Chico Turbiani, formador da SP, dirige peça ‘Os Fins do Sono’, uma crítica aos expedientes de trabalho sem fim

Publicado em: 08/03/2021

Chico Turbiani, formador do curso de Iluminação da SP Escola de Teatro, é o diretor do espetáculo os Fins do Sono, do Coletivo Cardume, que estreia em formato digital na sexta-feira, 19 de março. Ele será transmitido via Zoom, com ingressos gratuitos via Sympla, e acontecem às sextas-feiras, sábados e domingo, às 20h, até 9 de abril.

O texto é de Luis Felipe Labaki, livremente inspirado nas reflexões do ensaísta norte-americano Jonathan Crary no livro “24/7: Capitalismo tardio e os fins do sono”. A obra sugere que o contexto social e econômico no qual vivemos- capitalismo no século XXI- nos impulsiona em direção a uma rotina de trabalho ininterrupta, na qual o expediente dura 24 horas por dia e 7 dias por semana.

Atualizada para os tempos pandêmicos, a peça agora aborda esta realidade ainda mais intensa no sistema de home office, adotado devido à necessidade de distanciamento social.

Dupla de artistas egressos da SP Escola de Teatro lança livro com 100 textos escritos em 100 dias

Para o dramaturgo, o processo de revisitar o texto cinco anos após a primeira montagem tem sido muito interessante, principalmente pois a premissa se mantém e é ainda mais constante.

“ Nós, originalmente, partimos de questões apontadas no ensaio do Jonathan Crary que, de lá para cá, parecem ter se intensificado, com uma sobreposição ainda maior entre os espaços e tempos privados e profissionais. A primeira versão da peça se passava inteiramente em um escritório do qual os funcionários não conseguiam escapar, enquanto do lado de fora a população adoecia devido à privação do sono decorrente da iluminação incessante do céu. Nessa nova versão, os funcionários (bem como todos nós do grupo) estão trabalhando de casa, mas a questão de fundo permanece. As temáticas do confinamento e do adoecimento de uma população confrontada com uma mudança radical em seu modo de vida já estavam lá na primeira versão, e é aflitivo perceber que certos elementos que tratamos num plano alegórico e hiperbólico se tornaram absolutamente palpáveis ao longo desse ano de pandemia”, relata Labaki.

É de suma importância essa análise do espetáculo, pois é notável o aumento de casos de ansiedade, depressão e angústia na população brasileira e mundial. É triste perceber que a sociedade e os empregadores têm exigido cada vez mais das pessoas e perpetuam a ilusão de uma produtividade inalcançável, na qual o sono, relaxamento e o ócio são contraproducentes.

“Essa nova realidade intensifica essa invasão do mundo do trabalho na nossa vida pessoal. Perde-se o limite entre a esfera da vida pessoal e a do trabalho. Sem perceber, estamos o dia todo conectados e disponíveis para o trabalho, respondendo demandas na hora que chegam ao mesmo tempo em que fazemos atividades da esfera pessoal. Tudo fica misturado e as fronteiras se borram”, comenta Turbiani.

Em cena, além dos atores, está o artista plástico e ilustrador Roberto Zink, que ilustra ao vivo os temas e cenas retratados pela peça e interfere diretamente na encenação.

“Poder trabalhar com a nossa companhia, mesmo que virtualmente em um novo formato, exige novas disposições e outros conhecimentos para o trabalho, mas tudo fica mais simples quando podemos criar junto com os bons e velhos parceiros do palco. A construção das personagens se deu a partir da dramaturgia do Luis e de como estávamos reagindo as dinâmicas das videochamadas. Por isso, mesmo não tendo a vivência de trabalho remoto de um escritório de seguros de vida, nós nos aproximamos dessa experiência a partir da nossa relação pessoal com o trabalho remoto. Cada personagem tem uma relação diferente com o trabalho porque cada ator responde a essa nova dinâmica do seu jeito, o que acaba imprimindo uma pessoalidade interessante para essas figuras”, explica Pedro Massuela, protagonista da montagem ao lado de Juliana Valente e Marô Zamaro.

SERVIÇO
Os Fins do Sono, do Coletivo Cardume de Teatro
Espetáculo transmitido pela plataforma Zoom
Temporada: 19 de março a 09 de abril
Às sextas, aos sábados e aos domingos, às 20h
Ingressos: gratuitos e por contribuição livre
Venda/reserva de ingressos online pelo site sympla.com.br/osfinsdosono
Classificação: 12 anos
Duração: 55 minutos
Informações: coletivocardumedeteatro@gmail.com
Facebook: @ColetivoCardume
Instagram: @coletivocardumedeteatro

Por Luiza Camargo




Relacionadas:

Notícias | 27/ 10/ 2021

Miguel Arcanjo Prado e Ellen de Paula debatem sobre a 3ª edição do Festival Dona Ruth em live transmitida pela SP

SAIBA MAIS

Notícias | 27/ 10/ 2021

“Acervo da biblioteca da SP é fundamental para pesquisadores de dramaturgia brasileira”, afirma Luiz Campos, doutorando da Unesp

SAIBA MAIS

Notícias | 27/ 10/ 2021

O que é complicação?

SAIBA MAIS