Em atendimento à legislação eleitoral, os demais conteúdos deste site ficarão
indisponíveis de 2 de julho de 2022 até o final da eleição estadual em São Paulo.
Em atendimento à legislação eleitoral, os demais conteúdos deste site ficarão indisponíveis de 2 de julho de 2022 até o final da eleição estadual em São Paulo.
EN | ES

Na Coxia e Na Plateia de “O Lago dos Cisnes"

Publicado em: 24/08/2011

 

Theatro Municipal (Foto: Arquivo SP Escola de Teatro)

 

A companhia de balé russa Kirov voltou ao Brasil, após uma década, para realizar seis apresentações do clássico “O Lago dos Cisnes”. Aprendizes da SP Escola de Teatro – Centro de Formação das Artes do Palco marcaram presença não só atrás da cena como, também, assistindo a um ensaio aberto realizado ontem (23), no Theatro Municipal de São Paulo.
 

Na coxia, Rodrigo Tavares, aprendiz de Técnicas de Palco, conta que foi convidado pela Dell’Arte, produtora do espetáculo, para estagiar na produção. “Fiquei feliz em participar dessa união entre a Escola e o Theatro Municipal. Ela permitiu que eu e alguns aprendizes conseguíssemos ter nossos primeiros desafios no teatro como enfrentar as dificuldades do processo de montagem e aprender a solucioná-las.”

 

Além de Tavares, os aprendizes de Técnicas de Palco Francisco George da Silveira, Tony Budnikas, Beatriz Rinaldini Santos e Paloma Neves da Costa, passaram a manhã engajados nos preparativos de “O Lago dos Cisnes” e, na sequência, tiveram a oportunidade de ver, em primeira mão, o seu trabalho pronto com os bailarinos da Kirov em cena.
 

Entre os espectadores, também estavam presentes aprendizes de outros cursos da SP Escola de Teatro como Felipe Menezes, de Direção. Ele comentou que a apresentação tem uma beleza estética extraordinária. “O que eu vi foram pessoas extremamente apaixonadas pelo seu ofício. A disciplina dos bailarinos em cena é invejável.”
 

Menezes explicou, ainda, que conseguiu extrair conceitos interessantes para a sua área de estudo. “Fiquei observando a calma, os comandos, as expressões e o respeito absoluto com que o diretor tratava a todos do grupo. Foi uma experiência ímpar.”
 

Sérgio de Andrade, do curso de Humor, também estava lá e admitiu ter sentido inveja da sincronia dos bailarinos. “Fiquei olhando toda aquela simultaneidade de movimentos. A leveza com que eles dançam e interpretam ao mesmo tempo. Vou levar estes elementos para o meu trabalho como ator”, declara.

 

Rodrigo Tavares, Francisco George da Silveira, Tony Budnikas, Beatriz Rinaldini Santos e Paloma Neves da Costa (Foto: Arquivo SP Escola de Teatro)

“É a primeira vez que tenho a oportunidade de assistir a um balé clássico”, comenta Aline Olegário, aprendiz de Cenografia e Figurino que revelou, ainda, ter ficado atenta aos mínimos detalhes das roupas e do cenário que compunham o espetáculo. “Soube que haviam painéis que foram usados na primeira apresentação, ou seja, possuem mais de 50 anos. Todo esse cuidado é fantástico. E as roupas eram de um tratamento e delicadeza incríveis; impecáveis”, conclui.

 

Este evento, marcou a segunda ação entre a Escola e a Dell´Arte Produções. Na primeira, os aprendizes receberam 40 ingressos para assistir, gratuitamente, ao espetáculo “Viajantes Imóveis”, da companhia de Philippe Genty.
 

 

Texto: Jessika Lopes

Relacionadas:

Uncategorised | 16/ 12/ 2021

16 de dezembro é dia do Teatro Amador: Conheça mais sobre essa importante prática cultural brasileira!

SAIBA MAIS

Notícias | 03/ 11/ 2021

Danilo Dal Lago, artista egresso da SP, estreia peça que contrapõe escritor periférico e mercado editorial

SAIBA MAIS

Notícias | 28/ 10/ 2021

Maria Bonomi inaugura obra no Memorial da América Latina que homenageia vítimas da pandemia

SAIBA MAIS