Pesquisador da SP Escola de Teatro lança livro sobre gênero e infância na periferia

Publicado em: 22/11/2018

Analista de projetos do Programa Kairós, o antropólogo João Martins lança, na próxima quinta-feira (29), o livro “É de Menino ou de Menina? Gênero e Infância na Periferia”. O evento, gratuito, acontece no Bar Exquisito (Rua Bela Cintra, 532), a partir das 19h.

No livro, fruto de sua pesquisa de mestrado, o autor analisa a performatividade de gênero de crianças em uma escola de educação infantil em Tremembé, na periferia de São Paulo. A partir de atividades como brincadeiras de crianças, ele traça reflexões sobre a constituição de feminilidades e masculinidades na infância.

O baixo número de estudos antropológicos sobre infância que também analisam o cruzamento entre gênero e território é um dos fatores que motivou a pesquisa de João Martins. “Além disso, há uma inclinação pessoal com a temática por conta da minha experiência como sujeito social”, conta o autor. “Em um texto assim, é possível refletir sobre esse tema, que é o que faço quando penso meu corpo, com todas suas inscrições sociais, na escola”.

Segundo ele, a pesquisa mostra que a identidade de gênero das crianças na periferia está relacionada ao universo simbólico e material de suas realidades. “Observei que a performatividade de gênero das crianças era norteada por alguns valores morais e condutas forjadas no universo do funk e do crime, tais como lealdade, humildade, proceder, disciplina”, explica.

Publicado pela editora Multifoco, “É de Menino ou de Menina? Gênero e Infância na Periferia” estará à venda por R$ 38 no dia do lançamento em São Paulo. As formas de pagamento aceitas serão dinheiro e cartão de débito.




Relacionadas:

Notícias | 06/ 12/ 2021

Oficina Olhares: “É possível falar de masculinidade e feminilidade sem sermos binários?”, por Manfrin Manfrin

SAIBA MAIS

Notícias | 06/ 12/ 2021

Oficina Olhares: “As cores da foto do menino no poste estão desaparecendo”, por Milena Siqueira

SAIBA MAIS

Notícias | 06/ 12/ 2021

Oficina Olhares: “Se algo de fato existe, ele é feito de carne e sangra”, por Clara Prado

SAIBA MAIS