Memórias e Técnicas do Circo

Publicado em: 29/08/2011

A experiência de quem está no circo há mais de cinco décadas é repassada no curso de Difusão Cultural Melodramas do Picadeiro – Repertório do Pavilhão Chororó, oferecido pela SP Escola de Teatro e ministrado pela atriz Vic Militello.

 

Não é exagero dizer que Vic praticamente nasceu no circo. Ela, desde a infância, acompanha seus pais no picadeiro do Pavilhão Chororó. Agora, toda essa vivência é levada para a sala de aula e compartilhada com os alunos do curso.

 

Com o objetivo de trabalhar sobre os antigos textos de circo-teatro que eram levados às cenas por sua família, a atriz conduz a turma em interpretações dessas obras. “Faço cortes no texto para agilizar e defino marcações para serem compreendidos, proponho exercícios com pontos e, também, avalio o conteúdo para explicar as características de cada um”, afirma Vic.

 

 Vic Militello conferindo uma aula na sede da SP Escola de Teatro (Foto: Arquivo SP Escola de Teatro)

 

Além dessas atividades, a atriz comanda algumas cenas que exigem técnicas utilizadas na época, como os beijos, os tapas e os golpes. “Era tudo de mentira. Beijar um colega de trabalho, por exemplo, era considerado falta de respeito, os movimentos de tapas também eram diferentes”, explica.

 

Complementando o clima de lembrança dos velhos tempos, a orientadora leva fotos de figurinos e cenários da década de 30 e 40, das quais não participou, mas conheceu por meio de seu pai. 

 

Faltando apenas mais uma semana para o encerramento do curso, Vic acredita na possibilidade de fazer uma cena teatralizada para a conclusão, e, ainda, ressalta a chance de levar alguns dos trabalhos realizados em sala para fora da Escola. “A Prefeitura de Mauá quer fazer três peças com os textos: um drama, uma comédia e um sertanejo.”

 

Outra possibilidade de trabalho externo diz respeito a montagens de textos do Pavilhão Chororó previstas para outubro. Se alcançar o apoio para produção e cenário desejado, a atriz pretende convidar os alunos do curso que estiverem interessados em integrar as apresentações.

 

Segundo Vic, eles estão gostando muito do curso, fator que ela atribui, principalmente, à linguagem adotada por ela. “Acredito que consigo passar o conteúdo para os jovens de uma maneira mais próxima da realidade deles, o que meus colegas de profissão, que trabalharam comigo, nem sempre conseguem.”

 

Difundindo Conhecimento

 

Vic Militello faz jus ao título de orientadora de um dos cursos de Difusão Cultural da Escola. Afinal, segundo ela, passar informações adiante é um dos seus principais objetivos. “Não segrego informações, procuro passar tudo que eu sei. Há 20 anos, meu trabalho é voltado para isso. Os registros do circo não são muito divulgados no Brasil, mas tento dar a minha contribuição.”

 

Publicado por ela em 1996, o livro “Sonhos como Herança: Síndrome da Paixão” é mais uma iniciativa da atriz em prol da divulgação da cultura circense. Nele, retrata tudo o que transmite em sala hoje. “O que eu falo está registrado nessa obra. Pode ser um material complementar bacana, e, mesmo quem não faz o curso, pode conhecer essa experiência.”

 

Seus discípulos gostaram tanto de sua filosofia de ensino que até a incentivam em uma nova e ousada empreitada: a publicação de outro livro, contendo seus registros das técnicas e métodos. “Logo vou embora, por isso, queria muito deixar algo útil para quem tiver interesse pelo circo”, finaliza.

 

 

Texto: Felipe Del

Relacionadas:

Uncategorised | 16/ 12/ 2021

16 de dezembro é dia do Teatro Amador: Conheça mais sobre essa importante prática cultural brasileira!

SAIBA MAIS

Uncategorised | 03/ 11/ 2021

Danilo Dal Lago, artista egresso da SP, estreia peça que contrapõe escritor periférico e mercado editorial

SAIBA MAIS

Uncategorised | 28/ 10/ 2021

Maria Bonomi inaugura obra no Memorial da América Latina que homenageia vítimas da pandemia

SAIBA MAIS