SP Escola de Teatro sedia lançamento do livro “Stanislavski revivido”

Publicado em: 05/12/2014

A SP Escola de Teatro – Centro de Formação das Artes do Palco sedia o lançamento do livro “Stanislavski revivido” (128 páginas, Giostri Editora, R$ 34), organizado por Ney Piacentini e Paulo Fávari a partir das palestras e debates do Seminário 150 anos de Stanislavski, realizado na Escola em dezembro de 2013. O evento acontece no dia 9 de dezembro, às 19h, na Sede Roosevelt da Instituição.

 

Com introdução e prefácio de Ivam Cabral e Ney Piacentini, respectivamente, a publicação traz o conteúdo das palestras de Marie-Christine Autant-Mathieu (“O que podemos, ainda hoje, aprender do teatro e do sistema de Stanislavski”), Sérgio de Carvalho (“Um trabalho sobre Stanislavski”), Maria Thais (“Stanislavski e Meierhold: simetrias assimétricas – da pedagogia à cena, da cena à pedagogia”), Marco Antônio Rodrigues (“Não fosse a incongruências nas idades e uma ou outra questão referente às diferenças nas línguas, qualquer um poderia jurar que Stanislavski era brechtiano”), Diego Moschkovich (“Reforma ou revolução: algumas reflexões sobre a atualidade do Sistema de Stanislavski”) e Eduardo Tolentino (“Das primeiras leituras de Stanislavski à prática teatral”).

 

Além das falas dos palestrantes, integram a obra a interação entre eles e o público, além do registro de uma série de exercícios stanislavskianos, retirados do livro “La ligne des las actions physiques”, de Autant-Mathieu, com tradução inédita para o português de Ana Paula Zanandréa. 

 

Assim, um ano depois dos encontros que lotaram a SP Escola de Teatro, serão apresentados à comunidade teatral um material que atualiza os pressupostos do Sistema de Stanislavski, base reconhecida como fundamental à pedagogia da atuação, como os fragmentos que seguem, extraídos das palestras que deram origem ao livro: 

 

“O Sistema não é um livro de filosofia (…) e sim uma obra prática, fundamentada na experiência, e com um comprometimento dentro de um programa de trabalho” (Marie-Chyristine Autant-Mathieu)

 

“Boa parte de sua grandeza tem a ver com algo que é comum aos clássicos da literatura, seu anseio de totalização: Stanislavski não quis deixar simplesmente um registro de suas descobertas ou um manual de instruções à posteridade” (Sérgio de Carvalho)

 

“Prefiro recusar a simples oposição entre os dois [Stanislavski e Meierhold] e me apoiar na imagem (…): ‘somos todos galhos de uma mesma árvore'” (Maria Thais)

 

“O que vemos nas reflexões de Stanislavski é que as emoções podem brotar a partir das ações (…) porque temos como executar as ações e os sentimentos, não” (Marco Antonio Rodrigues)

 

“É injusto denominar apenas como ‘reforma’ algo que foi, na prática teatral, uma verdadeira revolução” (Diego Moschkovich)

 

“Considero um grande legado dos russos eles se dizerem diretores e pedagogos, que é uma herança stanislavskiana” (Eduardo Tolentino)

 

 

Sobre os autores

 

Marie-Christine Autant-Mathieu é diretora de pesquisa do Centre National de la Recherche Scientifique (CNRS) e leciona na Paris III – Sorbonne. Historiadora de teatro, especialista da cena russa, trabalha especialmente na gênese e distribuição de Sistema Stanislavski na Rússia e nos Estados Unidos. É autora, entre outros livros, de “La ligne des actions physiques”, sobre a última fase das pesquisas de Stanislavski.

 

Sérgio de Carvalho é dramaturgo e encenador, foi fundador e dirige a Companhia do Latão. É pesquisador de teoria do teatro e professor de Dramaturgia e Crítica da Escola de Comunicação e Artes (ECA) na Universidade de São Paulo (USP). Tem mestrado em Artes Cênicas e doutorado em Literatura Brasileira. Autor e organizador dos livros “Companhia do Latão – 7 peças”, “Introdução ao teatro dialético” e “Atuação crítica”. É editor da revista “Vintém” e do jornal “O traulito”.

 

Maria Thais é pesquisadora e diretora teatral. Professora doutora do Departamento de Artes Cênicas da Escola de Comunicações e Artes (ECA) da Universidade de São Paulo (USP) com doutorado e mestrado em Artes Cênicas pela mesma instituição. Fundadora da Cia Teatro Balagan, é autora do livro “Poética e pedagogia em V. E. Meierhold”. Foi professora do Departamento de Artes Cênicas da Unicamp e implantou a Escola Livre de Teatro, em Santo André/SP.

 

Marco Antonio Rodrigues é ator e diretor teatral, foi fundador e diretor artístico do Folias D’Arte, coletivo teatral de São Paulo. Tem especialização no Sistema de Stanislavski pela Academia Russa de Arte Teatral. Como colaborador, atua como professor-encenador da Escola Superior de Artes Célia Helena e do Teatro Escola Célia Helena. Atuou também como professor-encenador do curso de Teatro da Escola Superior de Educação de Coimbra e na Escola Superior de Música e Artes do Espetáculo do Porto, ambas em Portugal.

 

Diego Moschkovich cursou Artes Cênicas na Academia Estatal de Artes Cênicas de São Petersburgo (LGITMiK), na Rússia. É pesquisador das heranças históricas de Stanislavski e Meierhold e foi bolsista e tradutor no projeto Masters in Residence, do Instituto Grotowski (Breslávia, Polônia), sob a direção de Anatoli Vassiliev. Traduziu do russo para o português o livro “Do teatro”, de Meierhold.

 

Eduardo Tolentino é diretor teatral e um dos fundadores do Grupo Tapa. Entre suas principais encenações estão: “Uma peça por outra”, de Jean Tardieu, “A mandrágora”, de Maquiavel, “Solness – o construtor”, de Henrik Ibsen, “As raposas do café”, de Celso Luís Paulini e Antônio Bivar, “A megera domada”, de William Shakespeare, “Corpo a corpo”, de Oduvaldo Vianna Filho e “Rasto atrás”, de Jorge Andrade.

 

Ney Piacentini é ator da Companhia do Latão desde a sua fundação em 1997.  Cursa o doutorado e tem mestrado (2012) em Pedagogia Teatral pela Escola de Comunicação e Artes (ECA) da Universidade de São Paulo (USP). Em 2014 lançou o livro “Eugênio Kusnet: do ator ao professor” e recebeu o Prêmio Cooperativa Paulista de Teatro 2013 pela sua contribuição ao teatro paulista.

 

Paulo Fávari é jornalista formado pela Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo. Escreve crítica teatral, é fotógrafo e pesquisa dramaturgia.

 

Serviço

Lançamento do livro “Stanislavski revivido”, de Ney Piacentini e Paulo Fávari (Org.)

Quando: Dia 9 de dezembro, às 19h

Onde: SP Escola de Teatro – Sede Roosevelt

Pça Roosevelt, 210 – Centro

Tel.: (11) 3775-8600

Preço de capa: R$ 34