Em atendimento à legislação eleitoral, os demais conteúdos deste site ficarão
indisponíveis de 2 de julho de 2022 até o final da eleição estadual em São Paulo.
Em atendimento à legislação eleitoral, os demais conteúdos deste site ficarão indisponíveis de 2 de julho de 2022 até o final da eleição estadual em São Paulo.
EN | ES

Estudantes da SP são destaque no 27º Festival Estudantil de Teatro do Estado de São Paulo com espetáculo ambientado na Semana de 1922

Publicado em: 28/07/2022

Nesta quinta-feira, 28, às 19h30, o Teatro Procópio Ferreira recebe uma apresentação exclusiva do espetáculo Muvuca e Outros Cantos, durante o 27º Festival Estudantil de Teatro do Estado de São Paulo. Idealizada, encabeçada e produzida por estudantes do curso técnico da SP Escola de Teatro, a peça é ambientada na icônica Semana de Arte Moderna de 1922. O espetáculo insere na programação do evento histórico, que transgrediu e questionou a forma artística vigente, um acontecimento que leva o público numa viagem pela cultura brasileira. A entrada é franca.

Bia Pestana, que dirigiu o espetáculo ao lado dos colegas estudantes de direção Anderson Nogueira e Felipe Fagundes, explica que a peça foi criada durante o segundo semestre de 2021 na Instituição, no Módulo Amarelo. A montagem foi o trabalho final apresentado por eles dentro do núcleo 3 na Mostra de Experimentos dos estudantes, que acontece todo semestre na SP Escola de Teatro.

Sede Brás da SP recebe nova edição do projeto Tendas da Cidadania, do CDHIC, com o tema Vivemos para ser livres!

O material de estudo do segundo semestre letivo de 2022 perpassou pela narratividade e o centenário da Semana de Arte Moderna de 1922, de maneira que os aprendizes investigaram produções artísticas de diferentes representantes da arte nacional. As obras que serviram de mote e provocação para os experimentos foram as cartas de Mário de Andrade, a obra de artistas contemporâneos como Linn da Quebrada, Zé Celso, Valter Rege, além das pesquisas de Maria Adelaide Amaral e Naine Terena.

Nesse contexto, na narrativa da peça, o público conhece Sankofa, um pássaro negro que consegue viajar no espaço e no tempo e está em busca do caminho de volta para seu reino. Durante seu trajeto, Sankofa acaba em terras brasileiras e se vê imerso nos rituais, na cultura e na história do país. Dentro da peça, a Sociedade Oculta Balaclavas invade o Theatro Municipal de São Paulo e interrompe Oswald de Andrade com o objetivo de contar tal história.

Sede Brás da SP recebe nova edição do projeto Tendas da Cidadania, do CDHIC, com o tema Vivemos para ser livres!

Confira abaixo o relato de alguns estudantes sobre a participação:

“Estar na FETESP com Muvuca e Outros cantos é semente ganhando forma em terra sagrada desses vários Brasis que nos propomos estudar. Aqui estamos ainda vivenciando esses outros-muitos Brasis e por isso tem sido magia! Magia que vem de lá e que transborda o coração e alma de muita arte e re-existência. Aqui estamos nos re-conectando conosco e com nossos propósitos num ciclo de transformações. Sankofa Vuavá! Sankofa Vuavá!” – Anderson Nogueira

“O Fetesp proporciona vivências teatrais, artísticas e políticas diversas e uma intensa troca de saberes entre estudantes de teatro, artistas e públicos de diferentes regiões dos Brasis, que nos ressiguinificam e fortalecem a coletividade entre grupos, espectadores e moradores da cidade de Tatuí. ” – Bia Pestana

“A Fetesp tem sido uma imersão teatral e uma possibilidade de troca de saberes e de vivências. Tenho tido a possibilidade de assistir dramaturgias diversas, e me conectar com as pesquisas de grupos com visões e lugares de estudo e de fala muito diferentes, desde a poesia concretista encenada em performance palestra, até a desconstrução do contemporâneo e e adaptação de clássicos como Morte e Vida Severina pelo experiente e querido grupo Magiluth. As potentes trocas feitas pós-espetáculo também nos insitigam a investigar diferentes formas de ver, ouvir, sentir e apreciar as obras. Em suma, uma experiência inesquecível, e que grande oportunidade poder apresentar um trabalho produzido em núcleo.” – Raquel Campelo




Relacionadas:

Notícias | 17/ 08/ 2022

Tradutor de Silêncios, peça com textos de Mia Couto, estreia na sede Roosevelt da SP nesta sexta (19)

SAIBA MAIS

Notícias | 17/ 08/ 2022

Marici Salomão e Rodolfo García Vázquez participam de evento promovido pelo CPT do Sesc sobre dramaturgias moduladas pela tecnologia

SAIBA MAIS

Notícias | 17/ 08/ 2022

Fundação das Artes de São Caetano abre inscrições para a Mostra de Cenas Curtas de 2022

SAIBA MAIS