Caroline Calsone, estudante de dramaturgia, realiza oficina artística sobre feminismo

Nascida em São José do Rio Pardo, interior de São Paulo, Caroline Calsone é estudante de dramaturgia na SP Escola de Teatro e recém graduada em artes cênicas pela UNESP. Muito dedicada aos estudos artísticos, ela tem se debruçado cada dia mais em análises e discussões sobre gênero, feminismos, decolonialidade, autobiografia, arte da performance, teatro performativo, assim como a ideia de “solo” e seus desdobramentos, autoralidade, diário pessoal no contexto da criação artística e outras formas e fazeres possíveis para a(s) cena(s) das mulheres.

Os aprofundamentos nos assuntos tiveram início ainda durante a formação acadêmica, quando lhe foi cedido espaço para dois workshops teórico-práticos: A performance e a mulher: o corpo, o feminismo, a transgressão – perspectivas dos anos 60 à 2000 e Vivências autobiográficas em cena, realizados entre 2017 e 2019. Também estudou a temática em sua pesquisa na Iniciação Científica, intitulada “Mulheres da criação de solos autobiográficos: experimentação, estudo e descoberta”.

Gabriel Hammer, estudante de dramaturgia, estreia musical autoral inspirado na fábula dos 3 Porquinhos

Dentre outros projetos, a artista atualmente trabalha na construção de um solo autoral intitulado “Coreografias da alcova – natureza morta com facas e frutos do mar”, sem data de estréia definida.  Além disso, participará nesta quinta-feira, 17, do congresso da ABRACE (Associação brasileira de pesquisa e pós-graduação em Artes Cênicas), onde discutirá sobre os rumos de sua pesquisa, com transmissão pelo Youtube. No meio de tantos compromissos, Caroline ainda se prepara para comandar a oficina “Corpo-mídia: vivências autobiográficas na cena das mulheres”, nas plataformas digitais.

O objetivo da oficina é trazer referências e ampliar a discussão sobre a(s) cena(s) feminista(s), partindo de uma perspectiva dos anos 60, sob o slogan “o pessoal é político” e chegando aos dias de hoje, onde encontra novas possibilidades, novas políticas e pensamentos.

Relembre 10 peças LGBTQIA+ inesquecíveis do teatro brasileiro

“Analisamos o trabalho de diferentes artistas que operam em suas singularidades, discutimos sobre o diário no contexto da produção artística e experimentamos na prática suas possibilidades, implicando também nosso corpo em todo o trabalho. O fazer artístico feminista pressupõe uma maneira outra de se relacionar com os saberes práticos, com a teoria, com o mundo, com as pessoas, com as estruturas hierárquicas e com a criação em artes”, comenta a dramaturga.

Ainda sobre a importância do projeto, Caroline conclui: “ poder discutir e se empenhar na criação autobiográfica, que já foi muito tachada de irrelevante, solipsista, não-universal, promíscua, etc, – principalmente quando feita por mulheres -, em companhia de outras pessoas que podem trazer as mais diversas contribuições é de uma força política e sensível muito agregadora. ”

A oficina integra o projeto Poça, concebido pela artista visual Inácio Rafaela, contemplado pela Lei Aldir Blanc da Secretaria da Cultura do Governo Rio Grande do Sul. Será realizado  entre os dias 15 e 16 de julho, das 18 às 20 horas, na plataforma Google Meets. Para participar, basta se inscrever através do link disponibilizado no Instagram @paraquepossa entre os dias 21 e 30 de junho. As vagas são limitadas.

Siga: @CarolineCalsone

Por Bruno de Paula

Editado por Luiza Camargo




Posts Archives

Caroline Calsone, estudante de dramaturgia, realiza oficina artística sobre feminismo

Posted on

Nascida em São José do Rio Pardo, interior de São Paulo, Caroline Calsone é estudante de dramaturgia na SP Escola de Teatro e recém…

Read more