Em atendimento à legislação eleitoral, os demais conteúdos deste site ficarão
indisponíveis de 2 de julho de 2022 até o final da eleição estadual em São Paulo.
Em atendimento à legislação eleitoral, os demais conteúdos deste site ficarão indisponíveis de 2 de julho de 2022 até o final da eleição estadual em São Paulo.
EN | ES

Inspirados no Teatro da Vertigem, aprendizes da SP Escola de Teatro fazem intervenção

Publicado em: 30/08/2016

Aprendizes fazem instalações na parte térrea da sede Roosevelt da Escola
 
Quem assistiu ao espetáculo “Bom Retiro 958 Metros”, peça do Teatro da Vertigem que fazia um tour pelo famoso bairro paulistano em 2012, teve a oportunidade de observar algumas soluções criativas usadas pelo grupo para a montagem. Afinal, fazer teatro fora do palco convencional requer diversas adaptações.
 
Uma das soluções tinha a ver com a iluminação do espetáculo. Os postes de luz das ruas foram usados em cena, mas com mecanismos que alteravam a cor e a intensidade das luzes de acordo com o que a cena pedia. “O mecanismo foi aprovado pelo Ilume (Departamento de Iluminação Pública da Cidade de São Paulo) e pela Eletropaulo”, conta o Guilherme Bonfanti, integrante do Vertigem responsável pelo projeto. “O trabalho não interferia no uso do poste antes e depois da peça e também não fazia alterações elétricas e estruturais.”
 
Bonfanti, que é coordenador do Curso Regular de Iluminação da SP Escola de Teatro, leva o mesmo conceito ao ambiente escolar. Reunindo aprendizes de seu curso ao de Técnicas de Palco, ele propôs a experiência de interferir nas luzes da sede Roosevelt da Instituição.
 
Aprendizes trabalham juntas em elevador
 
Os elevadores, o hall dos elevadores, o subsolo e as escadas receberam materiais que alteraram o ambiente, mas não implicaram em mudanças na parte elétrica e estrutural — assim como ocorreu com o Teatro da Vertigem.
 

“Este projeto vem de encontro a uma série de discussões na Pedagogia e na própria Escola com os aprendizes. Como se apropriar do local, como ter prazer em estar aqui, como estabelecer uma relação de pertencimento”, explica o coordenador. “A intervenção provoca deslocamentos e os faz interagir com a arquitetura e com os colegas.”

Filmes fotográficos alteram a iluminação da Escola




Relacionadas:

Notícias | 09/ 08/ 2022

Espetáculo Eu, Atlântica, do Oju Oju Coletivo, estreia na sede Roosevelt da SP Escola de Teatro, na próxima sexta (12)

SAIBA MAIS

Notícias | 09/ 08/ 2022

Priscila Chagas, artista egressa de técnicas de palco da SP, escreve resenha crítica de livros autobiográficos do cenotécnico Jorge Ferreira

SAIBA MAIS

Notícias | 09/ 08/ 2022

Série Teatro de Grupo em São Paulo: conheça a Antikatártika Teatral (AKK)

SAIBA MAIS