EN | ES

“O Fazedor de Teatro” tem novas apresentações gratuitas a partir de março

Publicado em: 23/02/2024 |

Com encenação de Marcio Aurélio, a peça da Cia Razões Inversas rendeu indicações ao ator Paulo Marcello aos prêmios Shell e APCA. (Crédito: Crédito: João Caldas)

Com encenação de Marcio Aurélio, a peça da Cia Razões Inversas rendeu indicações ao ator Paulo Marcello aos prêmios Shell e APCA. | Foto: João Caldas

Montada originalmente em 2022, em comemoração aos 30 anos de trajetória da Cia. Razões Inversas, a peça “O Fazedor de Teatro” ganha novas apresentações nos Teatros Alfredo Mesquita (de 6 a 10 de março), Cacilda Becker (de 14 a 17 de março) e Arthur Azevedo (28 de março a 7 de abril). Pelo trabalho, o ator Paulo Marcello recebeu indicações aos prêmios Shell e APCA.

Escrito pelo austríaco Thomas Bernhard (1931-1989), em 1984, “O Fazedor de Teatro” tem no próprio teatro o paradigma do absurdo da existência humana. Um teatro – leia-se a vida – que falha não só perante as condições exteriores de um mundo adverso, mas também perante os fantasmas, a prepotência e as fraquezas dos protagonistas e da própria sociedade. Assim, temos o teatro como o microcosmo da sociedade.

Na trama, Bruscon está em viagem com a peça A Roda da História, que ele escreveu, dirigiu e protagoniza. A trupe, formada pela esposa e os dois filhos desse “grande” ator do teatro nacional alemão, chega a um pequeno vilarejo da Áustria, chamado Utzbach, para se apresentar em um salão de baile de uma estalagem decadente.

O calor, a sujeira, a falta de recursos, além do cheiro insuportável de chiqueiro e da fábrica de chouriço, completam a cena de desolação frente ao pequeno vilarejo com seus 280 habitantes embrutecidos. Para piorar a situação, os artistas precisam da autorização do chefe dos bombeiros para que a luz de emergência fique apagada durante cinco minutos, condição essencial para a perfeita realização do espetáculo.

Para o intérprete, o texto cria uma reflexão importante sobre a arte que cabe perfeitamente ao contexto brasileiro. “Thomas Bernhard nasceu na Áustria, mas odiava o país. Ele dizia que esse era um lugar atrasado, de pessoas ignorantes e nazistas, de xenofobia e desprezo pela arte – tanto que quando ele era vivo proibiu que seus textos fossem encenados lá. E, de certa forma, vivemos no Brasil um momento um pouco parecido, de desvalorização da arte”, acrescenta.

A Cia. Razões Inversas flertava com a montagem desse texto há bastante tempo, conta o diretor Marcio Aurelio. “Conheci o texto com o Abujamra e fiquei encantado. Estávamos só esperando o momento mais propício para montá-lo e isso calhou muito bem com os 30 anos da companhia. O espaço do Sesc Pompeia também foi muito apropriado para receber a montagem, porque ele é todo feito em paredes de tijolo. E queremos retratar uma cidade sem acabamento nesse lugar, como um reflexo para a sociedade, que também não tem acabamentos”, conta.

Além dos 30 anos da Razões Inversas, “O Fazedor de Teatro” comemorou os 40 anos de teatro de Paulo Marcello, co-fundador do grupo, montado por alunos formados pela primeira turma da graduação em Teatro da Unicamp.

Sinopse

Bruscon, ator do teatro nacional alemão, depois de sua aposentadoria, faz turnês pelo interior da Áustria e da Alemanha. Bruscon aglutina e carrega consigo todas as funções relativas ao fazer teatral: foi ele quem escreveu e dirigiu a peça. Além disso, Bruscon se preocupa com as funções administrativas e financeiras da companhia, que é de ordem familiar: os componentes do grupo são sua esposa, sua filha e seu filho. A peça começa quando a companhia chega à hospedaria onde fará sua apresentação numa pequena cidade do interior da Áustria.

Este projeto foi contemplado pela 17ª Edição do Prêmio Zé Renato – Secretaria Municipal de Cultural

Serviço

O Fazedor de Teatro, da Cia. Razões Inversas
Ingressos: Grátis, distribuídos uma hora antes de cada apresentação
Classificação: 14 anos
Duração: 100 minutos

Teatro Alfredo Mesquita – Av. Santos Dumont, 1770, Santana
Quando: 6 a 10 de março, de quarta a sábado, às 21h, e no domingo, às 19h
Acessibilidade: sala acessível a cadeirantes e pessoas com mobilidade reduzida

Teatro Cacilda Becker – Rua Tito, 295, Lapa
Quando: 14 a 17 de março, de quinta a sábado, às 21h, e no domingo, às 19h
Acessibilidade: sala acessível a cadeirantes e pessoas com mobilidade reduzida

Teatro Arthur Azevedo – Avenida Paes de Barros, 955, Alto da Mooca Quando: 28 de março a 7 de abril, de quinta a sábado, às 21h, e aos domingos, às 19h
Acessibilidade: sala acessível a cadeirantes e pessoas com mobilidade reduzida

Ficha Técnica

Texto: Thomas Bernhard
Tradução: Samir Signeu
Encenação: Marcio Aurelio

Elenco
Paulo Marcello
Ana Souto (Atriz convidada)
Eugênio La Salvia (Ator convidado)
Lilian Alves / Indy Tavares
Eduardo Santos
Gabriela Marques

Diretora Assistente: Lígia Pereira
Cenários: Marcio Aurelio e Marcelo Andrade
Figurinos: Marcio Aurelio e Carol Badra
Visagismo: Olívia Tartufari
Trilha Sonora: Marcio Aurelio
Projeto de Luz: Aline Santini
Operador de Luz: Silviane Ticher
Operador de Som: André Luiz Lemes
Preparação Corporal: Luciana Hoppe
Fotos: João Caldas Jr.
Design Gráfico: Alexandre Caetano
Divulgação: Pombo Correio
Produção Executiva: Cristiane Klein e Júnior Cecon – Dionísio Produção
Produtores/Colaboradores Dionísio Produção: Lívia Império, Wesley Mendes, Flávia Santos, Thomas Calux e Raissa Castilho
Produção: Paulo Marcello – Razões Inversas Marketing Cultural
Assistente de Produção: Luciana Hoppe




Relacionadas:

Notícias | 16/ 04/ 2024

Edições Sesc lançam livro da fotógrafa Lenise Pinheiro que retrata o Festival de Teatro de Curitiba

SAIBA MAIS

Notícias | 15/ 04/ 2024

“Mostra Solo, mas não Só – Mulheres em Rede – Vozes do Interior” convoca artistas para Residência Artística em Pindamonhangaba

SAIBA MAIS

Notícias | 15/ 04/ 2024

“Bash”, do estadunidense Neil LaBute, estreia no Espaço Elevador

SAIBA MAIS