Massoterapeutas Especiais: uma via de mão dupla

Publicado em: 10/02/2014

Desde o ano passado, os colaboradores da SP Escola de Teatro – Centro de Formação das Artes do Palco contam com sessões de massagem semanais, realizadas por profissionais do grupo Massoterapeutas Especiais, em um projeto desenvolvido pelo Programa Kairós da Instituição.

 

Coordenada pela enfermeira e massoterapeuta Marinês Cristina Almeida, o grupo é composto, exclusivamente, por pessoas com necessidades especiais, relacionadas à visão, como cegos, indivíduos com baixa visão ou com visão subnormal.

 

Massagistas em ação (Foto: Arquivo SP Escola de Teatro)

 

Elas fazem quick massages de aproximadamente 20 minutos de duração em cada funcionário. “Muitos de nós fizeram cursos de capacitação na Associação Laramara ou no Instituto Mãos que Veem, ambos voltados a pessoas com visão limitada ou cegas”, conta a enfermeira e massoterapeuta Marinês, que perdeu a visão do olho direito e, com o esquerdo, enxerga apenas 5%. “Há 8 anos, fiz uma cirurgia para correção da miopia, mas um erro médico acabou gerando essa deficiência”, ela recorda.

 

Hoje, além de se constituir como uma ótima atividade de relaxamento para os colaboradores, interferindo diretamente na qualidade de vida, o projeto abre portas para profissionais talentosos e caprichosos que tiveram uma brusca mudança em suas trajetórias, como Geisa Souza Santos. “Fui dormir enxergando, e acordei cega, devido a um estresse. Mas, com a cegueira, ironicamente, descobri que podia ter autonomia, viver. Se me dessem a opção de voltar a enxergar, diria ‘não’. Depois que fiz o curso de massoterapeuta, entendi que sou capaz.”

 

Marinês, que também participa do curso “Dança sem limites” – promovido pelo departamento de Extensão Cultural e orientado por Fernanda Amaral, encontrou na Escola um ambiente raro e amigável. “É maravilhoso poder estar aqui e saber que a Escola nos oferece a possibilidade de mostrar nosso trabalho, que é o mais importante. Não queremos caridade, queremos oportunidade de provar que somos capazes. Espero continuar aqui por um bom tempo”, comenta.

 

Essa é mais uma das várias ações voltadas à acessibilidade que a SP Escola de Teatro desenvolve. Para conhecer todas as que foram realizadas em 2013, entre cursos, palestras, práticas cotidianas e muito mais, acesse nossa Retrospectiva.

Relacionadas:

Uncategorised | 03/ 11/ 2021

Danilo Dal Lago, artista egresso da SP, estreia peça que contrapõe escritor periférico e mercado editorial

SAIBA MAIS

Uncategorised | 28/ 10/ 2021

Maria Bonomi inaugura obra no Memorial da América Latina que homenageia vítimas da pandemia

SAIBA MAIS

Uncategorised | 01/ 10/ 2021

Festival Satyricine Bijou anuncia vencedores da mostra competitiva e homenageia a atriz e cineasta Helena Ignez

SAIBA MAIS