Realidade Expandida em Pauta

Publicado em: 14/06/2011

Verificar os limites entre o documento e a ficção na atualidade para criar um espaço de reflexão que considere os casos em que as fronteiras que distinguem fato e ficção se confundem é um dos objetivos do curso de Difusão Cultural Interfaces: Teatro, Cultura e Psicanálise, oferecido pela SP Escola de Teatro – Centro de Formação das Artes do Palco e ministrado pelo psicanalista Sérgio Zlotnic. 

 

Na segunda-feira (13/06), após assistirem o espetáculo “Hipóteses para o Amor e a Verdade”, da Cia. Os Satyros, os participantes deste curso de Difusão Cultural realizaram um encontro com parte do elenco da peça. Atores que levaram uma importante contribuição para o processo de elaboração do roteiro do espetáculo, tanto no sentido de relatar sensações, observações e vivências quanto ao colocar seus próprios corpos ao dispor da cena. 

 

O processo de criação do espetáculo teve início com depoimentos, recolhidos em entrevistas com moradores e trabalhadores da região central de São Paulo. A partir destas entrevistas, o elenco observou como se desenvolvem as estratégias de sobrevivência ideológica, emocional e afetiva dos habitantes de uma grande metrópole para, então, reviver, em cena, essas novas percepções da condição humana. 

 

Num segundo momento, o grupo refletiu sobre conceitos do debate contemporâneo como o mundo virtual, trabalhando, especialmente, as teorias do pesquisador Ronald Azuma, da Universidade da Carolina do Norte, que diz respeito aos conceitos da pós-humanidade e da realidade expandida e suas dimensões.

 

Segundo Zlotnic, mediador e organizador deste encontro, colocar o processo de criação deste espetáculo em discussão interessa muito aos participantes, pois a trama joga com a verdade e a ficção. “A peça escrita por Ivam Cabral e Rodolfo García Vázquez, e dirigida por este último, é exemplar para colocar em questão alguns aspectos do campo teatral que temos abordado neste semestre no curso”, explica. 

 

Assim, os atores convidados Esther Antunes, Leo Moreira, Phedra De Córdoba, Tânia Granussi, Tiago Leal e Gustavo Ferreira passaram algumas horas com a turma, abordando temas como especulação sobre a verdade, manipulação e rompimento das fronteiras da ficção e, sobretudo, questionando o uso de novas tecnologias no teatro, a transexualidade e a realidade expandida.

 

A Visão do Espectador

 

Formada em Artes Cênicas, Gabriela Costa, participou do encontro. Ela, que diz utilizar conceitos do teatro e dos fenômenos da psicologia em suas criações, revelou que a conversa com o elenco de “Hipóteses para o Amor e a Verdade”, veio de encontro à proposta do curso. “Falamos de histeria e do conceito de verdade para a arte, para as pessoas e para os artistas e a peça coloca essa questão em pauta”, comenta.

 

O participante do curso Guilherme Campion também achou o encontro esclarecedor. “Fiquei impressionado com o modo que as personagens projetam sua trajetória de vida na interpretação. O encontro foi um ótimo complemento para as aulas.”

 

Para presenciar as diferentes reações de pessoas contatadas pelas personagens durante odesenrolar do espetáculo, o curioso participante do curso Lucas França, que também é aprendiz de Atuação na SP Escola de Teatro, foi duas vezes ao Espaço Satyros assistir à peça. “Queria ver como uma ação pode ser respondida de forma diferente. Descobri que a psicanálise pode me ajudar no meu trabalho de ator. Sempre que me deparo com novos desafios encontro ferramentas novas e uma consciência maior do meu processo de criação”, explica.

 

Edélsio Alves da Silva Júnior, participante do curso e aprendiz de Direção na SP Escola de Teatro, revelou que a conversa com os atores foi muito produtiva. “A peça já diz muita coisa. Sou do teatro mais clássico e a pesquisa do Satyros é nova para mim. Porém, ela abre muitas possibilidades criativas para um novo teatro. Também acho muito interessante o modo como o grupo se utiliza da tecnologia, como, por exemplo, a personagem que continua ‘viva’ e em fluxo, por meio de um perfil no Facebook”, comenta.

 

Júnior revelou ainda que, durante o encontro com os atores da Cia. Satyros, conseguiu reconhecer a fragilidade do ator e a importância de uma relação de confiança e intimidade entre o grupo. 

 

Para conferir todas as fotos do encontro, clique aqui

 

 

Fotos: Rodrigo Meneghello