Palestra situa o homem contemporâneo entre a brutalidade e a falência

Publicado em: 22/04/2015

A proposta do grupo A Motosserra Perfumada, intitulada “Masculinidades Contemporâneas”, dá outro passo amanhã (23), às 20h, na Sede Roosevelt da SP Escola de Teatro – Centro de Formação das Artes do Palco. Depois da primeira palestra, com o tema “Homens não choram”, a noite de quinta-feira está reservada para um debate que continua a abordar o tema de gênero, com foco nas masculinidades no contexto contemporâneo, visando a pluralidade de vozes do masculino.
 
Assim, com mediação de Ivam Cabral, diretor executivo da SP Escola de Teatro, e Laerte Coutinho e Suely Rolnik como palestrantes, está formada a mesa de debate “Masculinidades contemporâneas II: entre a brutalidade e a falência”. O evento tem entrada gratuita, mas está sujeito a lotação de 100 lugares.
 
No último encontro, chamado de “Masculinidades contemporâneas I: homens não choram”, os palestrantes Paulo Cesar Peréio e Marcia Tiburi foram mediados por Beth Néspoli e falaram sobre as cobranças sociais feitas ao homem contemporâneo.
 
A iniciativa do grupo A Motosserra Perfumada busca trabalhar sobre a premissa de que ao homem contemporâneo, apesar de desestabilizado pelas revoluções de gênero do século XX, ainda é cobrado socialmente um comportamento condizente com um ideal heteronormativo de masculinidade e uma gama de ações que reafirmam seu poder competitivo financeiro, político e sexual. Assim, a ideia é chegar ao denominador comum da pergunta: Quais os limites de um homem?
 
Serviço
“Masculinidades contemporâneas II: entre a brutalidade e a falência”
Quando: 23 de abril, quinta-feira, às 20h
Onde: SP Escola de Teatro – Sede Roosevelt
Praça Roosevelt, 210 – Centro
Tel: 11 3775.8600
Entrada gratuita | 100 lugares