Rumos Futuros

Publicado em: 07/09/2010

Organizada por Ivam Cabral, Diretor Artístico da SP Escola de Teatro – Centro de Formação das Artes do Palco e um dos fundadores da Cia. de Teatro Os Satyros e lançada, pela Imprensa Oficial, em parceria com os Satyros Literatura e a Associação dos Artistas Amigos da Praça, a Coleção Primeiras Obras foi indicada ao Prêmio Jabuti como uma das dez melhores publicações na categoria “Arquitetura e Urbanismo, Fotografia, Comunicação e Artes”.

 
As publicações, que contemplarão 20 volumes com textos teatrais, lançadas em duas etapas distintas, traz, em sua primeira fase, 61 textos para teatro, com a ideia de documentar o movimento dramatúrgico surgido na cidade de São Paulo na Praça Roosevelt, sobretudo, a partir do final dos anos 90, onde a criação de textos teatrais em São Paulo se consolida e passa a ser uma das mais relevantes da história do teatro paulistano.
 
 
Na primeira etapa, nove volumes são dedicados ao trabalho de Otávio Martins, Gabriela Mellão, Ivam Cabral, Sérgio Roveri, Sergio Mello, Rudifran Pompeu, Marcos Damaceno, Lucianno Maza e Vera de Sá. O último título é uma coletânea composta por 29 peças, de diversos autores, apresentadas durante o DramaMix 2007, evento que integra as Satyrianas, realizado na Praça Roosevelt, sendo eles:  Alex Gruli, Ana Rüsche, Andréa Bassitt, Antonio Rocco, Bráulio Mantovani, Célia Forte, Cláudia Vasconcellos, Contardo Calligaris, Duílio Ferronato, Eduardo Sterzi, Gerald Thomas, Germano Pereira, Jarbas Capusso Filho, João Luiz Sampaio, José Simões, Jucca Rodrigues, Lúcia Carvalho, Marici Salomão, Mário Viana, Mário Bortolotto, Marta Góes, Nicolás Monasterio, Noemi Marinho, Renata Pallottini, Roberto Alvim, Priscila Nicolielo, Paulo Vereda, Rogério Toscano, Sabina Anzuategui.
 

Cada volume traz prefácio de outro importante nome. O volume dedicado a Otávio Martins, por exemplo, é apresentado por Silvana Garcia; Gabriela Mellão por Alberto Guzik; Ivam Cabral por Erika Riedel; Sérgio Roveri por Otavio Frias Filho; Vera de Sá por Jefferson Del Rios; Sergio Mello por Mário Bortolotto; Rudifran Pompeu por Evaristo Martins de Azevedo; Marcos Damaceno por Roberto Alvim; Lucianno Maza por Alcides Nogueira.
 
 
Segundo o diretor e dramaturgo Roberto Alvim, as peças reunidas na Coleção Primeiras Obras (em sua miríade de tendências, temáticas e estratégias dramatúrgicas de construção) agem como um norte, sugerindo caminhos e desdobramentos para as questões mais urgentes de nosso Teatro  e, inevitavelmente, de nossa enigmática vida contemporânea. Publicá-las significa ampliar a possibilidade de seu alcance, constituindo-se como iniciativa vital no campo do debate teórico e da criação artística em nosso País.                
 
 
Evaristo Martins de Azevedo, prefaciador da Coleção e crítico teatral há mais de uma década, acredita que as publicações são uma iniciativa importante para aqueles que gostam de teatro, interessa a quem estuda  teatro e é fundamental para quem pesquisa novos textos e experiências teatrais. “A iniciativa é fantástica para o público que antes, quando se apaixonava por alguma peça contemporânea, não tinha acesso ao texto. Agora, com essa Coleção, o público vai poder ler peças que são realmente apaixonantes, que são objeto de curiosidade ou de desejo. É ótimo poder levar para casa o espetáculo, ou, ao menos, seus diálogos, suas frases marcantes, enfim, sua dramaturgia”, comenta.
 
 
Silvana Garcia, ensaísta, professora e prefaciadora, acredita que a Coleção Primeiras Obras é um importante incentivo para os novos dramaturgos. “A publicação de uma primeira peça equivale a um marco inaugural de carreira e, como tal, constitui-se como um rito de passagem de grande valia para a definição de rumos futuros”, afirma.
 
 
O espetáculo na estante
 
 
Que tal carregar em seu bolso aquela peça apaixonante? De fato, a encenação não dá para carregar, mas o texto tem a chance de se perpetuar no papel e oferecer leitura, releituras, remontagens e alimento para a imaginação. Consciente da importância de perpetuar o trabalho de artistas e dramaturgos contemporâneos, Ivam Cabral traçou os planos da Coleção Primeiras Obras.
 
 
“Sempre acreditamos que o movimento artístico ao redor da Praça Roosevelt poderia ser um divisor de águas na cena teatral contemporânea. A Coleção Primeiras Obras, não só vem mapear um pouco o que está acontecendo ali, mas perpetua a obra de grandes dramaturgos que fazem parte desse movimento que está se firmando cada vez mais. Todos estamos muito felizes com essa indicação ao Prêmio Jabuti. É lindo, pois, de certa forma, significa o reconhecimento de mais de 40 artistas”, revela Ivam Cabral, cuja obra também integra a nova Coleção. 
 
 
“Estou muito feliz com a indicação da Coleção para o Premio Jabuti, não só por o DramaMix ser um projeto que envolve inúmeros artistas mas porque comprova que estamos no caminho certo e que a semente que plantamos em 2007, com o início da programação para esse evento, ainda vai alimentar a alma, a arte e a vida de muitas pessoas. Lembro-me do e-mail que enviei há três anos iniciando essa jornada, olho para trás e penso: valeu a pena e faria de novo”, afirma Gustavo Ferreira, produtor do DramaMix.
 
 
Ter participado como produtora da Coleção Primeiras Obras foi um enorme aprendizado, afirma Lilian Rammazina. “Além do desafio de iniciar um importante projeto literário, a possibilidade de estar em contato com grandes nomes da dramaturgia contemporânea foi enriquecedora. A indicação para o Prêmio Jabuti demonstra a relevância da Coleção para a literatura nacional. Estou muito feliz e orgulhosa.”
 
 
Criado em 1958, o Prêmio Jabuti valoriza não apenas os escritores, mas destaca a qualidade do trabalho de todas as áreas envolvidas na criação e produção de um livro. As 21 categorias do Jabuti 2010 contemplam romance, contos e crônicas, poesia, reportagem, biografia, livro infantil, tradução, ilustração, capa e projeto gráfico.
 
 
Anualmente, editoras dos mais diversos segmentos e escritores independentes de todo o Brasil inscrevem milhares de obras em busca da tão cobiçada estatueta e do reconhecimento que ela proporciona. Receber o Jabuti é um desejo acalentado por todos aqueles que têm o livro como seu ideal de vida. Receber o Jabuti representa à obra vencedora o lastro da comunidade intelectual brasileira.
 
 
A contagem dos votos para o Prêmio Jabuti é feita em sessões abertas ao público e dividida em duas etapas. Na primeira sessão foram selecionadas as dez melhores obras em cada umas das 21 categorias. A segunda sessão, que será realizada no dia 1º de outubro, define os três primeiros lugares de cada categoria, sendo que o primeiro colocado receberá o prêmio de “Livro do Ano” no dia 4 de novembro de 2010.
 
Coleção Primeiras Obras Liberada na web

 
A Imprensa Oficial de São Paulo disponibiliza seus títulos para download na internet, sem custo algum. Hoje, são mais de 170 títulos disponíveis. Acesse e baixe a Coleção Primeiras Obras, assim como outros títulos dedicados às artes cênicas no Brasil.