Sobre as Férias e o Recomeço

Publicado em: 11/07/2011

No início de 2011, um novo ciclo começou com abertura de mais oito turmas no período vespertino e a chegada de mais 395 novos aprendizes na SP Escola de Teatro – Centro de Formação das Artes do Palco. Assim, muita transpiração, trabalho e energia rondaram o primeiro semestre letivo da Escola, com direito a manhãs repletas de performances nas salas de aulas e até banheiros da Instituição, e tardes voltadas aos estudos sobre o Realismo com base no texto “As Gaivotas”, de Anton Tchecov. 

 

Agora, para acumular forças para o próximo semestre, todos os aprendizes entrarão em férias, entre os dias 17/07 e 08/08, a fim de retomar suas aulas, com todo fôlego, em 09 de agosto. Antes do recesso, porém, o último dia de aula, marcado para sábado (16/07), ainda promete abalar o bairro da Brás, da sede da Escola até o Largo da Concórdia, com a Cerimônia Urbana e muitas atividades em um Território Cultural especial.

 

No retorno, em agosto, aprendizes do Módulo Verde (vespertino) vão ingressar no Módulo Amarelo onde trabalharão com pressupostos e elementos do teatro narrativo e terão como material de estudo o livro “Viva o Povo Brasileiro”, assinado por João Ubaldo Ribeiro. 

 

Publicado em 1984, “Viva o Povo Brasileiro” faz uma recontagem crítico satírica da história brasileira, denunciando a devassidão presente no processo de sua formação. Considerado uma obra-prima da literatura brasileira, o livro tem negros, índios, portugueses e holandeses como personagens e é inspirado na temática da construção da identidade cultural do brasileiro. Assim, as tramas são ambientadas principalmente na Ilha de Itaparica, mas, em Salvador, Lisboa, São Paulo e Rio de Janeiro, percorrendo quatro séculos da história do País. 

 

Já os aprendizes do período matutino chegarão ao Módulo Vermelho e, com projetos elaborados por eles mesmos, vão criar equipes a partir de suas afinidades, interesses artísticos e de trabalho para montar um espetáculo. Este projeto, que deve ser preparado por um grupo de, no mínimo, três aprendizes, deverá ser elaborado de acordo com um Edital, previsto para ser lançado na primeira quinzena deste mês.

 

Segundo Elen Londero, assessora da coordenação pedagógica da SP Escola de Teatro, 16 projetos serão aprovados por uma comissão julgadora formada pelo corpo docente e por artistas-convidados e os trabalhos serão colocados em prática de acordo com as etapas de trabalho do Módulo: Processo, Experimento e Formação. 

 

Cada projeto deve ser concebido por três aprendizes de cursos distintos e devem abranger todas as áreas já estudadas na Escola no decorrer dos Módulos anteriores. Além disso, o espaço teatral e a escolha do orientador ficam a cargo dos integrantes do grupo, que podem, inclusive, selecionar um artista que não integre o corpo docente para orientação do trabalho.

 

“Acredito que o Módulo Vermelho será um desafio, tanto para os aprendizes quanto para os coordenadores e formadores, pois ninguém tem ideia de que tipos de projetos vão surgir e, sobretudo, vamos trabalhar com inúmeros elementos e gêneros ao mesmo tempo. Entretanto, este tipo de atividade é muito positiva, pois promove uma autonomia muito pertinente ao teatro: o trabalho em grupo, onde há a possibilidade de você encontrar, naturalmente, seus pares”, comenta Elen.

 

Para Joaquim Gama, coordenador pedagógico da SP Escola de Teatro, os aprendizes devem ficar muito atentos às questões e preposições do edital. “O que pode garantir a aprovação do projeto é a sua consistência, ele deve surgir de uma ótima proposta teatral, incitar o desejo por uma boa arte, sem, portanto, perder de vista os trabalhos e trajetórias de estudos dos aprendizes aqui na Escola”, explica.

 

Antes de se apossaram das cadeiras de professores, na semana que antecede o início das aulas, o corpo docente da Escola vai, ainda, participar de uma série de colóquios e mesas de discussão com profissionais especialistas nas temáticas dos dois Módulos.