O humor em discussão na Roda de Conversa da SP Escola de Teatro

Publicado em: 09/03/2015

A Revista A[L]BERTO, em sua edição de número 8, dedica sua discussão ao humor. Para reforçar o debate sobre o tema, a SP Escola de Teatro – Centro de Formação das Artes do Palco promove uma Roda de Conversa.
 
O encontro contará com a participação de Rafinha Bastos, Domingos Montagner, Mario Viana e mediação de Raul Barreto, coordenador do curso de Humor da Escola.

A participação é exclusivamente para os aprendizes da SP Escola de Teatro.

 

Rafinha Bastos, Domingos Montagner, Raul Barretto e Mário Viana

Os participantes:

Raul Barretto
Raul, graduado em Engenharia Civil pela Faap, iniciou sua carreira de ator com o curso de teatro Drama Visão sob orientação de Daniel Cherniawski José Paulo Rosa. Participou da Oficina de Teatro na abertura do Sesc Pompeia com o Grupo Manhas e Manias do Rio de Janeiro, onde protagonizou “O Dragão”, de Eugene Schwars, sob direção de José Lavigne. Trabalhou com Antônio Nóbrega durante seis anos, participando de suas pesquisas e ingressando no Circo Escola Picadeiro onde especializou-se em palhaço, malabares, monociclo e arremesso de facas. Ainda no Circo Escola conheceu os parceiros que o convidaram, em 1992, a ingressar no grupo Parlapatões, Patifes e Paspalhões onde encontrou o seu espaço definitivo de atuação. Em 2005, junto com Hugo Possolo e Beto Andretta (da Cia Pia Fraus) fundaram o Circo Roda Brasil.
Participa de projetos como: Parlapatões, Patifes e Paspalhões (35 espetáculos como ator e produtor, além de diversas outras atividades do Grupo) como diretor de produção e palhaço desde 1992, Projeto Pano de Roda, Projeto Circo Roda Brasil como coordenador e SP Escola de Teatro, como coordenador do curso de Humor.

Rafinha Bastos
Rafinha iniciou a carreira na internet, sendo um dos pioneiros em comédia na rede com a “Página do Rafinha”. Tornou-se um dos pioneiros no stand-up comedy, ao lado de Marcela Leal e Marcelo Mansfield, e rodou o Brasil com a turnê de seu espetáculo “A arte do insulto”. Em seguida, tornou-se um dos apresentadores do programa humorístico “CQC” e do jornalístico “A Liga”, ambos exibidos na Band, com produção da argentina Cuatro Cabezas. Em 2011, lançou em DVD o show “A arte do insulto”, com o recorde de vendas de 55.000 cópias. No mesmo ano, foi eleito a figura pública mais influente do mundo da rede social Twitter. Em 2013, lançou o programa de entrevistas “8 minutos” e fundou o canal de internet Marcapasso, em parceria com a produtora Juliana Kulesza e o diretor Leo Rapini. O projeto tem como foco o desenvolvimento de programas que contam histórias reais de forma autêntica e inspiradora, com um viés documental. Com o sucesso do projeto “8 minutos”, no YouTube, a Netflix plataforma online de streaming de conteúdo audiovisual, comprou versões estendidas do programa intitulado “Bem mais que 8 minutos”. Atualmente, Rafinha Bastos é apresentador do programa “Agora É Tarde”, exibido na Rede Bandeirantes, e já entrevistou Jair Bolsonaro, Datena, Milton Neves, Marco Feliciano, Luiz Felipe Pondé, Oscar Schmidt, Andrés Sanchez, Anitta, entre outros.

Domingos Montagner
Domingos começou seus trabalhos durante o curso de interpretação com Myriam Muniz e, em 1989, no Circo Escola Picadeiro. Em 1991, com Fernando Sampaio, passou a desenvolver várias técnicas circenses, em especial as aéreas com José Wilson Moura Leite e o trabalho de palhaço com Roger Avanzi, o Palhaço Picolino. Aperfeiça-se na França na Escola Nacional de Annie Fratellini, na Escola de Trapézio Volante de Jean Palac e na arte do palhaço com Leris Colombaioni, na Itália. Em 1997, oficializam a parceria, criando o grupo LaMínima e, a partir daí, vários espetáculos: “À La Carte” (2001), “Piratas do Tietê, O Filme” (2003), “Feia” – Uma comédia circense (2006),“Reprise” (2007), “A Noite dos Palhaços Mudos” (2008), inspirada em HQ de Laerte, pelo qual recebeu o Prêmio Shell de Teatro – SP, como melhor ator; e o Prêmio Cooperativa Paulista de Teatro, de “Melhor Elenco”. Em 2008, estreia na televisão, no seriado “Mothern” (GNT) e fez ponta no seriado “Força Tarefa”, na Rede Globo. Em 2011, aparece como galã no seriado “Divã”, protagonizado por Lília Cabral. Logo em seguida, participa das novelas “Cordel Encantado”, “Joia Rara” e, atualmente, protagoniza “Sete Vidas”. É também diretor artístico e um dos fundadores do Circo Zanni.

Mário Viana
Mário é jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero. Trabalhou no jornal Folha de S. Paulo, na revista Veja São Paulo, foi editor de turismo do jornal O Estado de S. Paulo e colaborou com várias outras publicações. Dramaturgo, formou o Núcleo dos 10, sob orientação do também dramaturgo Luís Alberto de Abreu. Recebeu menção honrosa no concurso nacional de textos teatrais inéditos de 2000, promovido pelo Ministério da Cultura, com a peça “Flechadas do teu Olhar”. Os textos “Vamos?” e “Vestir o Pai” receberam prêmios em duas edições do concurso de dramaturgia promovido pela Secretaria de Cultura de Porto Alegre, em 2000 e 2001. Teve montados quatro espetáculos com o Grupo Parlapatões: “Mistérios Gulosos”, “Pantagruel”, “Um Chopes, Dois Pastel & Uma Porção de Bobagens” e “O Pior de São Paulo”. Também foram montadas as peças “Ifigônia”, com as atrizes Rosi Campos e Zezeh Barbosa, e “Verdades, Canalhas”, dirigida por Hugo Possolo. O monólogo “Natureza Morta”, inspirado numa tela do norueguês Edvard Munch, é montado no Recife, em São Paulo e Rio de Janeiro. De 2005 a 2007, participou do núcleo de autores do “Nunca se Sábado”, no Teatro Folha. Integra também o quadro de autores do seriado de TV “Avassaladoras”, para a Total Filmes. Em 2006, estreou no Teatro Stella, Montevidéu, a peça “Vistiendo a Papá”, com direção de Jorge Denevi. Em São Paulo, estreou “Assim com Rose”, dirigida por Jairo Mattos, e o infantil “Bruxo Pontocom”, dirigido por Hugo Possolo. Em 2007, estreou “Segunda-feira: o Amor do Sim”, com direção de Alexandre Reinecke, no Espaço dos Satyros. “Galeria Metrópole” ganhou leitura dramática no projeto Viva a Língua de Camões, no Porto, Portugal. Em televisão, foi colaborador de Aimar Labaki nas novelas “Seus Olhos” (SBT) e “Paixões Proibidas” (Band-RTP). Integrou a equipe de colaboradores da novela “Dance Dance Dance” (Band) e colaborou com Lauro César Muniz, nas novelas “Poder Paralelo” e Máscaras” (Record) e de Carlos Lombardi em “Pecado Mortal”.

 

*O evento foi adiado por compromissos artísticos de um dos participantes. Uma nova data será informada em breve*

Relacionadas:

Notícias | 03/ 11/ 2021

Danilo Dal Lago, artista egresso da SP, estreia peça que contrapõe escritor periférico e mercado editorial

SAIBA MAIS

Notícias | 28/ 10/ 2021

Maria Bonomi inaugura obra no Memorial da América Latina que homenageia vítimas da pandemia

SAIBA MAIS

Uncategorised | 01/ 10/ 2021

Festival Satyricine Bijou anuncia vencedores da mostra competitiva e homenageia a atriz e cineasta Helena Ignez

SAIBA MAIS