Laura Cardoso tem encontro com aprendizes na SP Escola de Teatro

Publicado em: 29/01/2015

Uma das mais importantes atrizes do Brasil estará na SP Escola de Teatro – Centro de Formação das Artes do Palco na próxima terça-feira (3). Laura Cardoso virá à Instituição para ministrar uma aula exclusiva aos aprendizes dos Cursos Regulares. O encontro especial acontece às 13h, na Sede Marquês da Instituição.

 

A atriz falará sobre teatro, arte e sua singular trajetória artística de mais de 70 anos.

 

(Foto: Canal VIVA / Divulgação)

 

A convidada

Tida como uma das principais atrizes brasileiras, Laura Cardoso tem uma ampla trajetória de mais de sete décadas dedicadas ao teatro, cinema e televisão.

 

Nascida em 1927, em São Paulo, bairro de Bela Vista, Laurinda de Jesus Cardoso Baleroni fez seu primeiro teste para atriz de radionovelas na Rádio Cosmos aos 15 anos.  Mais tarde, passou também pela Rádio Tupi e Rádio Difusora.

 

Na televisão, ingressou em 1952, no programa “Tribunal do Coração”, da recém-inaugurada TV Tupi, onde participou de novelas como “Um lugar ao sol” (1959) e “Ídolo de pano” (1974). Paralelamente, trabalhou na Excelsior, na Record e na TV Cultura.

 

A estreia nos palcos se deu em 1959, com o espetáculo “Plantão 21”, montagem que alavancou o Pequeno Teatro de Comédia, grupo dirigido por Antunes Filho. Nas décadas seguintes, atuou em peças como “As criadas” (1968), de Jean Genet; “Volpone” (1968), de Ben Johnson; “A Nonna” (1980), de Roberto Cossa; e “Os órfãos de Jânio” (1981), de Millôr Fernandes.

 

Em 1981, começou a trabalhar na Rede Globo, onde atuou nas novelas “Brilhante” (1981), “Pão-pão, beijo-beijo” (1983), “Livre para voar” (1984) e “Fera radical” (1988). Na TV Bandeirantes, fez “Ninho de serpente” (1982) e “Renúncia” (1982). 

 

Durante a segunda metade da década de 1980, trabalhou em diversos espetáculos: em 1985, protagonizou “A Herdeira”, de Henry James, sob direção de Flávio Rangel. Um ano depois, “Divinas palavras” (1986), de Ramón Del Valle Inclan. Em 1989, apresentou o espetáculo “A cerimônia do adeus”, de Mauro Rasi, em Lisboa.

 

De 1990 em diante, integrou o elenco de uma série de novelas marcantes da teledramaturgia brasileira, como “Rainha da sucata” (1990), “Felicidade” (1991), “Mulheres de areia” (1993), “A viagem” (1994), “Irmãos coragem” (1995), Explode coração” (1995), “Salsa e merengue (1996), “Esperança” (2000), “Chocolate com pimenta” (2003), “Duas caras” (2007) e “Caminho das Índias” (2010).

 

No cinema, estreou em 1964 e trabalhou em mais de 20 filmes, entre os quais “Imitando o Sol”, “Terra estrangeira”, “Através da janela” e “Copacabana”. Em 2006, foi condecorada pelo presidente Lula com a Ordem do Mérito Cultural, homenagem do governo brasileiro por seu trabalho no cinema, no teatro e na televisão.

 

Em 2008, atuou na peça “Hoje eu me chamo Dinorah”, de Maria Carmen Barbosa. Em 2014, voltou ao palco com “A última sessão”, texto e direção de Odilon Wagner.

 

Ao longo de sua carreira artística, Laura Cardoso ganhou prêmios importantes por seus inesquecíveis papeis no teatro. Em 1990, recebeu o Prêmio Shell de Melhor Atriz por “Vem buscar-me que ainda sou teu”, peça dirigida por Gabriel Villela; e, em 1993, levou novamente o Shell com “Vereda da salvação”, cuja direção foi assinada por Antunes Filho.

 

Serviço

Encontro com Laura Cardoso

Quando: Terça-feira (3), às 13h

Onde: Onde: SP Escola de Teatro – Sede Marquês

Rua Marquês de Itu, 273-285 – Vila Buarque

Tel.: (11) 3121-3200

* Exclusivo para aprendizes da Escola

Relacionadas:

Notícias | 03/ 11/ 2021

Danilo Dal Lago, artista egresso da SP, estreia peça que contrapõe escritor periférico e mercado editorial

SAIBA MAIS

Notícias | 28/ 10/ 2021

Maria Bonomi inaugura obra no Memorial da América Latina que homenageia vítimas da pandemia

SAIBA MAIS

Uncategorised | 01/ 10/ 2021

Festival Satyricine Bijou anuncia vencedores da mostra competitiva e homenageia a atriz e cineasta Helena Ignez

SAIBA MAIS