Sensualidade à flor da pele

Publicado em: 21/11/2013

Considerada uma das atrizes mais sensuais da televisão brasileira, Camila Manhães Sampaio, que adotou o nome artístico de Camila Pitanga, em homenagem a seu pai, o ator Antônio Pitanga, começou sua carreira artística aos seis anos de idade, quando fez sua primeira aparição no cinema, como figurante em “Quilombo”, de Cacá Diegues. Aos 11 anos, assumiu o posto de assistente de palco da apresentadora Angélica no programa “Clube da Criança”, na TV Manchete.

 

Interessada em seguir a carreira, fomou-se em Artes Cênicas pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UniRio), com habilitação em Teoria Teatral, depois de participar de cursos no tradicional Teatro Tablado, de Maria Clara Machado, de 1991 a 1993, tendo como professores a atriz Guida Vianna e o ator e diretor João Brandão. Lá, atuou em montagens amadoras como “A gata borralheira” (1991), adaptação de Maria Clara Machado para o clássico de Charles Perrault.

 

Seu primeiro trabalho como atriz de televisão foi na minissérie “Sex appeal”, em 1993. No mesmo ano, participa da novela “Fera ferida”, ambas na Rede Globo. Em 1994, estreia no teatro, em “A ira de Aquiles”, adaptação de “Ilíada”, de Homero, feita pelo diretor Hamilton Vaz Pereira, interpretando a deusa Afrodite. Um ano depois, faz seu primeiro trabalho no cinema, no longa-metragem “O signo do caos”, de Rogério Sganzerla, em 1995, só lançado em 2003.

 

Só em 2000, faz um papel de destaque, a índia Catarina Paraguaçu, na microssérie “A invenção do Brasil”. Nesse mesmo ano, foi uma das protagonistas da série “Garotas do programa”, ao lado de atrizes como: Mariana Hein, Zezé Polessa, Betty Gofman, Drica Moraes e Marília Pêra.

 

A projeção nacional acontece ao interpretar a prostituta Bebel em “Paraíso tropical”, de Gilberto Braga, que lhe rende várias indicações e prêmios de Melhor Atriz e passa a ser um divisor de águas em sua carreira, colocando-a no time dos principais atores do casting da Globo.

 

Mas é só em 2009 que ganha pela primeira vez o papel de protagonista, como a ex-empregada Rose, em “Cama de gato”, novela de Duca Rachid e Thelma Guedes. Em 2011, atua em “Insensato coração”. Em 2012, volta a ser a protagonista, com Marjorie Estiano, da novela das seis, “Lado a lado”, de João Ximenes Braga e Cláudia Lage, em que vive uma bailarina do século 19 que faz sucesso em Paris e depois retorna do Rio de Janeiro.

 

Veja mais sobre a Semana da Consciência Negra:

Semana da Consciência Negra

Teatro Experimental do Negro, o pioneiro a levar o negro para os palcos

Ruth de Souza, a grande dama negra do teatro

Do Pelourinho para o mundo

O teatro e o cinema do gaúcho Flavio Bauraqui

 

Texto: Carlos Hee