Código 302.0

Publicado em: 17/05/2012

Por que 17 de maio? A data eleita pela Organização Mundial de Saúde (OMS) como o Dia Internacional Contra a Homofobia tem razão de ser, bem como o fato de a própria entidade tê-la estabelecido. Tudo se explica a seguir:

Entre 1948 e 1990, a OMS classificou a homossexualidade como um transtorno mental (olha o absurdo!). Mas, em 17 de maio de 1990 (olha o absurdo da demora!), a assembleia geral da Organização aprovou, finalmente, a retirada do código 302.0 (Homossexualidade) da Classificação Internacional de Doenças, declarando que: “A homossexualidade não constitui doença, nem distúrbio e nem perversão”.

 

Espetáculo “Satyros’ Satyricon” leva a temática aos palcos (Foto: André Stefano)

Mas, pasmem: a nova classificação só foi entrar em vigor entre os países-membro das Nações Unidas em 1993. Com isso, marcou-se o fim de um ciclo de 2000 anos (de novo: olha o absurdo!) em que a homossexualidade foi encarada, primeiro como pecado, depois como crime e, por último, como doença. Por aqui, só em 2010 o então presidente Luiz Inácio Lula da Silva assinou um decreto, em 7 de junho, que instituiu o 17 de maio como o Dia Nacional de Combate à Homofobia.

E, infelizmente, apesar deste reconhecimento da homossexualidade como mais uma manifestação da diversidade sexual, lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais (o chamado grupo LGBT) ainda sofrem diariamente com as consequências da homofobia, que pode ser definida como o medo, a aversão, ou o ódio irracional aos homossexuais, as pessoas que têm atração afetiva e sexual pelo mesmo sexo.

Manifestada das mais sórdidas e diversas maneiras, a homofobia, em sua forma mais grave,  resulta em ações de violência verbal e física, podendo levar até à morte da vítima. Assim, não são poucas as notícias de homossexuais e travestis espancados por simplesmente serem o que são, até em uma cidade cosmopolita, como São Paulo. É para apagar esse quadro triste da história do Brasil e do mundo que manifestações como a desta quinta-feira, 17 de maio, servem.

Só para se ter uma ideia, em 2011, a Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República registrou uma média de 3,4 denúncias diárias de violência praticada contra homossexuais. A cada 36 horas, um homossexual é assassinado em crimes relacionados à homofobia no Brasil. Foram pelo menos 260 homicídios de gays, travestis e lésbicas no ano passado.

E, neste contexto, está a arte, que sempre se coloca como um instrumento poderoso para formar e informar a sociedade sobre temas polêmicos como este. Assim, para homenagear a data, preparamos um roteiro com peças em cartaz em São Paulo que, de uma maneira ou outra, como tema central ou não, abordam o assunto. E fica o convite: para manifestar seu repúdio à Homofobia, vá ao teatro! 

Peças com temática homossexual, em cartaz na cidade:

O Amante do Meu Marido
Quando: Sábado, às 20h e domingo, às 18h
Onde: Teatro Santo Agostinho
Rua Apeninos, 118, Paraíso, tel. 3209-4858
Sinopse: Adaptação de Miriam Lins para texto de Rodolfo da Rocha Carvalho. Aposentado  sonha em ser ator e tem seu desejo prestes a ser concretizado ao receber convite para interpretar um homossexual em uma peça. Mas, sem querer, ele acaba envolvido em uma série de confusões.
Direção: Miriam Lins
Elenco: Milton Levy, Mateus Carrieri, Miriam Lins, Adelita Del Sent.
Ingressos de R$ 40 a R$ 50
Temporada: até 24 de junho.

Espetáculo “Um Brinde à Solidão a Dois” (Foto: Divulgação)

Um Brinde à Solidão a Dois
Quando: Quintas, às 21h
Onde: Teatro do Ator
Praça Roosevelt, 172, Consolação, tel. 3257-3207
Sinopse: Comédia dramática que faz uma reflexão sobre os relacionamentos homossexuais. Em cena, Miguel (Eric Furlan), que vive o dilema de voltar para o amor que o deixou ou enfrentar a vida sozinho.
Elenco: Gustavo Zanetti, Eric Furlan, Jheniffer Luderitz, Marcos Ferraz.
Direção: Sebah Vieira
Ingressos R$ 30
Temporada: até 28 de junho.

Cabaret Stravaganza
Quando: Sextas e sábados, às 21h
Onde: Espaço dos Satyros I
Praça Roosevelt, 214, Consolação, tel. 3258-6345
Sinopse: O espetáculo utiliza recursos multimídia, internet e telefonia, e recupera características das “extravaganzas” vitorianas e dos cabarés alemães dos anos 1920, com liberdade de formas e estilos, estruturas fragmentadas de cenas e elementos do burlesco, da pantomima, da revista e do show de variedades.
Elenco: Ivam Cabral, Gustavo Ferreira, Phedra de Córdoba, Cléo de Páris, Andressa Cabral, Marta Baião, Henrique Mello, Fábio Penna, Júlia Bobrow, Robson Catalunha e José Alessandro Sampaio e a participação especial de Leo Moreira Sá.
 Direção: Rodolfo García Vázquez
Ingressos R$ 20, R$ 10 (Estudantes, Classe Artística e Terceira Idade); R$ 5 (moradores da Praça Roosevelt).
Temporada: até 27 de maio

A Coleção
Quando: Sexta e sábado, 21h; domingo, 20h
Onde: Teatro Grande Otelo
Alameda Nothmann, 233, Campos Elíseos, tel. 3221-9878
Sinopse: Drama que envolve dois casais do chamado mundinho fashion. James e Stella entram em crise depois que ela passa uma noite com Bill, o companheiro de Harry.
Direção: Esther Góes
Elenco: Ariel Borghi, Amazyles de Almeida, Marcelo Szpektor, Marcos Suchara.
Ingresso R$ 60
Temporada: até 17 de junho.

Mambo Italiano
Quando: Sábado, às 21h; domingo, às 19h
Onde: Espaço Cultural Juca Chaves
Rua João Cachoeira, 899, Itaim-Bibi, tel. 3168-2015
Sinopse: O texto de Steve Galluccio enfoca as relações humanas por meio de duas famílias do bairro da Mooca. O foco da trama é a relação entre um advogado, que titubeia em assumir sua homossexualidade, mesmo vivendo com seu vizinho de infância, um roteirista. Quando a situação chega ao conhecimento dos pais de ambos, o peso das tradições e do preconceito passa a ser medido e confrontado com o amor que os une.
Elenco: Claudia Mello, Lilian Blan, Ronaldo Diaféria, Alex Moreno, Alexandre Cruz
Direção: Marcos Caruso
Ingresso R$ 50
Temporada: até 27 de maio.

Satyros’ Satyricon
Quando: Quinta a domingo, às 21h
Onde: Espaço dos Satyros II
Praça Roosevelt, 134, Consolação, tel. 3258-6345
Sinopse: A montagem tem adaptação de Evaldo Mocarzel para fragmentos do texto do escritor romano Petrônio. Novo projeto da Cia. Os Satyros, o pacote inclui, além desta montagem, uma instalação e uma rave. O espetáculo propõe um mergulho no submundo das metrópoles pior meio da fugira de três ex-gladiadores, que formam um triângulo amoroso e, como michês, lutam pela sobrevivência no Centro de São Paulo.
Elenco: Adriana Fiorotti, Alexandre Magno de Castro,Amanda Magalhães, Antonio Revuelta, Brenda Oliver, Breno da Matta, Daniela Bontempi, Davi Tostes, Deborah Graça,Du Maranhão, Dyl Pires, Eduardo Prado, Elias Felix Fabrício Castro, Gabriel Fernandes, Gislene Sayuri, Julia Ornelas, Katia Calsavara, Lino Reis, Lorena da Cunha França, Marcelo Jacob, Marcio Pellegrini, Marina Calvão, Mariana França, Priscila Senegalho, Rafael Mendes, Renata Vieira, Samira Lochter, Silvia Diaz, Taiane Martins, Thadeo Ibarra e Tom Garcia.
Direção: Rodolfo García Vázquez
Ingressos R$ 20
Temporada: até 26 de maio.

 

 

Veja mais:

[Trans]mitindo Experiências

Mil e Uma Formas de Amar

 

Texto: Majô Levenstein

Relacionadas:

Uncategorised | 16/ 12/ 2021

16 de dezembro é dia do Teatro Amador: Conheça mais sobre essa importante prática cultural brasileira!

SAIBA MAIS

Notícias | 03/ 11/ 2021

Danilo Dal Lago, artista egresso da SP, estreia peça que contrapõe escritor periférico e mercado editorial

SAIBA MAIS

Notícias | 28/ 10/ 2021

Maria Bonomi inaugura obra no Memorial da América Latina que homenageia vítimas da pandemia

SAIBA MAIS