Em atendimento à legislação eleitoral, os demais conteúdos deste site ficarão
indisponíveis de 2 de julho de 2022 até o final da eleição estadual em São Paulo.
Em atendimento à legislação eleitoral, os demais conteúdos deste site ficarão indisponíveis de 2 de julho de 2022 até o final da eleição estadual em São Paulo.
EN | ES

SP Escola de Teatro é homenageada pela Alesp no Dia Internacional Contra a LGBTfobia

Publicado em: 18/05/2017

Colaboradoras e o coordenador pedagógico da Escola, Joaquim Gama, recebem homenagem na Alesp. Foto: Jonas Lírio/SPET 

 

A SP Escola de Teatro recebeu uma homenagem na Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp), na última quarta-feira (17), pela política de inclusão de pessoas LGBT e pelo respeito à diversidade sexual e de gênero que fazem parte do projeto de trabalho da Instituição. Desde sua criação, em 2010, a Escola tem em seu quadro de colaboradores travestis e mulheres e homens transexuais. 

 
O ato solene fez parte das atividades do Dia Internacional Contra a LGBTfobia. Além da Escola, grupos, ativistas, políticos e pessoas do sociedade civil foram homenageados no evento, presidido pelo deputado Marco Vinholi com o apoio do secretário de Desenvolvimento Social do Estado, Floriano Pesaro.
 
O coordenador pedagógico da SP Escola de Teatro, Joaquim Gama, representou o diretor executivo da Instituição, Ivam Cabral, na cerimônia. Gama foi acompanhado das colaboradoras Renata Peron, Kimberly Luciana, Paloma Assunção, Brenda Oliver e Flávia Araújo. 
 
“É extremamente importante estar na Assembleia e receber esse reconhecimento porque nos permite continuar nesse projeto de acessibilidade”, afirma Joaquim Gama. “Essa política, para muitos, parecia um ‘ato exótico’, mas hoje nos mostra que é um ato de coragem e que possibilita a abertura de espaços para essas pessoas.”
 
Para a recepcionista Renata Peron, que também é atriz e militante LGBT, a política de inclusão da Escola é um exemplo de ações político-sociais que precisam cada vez mais ser replicadas. “Quando Ivam Cabral criou um movimento como este foi para dar dignidade à pessoa humana que somos – não nos viu apenas como travestis e trans, mas pessoas que podem e sabem fazer o que fazem. Quando todos achavam que era um sonho, ele mostrou que isso pode ser real”, lembra Renata. 



Relacionadas:

Notícias | 15/ 08/ 2022

Gargarejo Cia. Teatral apresenta projeto em que revisita obras clássicas de Machado de Assis na próxima terça (16), na SP

SAIBA MAIS

Notícias | 15/ 08/ 2022

Miguel Rocha, artista egresso da SP e diretor da Cia. de Teatro Heliópolis, é indicado ao Prêmio APCA 2022; veja entrevista exclusiva!

SAIBA MAIS

Notícias | 15/ 08/ 2022

SP Escola de Teatro e Itaú Cultural promovem a 1ª Edição do Seminário O Sujeito Histórico do Teatro de Grupo do Estado de São Paulo

SAIBA MAIS