Os Satyros ‘descomemoram’ golpe militar de 1964 com Vígilia pela Liberdade

Publicado em: 24/03/2014

Em 2014, o golpe militar de 1964 completa 50 anos. A data motiva, claro, uma série de ações vindas, principalmente, da classe artística. Uma delas será promovida pela Companhia de Teatro Os Satyros, entre os dias 30 de março e 1º de abril.

 

Serão três dias dedicados a relembrar o período de ditadura e opressão que assolou o País por duas décadas, numa espécie de “descomemoração”. Chamado de Vigília pela Liberdade, o projeto levará debates e apresentações a vários espaços localizados na Praça Roosevelt e em seu entorno. Todas as atividades serão gratuitas.

 

Espaço dos Satyros Um, na Praça Roosevelt (Foto: Divulgação)

 

A proposta da iniciativa, cuja ideia surgiu do dramaturgo e produtor Asdrubal Serrano, é manter viva a memória coletiva acerca da riqueza da produção cultural e dos prejuízos causados pela ditadura. Os fundadores do coletivo, Ivam Cabral e Rodolfo García Vázquez – respectivamente diretor executivo e coordenador de Direção na SP Escola de Teatro – logo toparam realizar o evento. 

 

“Não podemos esquecer que vivemos isso, para não voltarmos a cometer os mesmos erros. Acredito que o passado pode ser modificado, para que o mundo não retroceda. Ou seja, mais que lembrar a data, queremos lembrar que a História pode ser refeita”, comenta Ivam Cabral.

 

Um dos destaques da programação são as mesas literárias comandadas pelo escritor Marcelino Freire, com participação de Beatriz Bracher, Ivana Arruda Leite e Paula Bajer Fernandes e homenagem ao escritor Marcelo Rubens Paiva. Além disso, o evento marca o lançamento dos livros “A única voz”, de Wilson Freire com ilustrações de Germano Rabelo, e o jornal “50 anos daquele 64”, organizado por Regina Junqueira Agnelli.

 

No dia 30, Gero Camilo, Tatá Aeroplano e Luiz Gayotto, que formam o trio Aventureiros, recebem o cantor Rubi e a atriz Paula Cohen para reviver músicas da Tropicália, Bossa Nova e Jovem Guarda. No dia 1º, acontece a exibição dos filmes “O bandido da luz vermelha”, de Rogério Sganzerla, e “Luz nas trevas, a volta do bandido da luz vermelha”, de Helena Ignez e Ícaro Martins.

 

O Dramamix, projeto que há anos integra a programação da Satyrianas, também ganhará edição especial, dia 31, no Teatro de Arena Eugênio Kusnet. Lauro César Muniz, Marcelo Rubens Paiva e Sérgio Roveri já estão confirmados e escreveram textos especialmente para o projeto, que serão encenados pelos grupos Núcleo Bartolomeu de Depoimentos, Os Fofos Encenam, Parlapatões e Pessoal do Faroeste.

 

Para completar, é previsto que Zé Celso e os artistas do Oficina participem da programação com uma maratona que invadirá o Teatro de Arena. 

 

Serviço

Vigília pela liberdade

Quando: De 30 de março a 1º de abril

Onde: Espaços culturais da Praça Roosevelt e redondezas

Grátis

 

Texto: Felipe Del