Surround em Cena

Publicado em: 11/05/2012

Latidos de cachorro, gritos, volume da televisão, passos. Esses são alguns dos sons que atormentam a vida da personagem do espetáculo “O Belo Indiferente”, de Jean Cocteau.

Para recriar esse ambiente e expandir o som às três dimensões no palco, o músico e compositor Gregory Slivar inventou um esquema artesanal de som Surround. “Nessa peça eu utilizei um material mais barato, quase sucata. A proposta era causar a impressão de que o público estava com a personagem, dentro do seu apartamento.

Slivar é artista residente da SP Escola de Teatro – Centro de Formação das Artes do Palco e trouxe esse projeto hoje (11) para apresentar aos aprendizes do curso de Sonoplastia. “Depois de ligado, distribuo o som por meio de um software e envio para uma placa que transforma o som digital em analógico, seguindo para os alto-falantes”, explica.

O coordenador de Sonoplastia Raul Teixeira reconheceu a eficiência do projeto de Slivar e a vivência dos aprendizes. “Eles precisam conhecer os equipamentos e suas tecnologias, além de saber trabalhar com os materiais disponíveis. Com o Gregory, eles têm estudado as propriedades físicas do som e, agora, a sua espacialização. E tudo com muita prática”, conclui.

 

 

Texto: Leandro Nunes