Portadores de deficiência física são personagens centrais de peça em financiamento colaborativo

Publicado em: 30/04/2015

Um homem fica paraplégico e se torna uma pessoa amargurada, agindo contra todas as regras do pensamento positivo e da boa disposição. Ele usa de todo seu negativismo para lidar com esta nova realidade, motivo pelo qual sua esposa convida um grupo de apoio – com pessoas que preferem omitir seus problemas, mágoas e tristezas através de uma enganosa aparência de felicidade – para ir à sua casa pregar regras do pensamento positivo, nas quais se amparam fielmente. Essa é a história que a Cia. Teatro Sem Censura quer contar, baseada no longa-metragem norueguês – que tem o mesmo nome da peça – “A Arte de Pensar Negativamente”, de Bård Breien, por meio da plataforma Catarse, de financiamento coletivo.
 
De acordo com seus cálculos, o grupo precisa de R$ 11.724 reais para conseguir custear toda a produção do espetáculo. “A Arte de Pensar Negativamente” vem sendo o foco da Cia. Teatro Sem Censura há mais de um ano e, agora, já com ensaios acontecendo “na raça”, como eles mesmos definem, eles pedem ajuda para estreá-la. Como contrapartida à doação, a trupe oferece desde agradecimentos em sua página do Facebook até camisas da companhia e jantares para duas pessoas.
 
Com este enredo a peça leva a uma reflexão sobre como cada um enfrenta os próprios problemas. A Cia Teatro Sem Censura também visa a democratização do acesso e a inclusão social de pessoas portadoras de deficiência por meio de uma reflexão clara e objetiva sobre suas condições. Para fomentar esta ideia, o espetáculo será hospedado apenas em teatros cuja estrutura esteja adequada à recepção de portadores de necessidades especiais.
 
A Cia. Teatro Sem Censura conta com quatro aprendizes egressos da SP Escola de Teatro – Centro de Formação das Artes de Palco: Bruna de Moraes, do curso regular de Atuação; Fabricio Castro, de Direção; Emerson Anunciação, de Dramaturgia; e Thiago Capella Zanota, da Iluminação.
 
Como parte do elenco, Bruna de Moraes explica que “o tema sobre PPD (Pessoas Portadoras de Deficiência Física) ainda é um tema pouquíssimo falado e muito importante”, mas deixa claro que o mais interessante, na verdade, não é só discutir acessibilidade a arte para pessoas com deficiência e sim “falar sobre pessoas no geral, suas angústias, medos, cobranças, etc.”.
 
Marcelo Zorzeto (Foto: Divulgação)
 
“Mais que o financiamento, o que queremos é o incentivo ao teatro. Acreditar junto com a gente que começar uma peça do zero, onde todos estão trabalhando de forma colaborativa, vale a pena e pode dar certo, sim!”, explica Bruna.
 
Para conhecer mais sobre a peça, assistir o teaser e colaborar, basta clicar aqui. A previsão de estreia é no final de julho de 2015.
 
Ficha Técnica
Texto: Bard Breien
Direção: Fabricio Castro
Elenco: Antônio Revuelta, Bruna Moraes, Deborah Graça, Irere Sauer, Kris Bulos, Luiz Luccas, Marcelo Zorzeto
Produção: Kátia Gomes, Déborah Graça e Fabricio Castro
Assistente de produção: Marina Calvão
Vídeos: Mariana Calvão e Roberto Reiniger
Preparação de atores: Alex Cabrera
Consultoria: Eduardo Ramos
Iluminação: Thiago Capella Zanota
Cenário e figurinos: Kátia Gomes
Dramaturgia e tradução: Déborah Graça, Emerson Anunciação, Fabricio Castro e Irene Sauer
 
Texto: Gabriel Gilio

Relacionadas:

Uncategorised | 03/ 11/ 2021

Danilo Dal Lago, artista egresso da SP, estreia peça que contrapõe escritor periférico e mercado editorial

SAIBA MAIS

Uncategorised | 28/ 10/ 2021

Maria Bonomi inaugura obra no Memorial da América Latina que homenageia vítimas da pandemia

SAIBA MAIS

Uncategorised | 01/ 10/ 2021

Festival Satyricine Bijou anuncia vencedores da mostra competitiva e homenageia a atriz e cineasta Helena Ignez

SAIBA MAIS