Em atendimento à legislação eleitoral, os demais conteúdos deste site ficarão
indisponíveis de 2 de julho de 2022 até o final da eleição estadual em São Paulo.
Em atendimento à legislação eleitoral, os demais conteúdos deste site ficarão indisponíveis de 2 de julho de 2022 até o final da eleição estadual em São Paulo.
EN | ES

Oficina Olhares: “um diálogo no vazio”, por Clara Prado

Publicado em: 07/12/2021

por Clara Prado*, participante da oficina Olhares, especial para SP Escola de Teatro

sentada à minha frente, uma mulher. apenas uma mesa com algumas velas nos separam. atrás dela, a sala escura, vazia. ela começa a falar e, apesar de sermos só nós duas, não é comigo. nós não falamos a mesma língua.

em “Revlon 45”, de Fernanda D’Umbra, mesmo quando as palavras estão certas, parecem erradas. ao colocar em cena o texto corrido do monólogo em forma de anotações da personagem, a exatidão do que deve ser dito contrasta com a forma de dizer, o sotaque deslocado de uma menina órfã, de pais, de língua e de país. mas, mesmo que o discurso fosse completamente inteligível, a dimensão traumática do conteúdo nunca é apreendida por inteiro.

a violência do desaparecimento dos pais, da provável tortura, do não saber, deixa a menina sem palavras, sem mecanismos para lidar com o desterramento absoluto que sofreu. assim, a escolha pelo sotaque forçado enquanto marca, para sempre presente neste corpo, dos feitos da ditadura militar, assinala a imposibilidade de esquecimento diante do absurdo.

a atuação de Fernanda D’Umbra vai da aparente indiferença e tranquilidade a um desespero latente mas fundamental da personagem, que não emerge. o jogo entre o dito e o não dito, construído na fala, no entanto, não se sustenta no texto, que tenta entregar tudo. na atuação e na cenografia, os elementos todos apontam para algo escondido nas entrelinhas: a impossibilidade de lidar com a integridade do trauma, ou seja, de constantemente encarnar a dimensão indizível da violência. a dramaturgia, no entanto, é completamente despida de mistérios ou surpresas e parece uma tentativa desesperada de ultrapassar este limite inerente ao discurso, tornando-a previsível.

o que fica é, mais uma vez, um abismo entre o dito e o impossível de dizer.

* Clara Prado está cursando o primeiro ano de graduação em Letras na FFLCH-USP e tem um interesse especial por poesia, crítica e teatro. participou do Curso Livre de Preparação de Escritores (CLIPE Jovem) da Casa das Rosas no primeiro semestre de 2021, assim como de um grupo de estudos sobre dramaturgia promovido pelo Projeto Frestas. trabalhou voluntariamente como professora de português e redação em um cursinho voltado para jovens de escola pública, focado no preparo para provas de Ensino Médio. atualmente, faz um curso de teatro também do Projeto Frestas e é da equipe editorial de uma revista literária do curso de Letras que ainda está em formação.




Relacionadas:

Notícias | 15/ 08/ 2022

Gargarejo Cia. Teatral apresenta projeto em que revisita obras clássicas de Machado de Assis na próxima terça (16), na SP

SAIBA MAIS

Notícias | 15/ 08/ 2022

Miguel Rocha, artista egresso da SP e diretor da Cia. de Teatro Heliópolis, é indicado ao Prêmio APCA 2022; veja entrevista exclusiva!

SAIBA MAIS

Notícias | 15/ 08/ 2022

SP Escola de Teatro e Itaú Cultural promovem a 1ª Edição do Seminário O Sujeito Histórico do Teatro de Grupo do Estado de São Paulo

SAIBA MAIS