparelhos eletrônicos – celulares e notebooks – que tentam restabelecer o diálogo com algo exterior.

 

Outra possibilidade de contato se dá no convite que o elenco faz para que os espectadores invadam a cena e partilhem de um café com biscoitos. O detalhe é que nesse possível ponto de contato os atores se comunicam com os espectadores por meio de aparelhos eletrônicos, mostrando fotos e arquivos pessoais.

 

A fotografia, muitas vezes difundida como o ápice do real – pelo modo mecânico e sem a interferência do humano na captura da imagem – seria capaz de apresentar um espelho da realidade e só se materializa na presença de um referente. É preciso estar diante de alguém para poder retratá-lo.

 

Numa das cenas do espetáculo a atriz Natália Guimarães apresenta umporta-retrato com uma imagem vazia.

 

Sendo a fotografia um “movimento rumo ao contato”, segundo Philippe Dubois – em “O ato fotográfico” (1990) – ela precisa narrar uma história. Ela não pode parecer com nada.

 

Para Walter Benjamin, em “A obra de arte na era de sua reprodutibilidade técnica” (1985), o retrato seria o culto a lembrança dedicada aos seres queridos, afastados ou desaparecidos.

 

E a partir das reflexões apontadas pela Cia. Artehúmus, qual é o rosto da nossa atual sociedade?

 

* Bob Sousa é fotógrafo de teatro e mestrando em Artes Cênicas no Instituto de Artes da Unesp sob a orientação do Prof. Dr. Alexandre Mate.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Relacionadas:

Notícias | 03/ 11/ 2021

Danilo Dal Lago, artista egresso da SP, estreia peça que contrapõe escritor periférico e mercado editorial

SAIBA MAIS

Notícias | 28/ 10/ 2021

Maria Bonomi inaugura obra no Memorial da América Latina que homenageia vítimas da pandemia

SAIBA MAIS

Uncategorised | 01/ 10/ 2021

Festival Satyricine Bijou anuncia vencedores da mostra competitiva e homenageia a atriz e cineasta Helena Ignez

SAIBA MAIS